Uma Breve Biografia Impressionista do Casal Harper, Visto pelos seus Filhos [ENG]

“Quem é aquela gente que vive cantando?

Introduction

Our first memories are those where sung melodies paced and filled our small world at home at JMC.  Soon it became clear to us that others outside the house, down the road in the Casa das Moças, across the ponte above the Jordão, into the dormitórios and classrooms  of the college, knew and practised those solfégios and hymns with  diligence..  Even our white dog, Fluffy, sat back on the front porch, wolf-like, and howled in concert when the first stanzas of “Ao Deus de Abrão Louvai” poured across the valley.  We are not surprised, therefore, to discover,  fifty years later,  from among  the hundreds of recently acquired letters written by our parents to their families and friends, one significant quote.  With the advantage of hindsight, it seems to us that the paragraph catches neatly a strong dimension of our parents’ character and  faith.

 “The music has almost gotten out of hand”, writes Evelyn, “I am happy to say, even though it creates a big problem of how best to take advantage of all the enthusiasm. A short time ago one of our neighbors in Jandira told me that a newcomer in the neighborhood stopped at his house one day to ask, pointing in the direction of JMC,  “Quem é aquela gente que vive cantando?” (Evelyn, in a letter written in 1945 to her church).

Cuiabá

Evelyn´s and Roy were first assigned, as missionaries under the Central Brazil Mission of the Presbyterian Church, USA, to work in direct evangelism in one of the most remote areas of Mato Grosso, with headquarters in Cuiabà. “They travelled widely by mule back, or over primitive roads in a model-T Ford”, states their official career profile, “as they learned to understand and speak Portuguese, and came to know and love the Brazilian people”.  To read the personal letters written in those years (1925-27) to their parents, and more intimately to their brothers and sisters, handwritten or typed on the old Corona with sticking ribbons in the steam heat,  reveals a riveting glimpse:  that of  a youthful,  naïve, enthusiastic North American couple, very much in love, displaying boundless energy and curiosity, funny, confident in their Christian faith, always producing music (e.g. Roy’s trumpet, Evelyn’s harmonium) .

They became indignant over social injustices, such as over the obscurantism, superstition and filth surrounding parto practices and the family ravages of alcoholism.  They became the unwitting witnesses to Luis Carlos Prestes’ sweeps through the state on his way to Bolivia, and were thus rapidly introduced to political and military realities usually absent from missionary “orientation”.  They were overjoyed with the nieghborhood children, and with their families, who came to visit them in their modest quarters. Their letters speak of a place so devoid of comforts that they developed innovative energy-saving schemes and vegetable- production experiments  which were to prove extremely valuable in later  at JMC: reference is made here to the self-help work programme involving all students in their intellectual and manual labor, with a view to building a healthy appreciation of the dignity of work as a prerequesite of church leadership.

Jandira

 Such superb training in such unusual circumstances,  deep in Mato Grosso, prepared the Harper couple to participate, as of 1928 in a self-help educational experiment unique for its time: that of José Manuel da Conceição Insitute (JMC). It was unusual in that it gave an opportunity and a healthy framework to evangelical Protestant adolescent young men and women from the interior of Brazil from modest, if not poor, families, to prepare themselves for leadership in their churches: Presbyterian, Episcopal, Baptist, Methodist and several other denominations.

After their initial years Mato Gross, Roy and Evelyn Harper arrived at Jandira, where the early preparations for opening JMC were being made in 1927. They  received the first students for its initial courses on 8th February, 1928. (For the record, this turma, graduating in 1929, included Adolfo Machado Correia, Eduardo Pereira de Magalhães, Fernando Nanni, Martinho Rickli and Paulo Braga Mury) :  They first taught under the able leadership of Dr. W.A.Waddell –  Roy as teacher of Greek, Hebrew and the sciences, Evelyn taught English and Music. It was here that both contributed most effectively over the years to the life of JMC, and perhaps for which they are best remembered: thorough training in the biblical languages and in the physical and social sciences; the creation of the “Caravana Evangélica Musical” (CEM),  by which people in hundreds of churches, and praças públicas across Brazil were witnessed to, through A Cappella choirs made up of JMC students; a vast programme of music to prepare future lay and ordained church leaders as choral directors and organists in the churches, and the acquisition of skills in management and administration in church institutions and congregations.

In 1936, Roy was appointed the director of the school and remained in this position until 1952, when he took up new duties, in the city of São  Paulo,  as the treasurer of MacKenzie Institute, which had been founded by Presbyterian missionaries in 1870.  After nine years there, during which time Evelyn trained radio choirs for broadcasting and recording and participated fully in the liturgical and musical life of local churches, they returned to the USA, after 35 years of service in Brazil. Roy was particularly satisfied  then (1962) that,  for the first time since MacKenzie Institute’s founding, he was succeeded as treasurer by a Brazilian national.   Upon returning to the USA, for several years they assumed various responsibilities, out of San Fransisco, California, for interpretation of the Mission of the Church, in Brazil,  to churches in the western United States. Roy also received, in the Bay Area, young  Asian scholarship students.  In 1965 they retired to a home in Westminster Gardens, were they maintained close contact and rich correspondence with Brazilian colleagues, students, and friends. They continued serving the retired missionary community with administrative tasks and …music, always cantando..   

Edgerton

Charles Roy Harper was born on March 15, 1895 in Edgerton, a farming community in the central  state of Kansas in the USA. His father, Charles Sumner Harper, gave Roy three gifts: his height (well over 1m90); a love for agriculture and  wide horizons ;   and a deep respect for medicine and the human person. All three gifts served Roy in abundance later, at JMC –  his

enthusiasm and skill on the basketball court, a keen appreciation of the educational and practical benefits of horticulture and self-help schemes as a part of the student programmes, and his close cooperation with the Instituto Butantã, along with those students experienced in mata fauna, in the capture of numerous and often rare poisonous snakes for purposes of producing serum antidotes for bites.  From his mother, Carrie Erskine Harper, he gained a deep love of the rich biblical texts, read to him and to his older brother Meryl from early age on in the resonance of the King James’ version. She also taught him to care for others. He developed an unusual sense of humor and a keen eye for companions. He struck up friendships easily, with men and women. This became  evident  already as a sailor in the US Navy, stationed in San Francisco and later as a pharmacist and medical aid on troop ships crossing the Atlantic Ocean

during  World War One. Immediately following the war Roy enrolled in a four year pre-ministerial program at Monmouth College, a United Presbyterian institution, in Illinois, In 1921 he received his BA degree there, studied for the ministry at Princeton Theological Seminary (BD, 1924) while earning, the same year, an MA in literature from Princeton University.  In 1961 he received an honorary Doctor of Divinity degree from Monmouth.

Des Moines

Evelyn was born in Des Moines, Iowa, USA, on March 15th, 1899.  She was part of a large family of Presbyterian teachers, preachers and farmers. Her father, Alonzo C. Douglass, was the pastor of the local congregation, a preacher of considerable skill – not to mention imposing authority – and was himself the descendant of other ministers, farmers who emmigrated from Scotland and Ireland in the 18th century.  (It seems from recent research that another branch of the same extended Scottish-Irish clans, specializing in the production of distilled whiskey, made its way south to Kentucky, but that part of the family history was not easily made available to descendants of this branch…).

Alonzo later taught Pastoral Theology at Zenia Theological Seminary, in Pittsburg, Pennsylvania.  Evelyn was closest to her mother, Mary Margaret Findley Douglass, daughter of a Monmouth, Illinois couple of wide intellectual curiosity.  She imbued Evelyn with a passion for music – through the local choir, with the loyal Victrola record player (Lily Pons´ rendition of Delibe´s Lakmé was a favorite), and attending at every opportunity the rare coloratura soprano concert in some distant mid-west town hall!.  Mary was a soft-spoken woman, gentle and firm. She listened well.  These traits,  she clearly transmitted to  Evelyn. Quite frail as a young girl, she learned quickly a sense of self-defence, flexibility and tenacity by living with a vigorous set of four brothers and a sister. This characteristic: toughness under material circumstances as a young missionary in Cuiabà in the 1920s,  or travelling with the CEM choir in an open truck, in spite of her bouts with asthma in the 1940s,  served her well. Sensitivity, tenacity and vision prepared her to carry out her perceived calling to train young people to glorify God through music.

Evelyn also attended Monmouth College with this large group of siblings, and graduated from there and the Monmouth Conservatory of Music in 1923, with a BA degree.  In 1946 she pursued further studies under Dr. Williamson, director of the Westminister Choir College, in Princeton, New Jersey, and the with Dr. John Kelly at the School of Sacred Music at San Francisco Theological Seminary, in San Anselmo, California.

She married Roy in 1924. They were appointed for service in Brazil by the Board of Foreign Missions of the Presbyterian Church, USA., until their retirement in 1964.

Family

Roy and Evelyn had two children: Annabel Louise was born in 1929, in Long Beach, California.  Charles Roy (Royzinho),  in 1933, in São Paulo.  Each later enrolled at JMC for two years.   Annabel studied at Maryville College, related to the Presbyterian Church US, and then, at the University of New Mexico, training in education. In 1952 she married William Swenson,  who became basketball coach and the vice principle of the high school in Tracy, California, near San Francisco.  Members of the local Presbyterian Church, Ann and Bill have lived in Tracy for over forty years, and raised four children:  Robert, a graduate of the University of California and former professional football (US) player nine years with the Denver Broncos (daughters Lauren and Kristin) ; Linda, a primary school teacher now living and working in Santiago, Chile, with her husband Christian (Hans, Susie and Mark);  Bill, a professional housebuilder in Tracy, and his wife Frances (Willie);  and Susan, a computer programmer in Denver, who with her husband Michael, are recent parents of Hannah,

Charles (Roy) graduated from Wooster College, in Ohio (1954). He studied for the ordained ministry in San Francisco Theological Seminary (MDiv, 1958), did  graduate work in Political Science at the University of California, Los Angeles (MA, 1967). He married Babette Dammholz, of Berlin, in 1962 in Marseilles, France. They served in Algeria for three years in a reconstruction programme with the Christian Committee of Service in Algeria, and from 1967 on, in Geneva Switzerland – she with the Institut d’Action Culturelle (IDAC, founded with Paulo Freire),  and Charles as director of an international student house, the Foyer John Knox and since 1973 with the international affairs and human rights program of the  World Council of Churches. They had two children:  Caroline Anne,  a graphic artist in London, England,  married to Neil;  and  Steven Martin who lives in Rio de Janeiro and works as a professional tap-dancer, teacher and choreographer. With his wife Beth  (from Campo Grande, Mato Grosso) they have a daughter, Nina.

O coqueiro

We received many letters and personal messages written by former colleagues and students, friends and family, when they died (Roy, at Westminster Gardens, in 1979; Evelyn, also in Duarte, California,  ten years later). They are all eloquent,  evocative, and touching. They help us begin to appreciate more fully this vibrant couple, whom we now see more clearly or that we were able, as their children, to perceive.  As we read on in their remarkable correspondence, at different transition points, we can begin to understand the dilemmas,  joys tensions and triumphs in their lives among their beloved students, faculty colleagues and Jandira neighbors.

We quote here, from an esteemed  friend and former colleague, because it reflects  Evelyn and Roy quite as they might have liked to be remembered. It came from Gerson Meyer, as Manuelino as they come:

Querido Chuck,

Tu não te lembras da casinha pequenina
onde o nosso amor nasceu?
Tinha um coqueiro do lado que coitado de
saudade já morreu?

Você não crê que Deus gostaria de ouvir esse dueto cantado pelo Altão (“Moço, moço!”) e D. Evelina de vez em quando? Eu creio. Lembro-me sempre do alto e da baixinha (uso a palavra com amor) cantando em nossas reuniões nas noites de Sábado no Jota. Bem-aventurados aqueles que dormem no Senhor, pois as suas obras o seguem. Somos frutos dessa obra.

Cante comigo a Casinha Pequenina, e estaremos homenageando D. Evelina e o velho mestre Roy.

As we close this brief biographical sketch, we invite you, as we did in the letter which we wrote to our parents’ friends in 1989,  to trust that next to the casinha pequenina a coqueiro will flourish again and again, providing abundant fruit and refreshing shade for many.

Quem é aquela gente que vive no céu cantando …? 

Transcrito aqui em 6 de Novembro de 2015.

Advertisements

No Tempo do Conceição (por Loyde Amália Faustini)

O site do JMC despertou em mim a memória adormecida dos meus longínquos tempos de Conceição. Ao rever algumas fotos dessa época, novas lembranças surgiram em minha mente e, não resisti em externa-las. Tudo o que parecia apagado, começou a reaparecer, reviver e a ressurgir como se um livro começasse a ser lido.

Não, quem passou pelo Conceição, não se esquece das experiências lá vividas! Era um colégio único, diferente e jamais teremos outro igual. Fui aluna do Jota no ano de 1945. Tinha terminado o curso ginasial em escola do estado, na cidade de Pirajui, SP e, influenciada pela Martha, minha irmã, que estudara no Conceição alguns anos antes, fui para lá, onde matriculei-me  no 1º ano colegial. Muito jovem ainda e, pela primeira vez fora de casa, esse ano de estudos valeu pelas grandes e marcantes experiências  em minha vida.  Escola, ou melhor, educação de tempo integral, onde, além das aulas formais, aprendia-se a assumir responsabilidades, a cantar e a apreciar a boa música coral, a conhecer a bíblia, a praticar algum esporte, a conviver com regras baseadas na confiança e não na imposição e vigilância.

A rotina diária começava com o café da manhã na casa das moças e a corrida para as aulas que se iniciavam às 7 e meia e iam até às 10 e meia. A seguir, o culto diário e, depois, o almoço no refeitório, com todos os alunos. A tarde, em geral, era dedicada aos estudos, preparação de trabalhos, ensaios, esportes. O jantar também era feito na casa das moças. Havia uma escala e, em pequenos grupos, éramos encarregadas de prepara-lo. Pelo menos duas de nós deveríamos buscar enormes tigelas de feijão no refeitório da escola para complementar a refeição. À noite, reuniões, estudos, leituras, até o horário do apagar das luzes do colégio.Além de aprender a cozinhar em imensas panelas, tínhamos que lavar nossa própria roupa às margens do jordãozinho, coisas inusitadas para mim.

Aos sábados à noite, tínhamos reuniões alternadas dos grêmios Miguel Torres e Castro Alves. Aos domingos havia escola dominical e culto para os alunos que não tivessem outros compromissos com igrejas.

No culto diário, após as aulas, encontrávamos o diretor ou professores, missionários, visitantes ilustres que ocupavam o púlpito. Era também a oportunidade usada por d. Evelina, para treinar os muitos alunos-organistas que, muitas vezes tremendo, preparavam-se para o ofício.

Tive como “véias” a Silvia Magalhães Lima e a Adélia Rosa do Vale, duas grandes amigas. Foram meus colegas de classe os futuros pastores Elizeu Vieira Gonçalves, Egidio Costa, Lino Medeiros, Rubem Alberto, Adílio Gomes, Alcides de Matos, Palmiro Andrade e Darcy Amaral Camargo, além da Adélia. Tive aulas com o Rev, Renato, Rev. João Euclides, Rev. Buonaducci, prof. Dario. Fui aluna, ainda, de Mr. Harper (inglês) e d. Evelina (música), aulas que assistia na 4ª série.Tive um grande impacto quando, pela primeira vez, fiz provas sem a presença de professores. Esse fato marcou muito o resto de minha vida estudantil, coisa impensável em outra escola qualquer. A monotonia das aulas de história, associada ao livro de texto História Universal, de Oliveira Lima, que nada tinha de didático, fizeram-me apagar, por completo da memória, o conteúdo do que deveria ter sido aprendido. De Bello Galico, com comentários em inglês, para as aulas de latim, deixava-me confusa. Aulas de espanhol para quem só sabe portunhol, até que foi aproveitável. E o “princípio da isostasia,” por alguma razão, ainda me recordo da explicação do professor. Tudo, afinal deve ter contribuído, de alguma forma, para a minha formação futura…

As reuniões dos grêmios eram bem variadas.A recepção aos calouros que o Castro Alves promoveu naquele ano foi bastante simpática e muito ajudou na rápida integração com os colegas veteranos. Nós, novatos, ficávamos “na berlinda” nas brincadeiras, para a alegria dos demais alunos. Numa delas, tivemos que fazer uma longa lista de ações, lugares etc. Depois, ao ser lido um questionário, essas listas formavam frases e criavam as mais divertidas situações para a diversão dos presentes. Em outras reuniões, lembro-me de ouvir o José Costa declamar, com toda a emoção e entusiasmo, o Navio Negreiros, de Castro Alves. Parece-me ouvi-lo: “Estamos em alto mar…”. Nesse ano, conforme uma foto disponível, a diretoria eleita do Grêmio Castro Alves éramos o Carlos Monteiro (presidente), Violeta Graham e eu.

Após as reuniões dos grêmios, íamos todos para a refeitório, para um chazinho ou café e brincadeiras de salão. Qual o manuelino que não participou do “Há um macaco na roda….”, “Minha direita está vaga…” ? Quantos namoros, declarações de amor aconteceram nesse ambiente, como também no convívio diário? Os correios amorosos eram sempre colegas mais chegados ou livros que serviam para a troca de correspondência, dentro dos quais sempre havia um bilhete, uma cartinha especial…

Certo dia, as moças foram avisadas pela diretora da casa, d. Nena, que Mr. Harper viria conversar conosco, logo após o jantar. Foi um alvoroço geral, já que isso não era comum acontecer. Na hora marcada, lá apareceu o diretor que, muito solene e com grande tato, passou o seu recado, aconselhando as moças a não namorarem durante o curso porque, na certa, não haveria futuro para esse relacionamento pois, dentro em pouco, cada um voltaria para seus lares e para suas atividades. Para enfatizar, disse mais ou menos o seguinte: “O namoro aqui é como um cogumelo  à beira do rio, cresce logo, mas, dura muito pouco.” Por muito tempo, esse “discurso”foi motivo de muita risada entre as moças.

Quanto pernilongo havia por lá nessa época! Ao anoitecer, enquanto conversávamos ao ar livre, nuvens desses insetos cobriam nossas cabeças, com seu zumbido impertinente e picadas indesejadas! Era impossível dormir sem ter, cada um o seu próprio mosqueteiro.

Diversas comemorações marcavam a vida do Colégio. Uma era o Dia do Conceição, cujo programa era preparado com esmero e os alunos eram escalados para diferentes tarefas. Nessa ocasião, a memória dos fundadores era relembrada. Aprendíamos a cantar o Hino do Conceição. Muitos ex-alunos compareciam e participavam das atividades.As igrejas de São Paulo e de cidades vizinhas também costumavam visitar amigos e participar desses eventos festivos.. De manhã havia culto especial, programas musicais; à tarde, piqueniques, competições esportivas e sociabilidade. Barracas eram armadas para a venda, pelos alunos, de lanches para os visitantes. Uma outra era o Dia da Comunidade. Era o dia da faxina geral da escola e da limpeza especial dos quartos.O colégio parecia transformar-se em um formigueiro humano. Tudo saia do lugar e o almoço era servido em filas indianas, fora do refeitório. No final da tarde,depois de tanta labuta, vinha a recompensa tão desejada: permissão para visitar os alojamentos de todos os alunos do Colégio, para conferir a limpeza feita e premiar os mais esforçados. Era uma verdadeira diversão através de um trabalho altamente motivado.

De modo especial, dois fatos ficaram gravados em minha memória. O primeiro foi um piquenique promovido pela própria direção da escola e realizado em Cotia. Para lá todos os alunos se moveram e passamos um dia alegre com jogos, brincadeiras, disputas e passeios. O dia seguinte era o dia da Páscoa e Mr. Harper havia convidado todos os alunos para participarem de um culto, às 6 horas da manhã, junto à figueira. Aconteceu que a freqüência foi bem abaixo do esperado. Logo descobriu-se o motivo: alguma comida servida no dia anterior tinha feito mal para muita gente que teve que se levantar durante a noite e não conseguiu chegar até lá.O segundo fato foi a eleição da primeira rainha do Conceição. O grêmio resolveu fazer uma campanha para levantar fundos para a compra de livros e ampliação da biblioteca e o meio utilizado foi a venda de votos para essa eleição. Para minha surpresa, fui a eleita! A coroação se deu em uma reunião festiva do grêmio, sendo a rainha introduzida solenemente pelo diretor, com discurso e tudo o mais. Não sei se houve repetição desse fato, posteriormente…

Um dos grandes privilégios que tive enquanto aluna foi participar da Caravana Evangélica Musical dirigida por d. Evelina que, nesse ano realizava a sua sexta viagem. Que emoção senti ao ser convidada para sacrificar minhas férias de junho para viajar com a Caravana, já tão famosa! O grupo compunha-se de 11 moças e 13 rapazes. Viajamos de trem, de ônibus e, boa parte, de caminhão. Nem sentíamos o desconforto da viagem pois, como sempre, o grupo era muito bem recebido pelas igrejas hospedeiras. Visitamos algumas igrejas da Capital e, depois fomos para Campinas, Ribeirão Preto (SP), Uberaba, Uberlândia, Araguari (MG), Anápolis, Goiania e Rio Verde (GO). Ainda nem se cogitava de Brasília. Cantávamos nas igrejas das cidades, em praças públicas, em estações ferroviárias, em rádios e em hospitais. Numa dessas cidades, a Carmem Vilá ficou doente e teve que ser internada em hospital e só voltou ao colégio depois de recuperada. Em Anápolis conhecemos o Hospital Evangélico e o trabalho do Dr. Fanstone, então seu diretor. Goiania, cidade planejada, apenas mostrava o início de seu crescimento futuro.Em Rio Verde conhecemos Dr. Gordon e d. Helena, missionários radicados na cidade que ali fundaram e deixaram um hospital e uma escola de enfermagem. A Maurita incorporou-se à Caravana para vir estudar no Conceição. Dali em diante, a viagem prosseguiu de caminhão, com diversos sacos de arroz doados, servindo de assentos aos caravanistas. Lembro-me de que, depois disso, no colégio, por muitos dias comíamos arroz precisando separar a grande quantidade de carunchos que os cozinheiros não davam conta de limpar…

Muitos hinos fazem-me lembrar de d. Evelina e de seu carisma  diante do coro, ao rege-los. Na verdade, são músicas e hinos que, ainda hoje, ligam todos os manuelinos como se fossem uma só família. Dentre eles, a Bênção Aaraônica, de Peter Lutkin,  o Aleluia, de Handel e o Elevo os meus olhos, de Mendelsshon que, até hoje canto decór, fazem-me sentir a presença marcante de D. Evelina à frente do coro.

Em 1950 voltei ao Conceição para dar aulas de Música e de História do Brasil, para a 4ª série ginasial. Estava ensaiando minha carreira no magistério e essa experiência muito me ajudou nessa profissão. Alunos desse época: Sergio Paulo Freddi, Josias de Almeida, Takashi Shimizu, Soroku…. E., muitas vezes ainda voltei por lá. Depois que o João, meu irmão, foi para o Jota e, aos poucos, começou a assumir, tanto a Caravana Evangélica Musical, como o Departamento de Música do Colégio, tinha sempre motivos para lá voltar. Outras caravanas musicais, dias do Conceição, aulas de canto, seminários de música e até os preparativos para uma viagem frustrada aos Estados Unidos. Mas, sei que se agora quiser voltar lá outra vez, lamentavelmente, nunca mais encontrarei aquele querido Colégio de todos nós.

Loyde Amália Faustini
Janeiro de 1998

Transcrito aqui em 6 de Novembro de 2015.

O Instituto JMC no Facebook

Há algumas páginas e grupos dedicados ao Instituto JMC e aos Manuelinos no Facebook, em que há fotos:

  1. Há uma página criada por mim, com o título “Instituto José Manuel da Conceição”, no seguinte endereço:
    https://www.facebook.com/institutojmc/

 2. Há um grupo fechado com o título “JMC” no seguinte endereço:
…..https://www.facebook.com/groups/257821457590251/

 3. Há um grupo aberto (público) com o título “Manuelinos – JMC” no seguinte endereço:
…..https://www.facebook.com/groups/1652025448350677/

Que eu conheço, são esses. Se alguém conhecer outros, por favor, me aviste por e-mail (eduardo.chaves@jmc.org.br) que eu coloco aqui.

Em São Paulo, 6 de Novembro de 2015

Lista de Alunos em Ordem Alfabética

[Atendendo a uma solicitação de Ted Pemberton. Eduardo Chaves]

2499 Abdala Said Atoui
0317 Abdias Avila
1899 Abdias Itamar Oliveira
1830 Abedenico Oliveira
0388 Abel Pires do Amaral
1620 Abel Ribeiro de Freitas
1468 Ábia Augusto da Silva
0760 Abiail Borges de Oliveira
0634 Abilio de Oliveira Junqueira
0429 Abílio Domingues Boaventura
0234 Abilio P. de Carvalho
1841 Abimael Lara
0090 Abmael Campos Vieira
0759 Abmael Etz Rodrigues
0196 Abmael M. de Lima
1552 Abmael M. de Lima Junior
1967 Abrahão Berjud Netto
0474 Abrão dos Santos
1356 Abrão Jacó
0559 Abrão Salomão
1082 Açad Haddad
0795 Acazias Soares Ribeiro
0525 Achelon Gomes Barboza
1126 Adail Bento de Lima
0097 Adalgisa Martins Oliveira
1232 Adalmário José da Silva
1956 Adão Nascimento Mascarenhas
0173 Adão Ribeiro
1079 Adarith Salvado Lima
0138 Adauto Araujo Dourado
1024 Adauto Dias da Silveira
0740 Adelaide de Oliveira
2585 Adelaide de Oliveira Novaes
2242 Adelaide de Oliveira Novais
0785 Adelia Crem Weishaupt
0482 Adélia Rosa do Vale
0544 Adelino Fernandes Gaspar Jr.
1307 Adelino Ferreira dos Santos
0237 Adelino Moreira
0771 Ademar Costa Garcia
0809 Ademar Mendes Ribeiro
0600 Ademar Oliveira Godoy
1674 Ademir Alves Cabral
1286 Ademir Carlis do Prado
2072 Ademir Heliodoro G. da Cunha
2340 Ademir Leite
1184 Ademir Orsi
1291 Aderval Guimarães
0563 Adi  Pires de Campos
0393 Adil Aguiar Gomes
2179 Adilson Camargo
1017 Adilson Tavares Mendonça
0483 Adino Gomes Barbosa
1345 Adinólia Seabra
1883 Adiwaide de Oliveira Coelho
2221 Adolfo Cergio Fernandes
0006 Adolfo Machado Correa
0392 Adriano Fardim Franco
0064 Affonso Ermel
1441 Agenor A. F. Camargo
1131 Agenor Ferreira da Silva
0833 Ageu Mariano da Silva
0778 Agnelo do Lago
0688 Aguinaldo de Oliveira Silva
1183 Aguinaldo M. Moura
1433 Ahinoan Silva
1376 Ailton Francisco Avelar
1344 Ailton Vilela Dourado
0352 Aimoré Geraldo Magalhães
1309 Airton Alves da Silva
1240 Airton Clementino Silva
2451 Airton José Bonifácio
1151 Akemi Fukuda
1799 Akira Yamamoto
0195 Alaide Camargo Borba
0831 Alberto Amaral
0 656 Alberto Ismério Guimarães
0840 Alberto Rocha
0296 Alberto Schutzer
1416 Alcebias Pereira Barbosa
0515 Alcedino Pereira
0068 Alceu Moreira Pinto
0299 Alcides Augusto Matos
0583 Alcides Correia de Morais
0505 Alcides Motta
0670 Alcido Pinheiro de Almeida
0514 Alcione Glória de Camargo
0373 Alcir Camargo Este
1724 Alda Bernardale
2367 Alda Emília Stefani
1584 Alda Helena C. Lória
1851 Alderi P. Hermsdorff
0268 Alderico F. de Souza
2245 Aldir Pereira Silva
0825 Aldiva de Moraes
0073 Alex Andre Urmossy
1287 Alexandre Lima Dias
2195 Alexandrina Peixoto Paryko Sumadossi
1787 Alfeu de Souza Socio
2047 Alfredo de Souza B. Junior
0921 Alfredo Rocha da Fonseca Filho
0142 Alfredo Stein
0538 Alice da Silva Cavalheiro
1842 Alice Klepetar
0148 Alice M. Duarte de Macedo
0689 Alice Vieira da Silva
0574 Alípio da Silva Lavora
0165 Alipio Pereira Sobrinho
1454 Alipio Quedes Snofizik
0415 Alirio Camilo
0206 Aliva Matos
1512 Almir Pereira da Silva
0063 Altair Gravenstein B. de Morais
0606 Altair Monteiro da Silva
0318 Altair O. Santna
1492 Altamir Cherardini
1447 Altamir Roberto dos Santos
0722 Altamiro Pereira
1528 Altino L. Andrade
1175 Alvaniz Gonçalves
0751 Alvaro Almeida Campos
2448 Álvaro Lepre Ribeiro
2009 Álvaro Murback Guise
0372 Alvaro R. de Souza
1666 Alvaro Ribeiro da Silva
2477 Álvaro Ribeiro da Silva
0106 Alvaro Simões
0823 Alvino Alves de Souza
1340 Alzerino Benecker
1471 Alzira Val
2262 Amador Meirinho da F. Filho
1789 Amancio Barreira Filho
0157 Amarilio Ribeiro
1751 Amarilis Jessé Enéas
1508 Amauri Martins Ferreira
0635 Amauri Ricardo Randoli
1897 Amauri Vieira Reis
0247 Ambrosina F. de Oliveira
0386 Ambrosina Franco de Almeida
1197 Ambrosio Jorge Netto
1943 Ambrozina C. Godoi
0806 Ambrozio Vieira da Costa
2368 Amelia Deyse Barjud
0074 Américo J. Ribeiro
0736 Américo Martins da Costa
1959 Ana Ap. Pereira Leite
2478 Ana Aparecida da Silva
1609 Ana Cândida F. Papa
1128 Ana Cardoso Lima
1145 Ana Eunice Aguiar Caruso
2166 Ana Luci Grosso
1677 Ana Lucia Guio
2541 Ana Mar Alves Vieira
2545 Ana Maria Costa
2405 Ana Maria dos Santos
1462 Ana Maria Nunes
1400 Ana Maria Paixão
2520 Ana Maria Pinto
2258 Ana Maria Ramos
1475 Ana Maria S. Lino Pires
0180 Ana Maria Verlangieri
2550 Ana Monfrinath
1592 Ana Rita Fernandes
1571 Ana Wilma oliveira Morais
0833 Anairton Albargaria Mota
2106 Análio Augusto dos Reis
1282 Ananias de Oliveira Machado
1905 André Luiz Rios Garcia
0238 Andrelino D. Silva
2082 Andres Afonso T. Martins
2286 Anesio Aguilar
0749 Anésio Rodrigues
2277 Aneuza Maria da Silva
1062 Angela Maria Blankemburg
0289 Angelo Oliveira
1304 Angelo Sotelo
0907 Anibal  José Pereira
0345 Anibal Pereira Junior
2369 Anice Grace Pemberton
0836 Anita Cordeiro
2439 Anita Eduardo
0431 Annabel Harper
1638 Annemarie Van Westering
1025 Annete Rodrigues Maciel
0743 Anoscil Gomes de Paina
0597 Antenor Gama Sobrinho
0493 Antenor José Pereira
1951 Antonia Bueno
0307 Antonieta Leuba
2576 Antonio Amorim Neto
1925 Antonio Ap. Almeida
2289 Antonio Aparecido Faria
0506 Antonio Ataide Brito
1095 Antonio Augusto Franhani
1635 Antonio Barros Souza
2024 Antonio Botossi
1747 Antonio C. Inocêncio Prado
1326 Antonio Camargo Neto
0965 Antonio Carlos Balhestero
1646 Antonio Carlos da Silva
1011 Antonio Carlos de Oliveira
2165 Antonio Carlos Esteves
2043 Antonio Carlos F. Vieira
0627 Antonio Carlos Fernandes Junior
1656 Antonio Carlos Ferreira
1659 Antonio Carlos Naresse
1085 Antonio Carlos Peres
1923 Antonio Carlos Povedano
1071 Antonio Carlos Samartino
1992 Antonio Carlos Strazzare
1675 Antonio Costa Filho
2301 Antonio da Cruz
1970 Antonio de Oliveira
0144 Antonio Elias
1700 Antonio Emanuel Lins
1498 Antonio Germiano dos Santos
2406 Antonio Jala Neto
0011 Antonio José da Silva
0531 Antonio José da Silva
1911 Antonio José F. Bonngiovani
2407 Antonio Marcos A. Luna
0615 Antonio Marques Ferreira
2330 Antonio Miguel de Oliveira
0841 Antonio Miguel dos Santos
0690 Antonio Miranda de Carvalho
0409 Antonio Nunes Moreira
0409 Antonio Nunes Moreira
0445 Antonio Oswaldo Arnez
0835 Antonio Pereira da Silva
0242 Antonio Pereira Viana
0242 Antonio Pereira Vianna
1393 Antonio R. G. Ferrari
0786 Antonio Rangel Sobrinho
2118 Antonio Rodrigues da Mata
1744 Antonio Romão F. de Andrade
1308 Antonio Simões Ferreira
1998 Antonio V. M. da Fonseca
2313 Antonio Vanderley S. Brito
0310 Antonio Vieira Gonçalves
1413 Aparecida Conceição Sores
2182 Aparecida Donizete P. Mattos
1133 Aproniano Wilson Macedo
1456 Aquias Bizarro Mendes
0776 Aquiles Alves Corrêa
0867 Aracy Ferreira
1289 Arary Oliveira Lima
0822 Aratel Cruz
0125 Aretino Pereira de Matos
0520 Argemiro Oliveira Souza
0657 Ari Monteiro Barbosa
0930 Ari Rocha
1103 Aricy Soares da Silva
1969 Arioldo Paz Padilha
1603 Ariovaldo Cesar Junior
2017 Ariovaldo S. Santana
0171 Aristen de Oliveira Pires
0691 Aristóteles Ferreira Reis
2370 Arlete Rodrigues Alvarenga
0612 Arlindo Emétrio Pereira
2304 Arlindo Fidelcino de Matos
0845 Armanda Rodrigues Machado
1832 Armando da Cunha Fonseca
0821 Armando Gonçalves
1108 Armínio José de Araújo
2181 Arnaldo Branco Filho
2285 Arnaldo Camargo Marcílio
2363 Arnaldo Fernando Ruiz
1737 Arnaldo R. Sobrinho
1378 Arnold Herman Ferle
1618 Arnolpho Cipriano P. Junior
2282 Arthur Marcondes Neto
1759 Artur Gonçalves T. Filho
1248 Aruanã Lucena Cortez
1046 Ary Souza Bandeira
1388 Assir Pereira
0624 Astrogildo Godoi de Oliveira
2318 Ataíde Costa de Almeida
0909 Ataídes Antonio da Costa
0735 Ataul Cardoso
1173 Atelmidio Alves
0325 Athail Rangel Paulino
0580 Atilio Fernandes
2231 Augusta Percilia C. Ortega
0567 Augustinho Souza
2274 Augusto Ferreira
0221 Augusto Gotardelo
0410 Augusto Litaldo
0772 Augusto M. Q. Sampaio
1554 Augusto Rosa Mendes
0613 Augusto Vitorino
0061 Aureliano Lino Pires
1600 Auremar Dias Stutz
0369 Aurora Cordeiro
0050 Aurora Valladares de Andrade
0594 Avelino Gomes Ribeiro
1410 Ayrton Neves Ormond
2524 Azarias Furquim de Arruda
1548 Azarias Rodrigues
1354 Azená V. Alcoba Ruiz
0924 Azeneth S. Lima
2331 Bartyra Nocentini
0207 Beatriz Assumpção
0159 Belarmina Alves Silva
0929 Benedita Corrêa da Silva
0632 Benedita Siqueira
0893 Benedito Anésio Correia
2006 Benedito Antonio de Oliveira
0729 Benedito Antonio dos Santos
2284 Benedito Aparecido Moleiro
1397 Benedito Aparecido P. Leite
1623 Benedito Barbosa de Souza
0160 Benedito Belarmino Souza
0779 Benedito Cintra
2021 Benedito Edgar Moraes
0306 Benedito Furtado Mendonça
2361 Benedito Jobin Eduardo
2090 Benedito Vanil Pimentel
0283 Benedito Zaccarelli
0356 Benigno Bastos Carapiá
0076 Benjamim Siqueira Lobo
0839 Benjamin Alves Ferreira
0354 Benjamin Edwards
0871 Benon Wanderley Pais
2042 Benoni Luiz Zocoli
2371 Berenice Rodrigues
1930 Berenice Varoldo
2196 Bernadete Batista de Faria
0455 Bernardino Pistili Filho
0081 Bertoldo Knoer
0101 Bethuel Albiero
0438 Bonifar de Oliveira Santana
1251 Boris Pescio
1435 Brás Ferreira Neves
0724 Brasilio de Morais
1138 Brasílio Socalschi
1156 Braulina Domingos
0229 Breno P. de Oliveira
0203 Caetano Abreu Leite
1135 Caio Bruno Guarani
1338 Caleb Soares da Silva
1533 Calina de Souza Pinto
0816 Calliopi Termeloglou
0448 Calvino Batista Pereira
0269 Calvino Rodrigues
0511 Camélia Gonzaga
0953 Cândido Castro Ferreira
2019 Carlos A. Rosa do Vale
0863 Carlos Aberto Bassani
1213 Carlos Afonso A. Pizarro
2037 Carlos Alberto Alves da Silva
2011 Carlos Alberto Aruini
0499 Carlos Alberto Brick
1558 Carlos Alberto dos Santos
1972 Carlos Alberto dos Santos
2373 Carlos Alberto Pilizarre
0248 Carlos Alberto S. Jordão
1163 Carlos Alfredo Ubriga
0433 Carlos Arantes Brandão
0457 Carlos Araujo Milhomens
0319 Carlos Capilé
0962 Carlos Correia Godoy
1121 Carlos Daniel Kra Kembruhl
2449 Carlos Djalma Silva
1768 Carlos Eduardo A. Liani
1879 Carlos Eduardo Horwat Benevides
2155 Carlos Eduardo Pinto de Albuquerque
1094 Carlos Eleuterio  Franhani
1590 Carlos Ferracin
1672 Carlos Ferreira Santos
1048 Carlos Gonçalves
2267 Carlos Gonçalves
2038 Carlos Jordão Braz
2077 Carlos Jorge Vieira Torcato
0856 Carlos Marins
0403 Carlos Monteiro
0960 Carlos Nunes
1772 Carlos R. de Jesus Polastro
1504 Carlos Roberto Barbosa
1910 Carlos Roberto Sammartino
2232 Carlos Roberto Teixeira
1932 Carlos Roberto X. de Carvalho
1409 Carlos Rolim Pinheiro
0252 Carlota Carvalho Cruz
1392 Carmelino Silva
1680 Carmem Lúcia J. Hessel
1044 Carmem Pombeiro
0442 Carmem Vilá
0411 Carolina Campregher
1341 Caruso Flores Godinho
0969 Cassiano Nunes Barbosa
1012 Cecilia Guimarães
1252 Ceir Leme Borges
0212 Celcino R. de Oliveira
1952 Celço Pires dos Santos
0328 Célia dos Reis
0362 Célia Ferreira
0704 Célia Figueira de Morais
1985 Celia Martins Vieira
1255 Celina Silveira Abreu
1466 Célio Augusto Faustino
1767 Celso Aloisio Nahine
1371 Celso Bartanha
0297 Celso Coelho Ferras
0513 Celso Dourado Loula
1171 Celso Faria Parisi
0322 Celso Gomes Barbosa
1771 Celso Gorito Vieira
0842 Celso Junqueira
1160 Celso Martins de Souza
0413 Celso Morais Andrade
1765 Celso Versetti
0925 Celso Xavier Dalcântara
1640 Cércio Toledo de Matos
1563 César Augusto de Lima
0039 Cesarina Xavier Pinto
1802 Cezar Miquelin Tavares
1964 Chang Chul Lee
1254 Chang Heong Lim
0542 Charles Roy Harper
0216 Cherubin A. Lima
1147 Christiano de Oliveira Mello
1097 Christina Litzinger
1065 Christovam Ponce
0926 Cilas Calvino Coutinho
0989 Cilas Gonçalves
0793 Ciriaco Almeida
1395 Ciro Brás Portugal
0301 Ciro Machado
1919 Ciro Menezes Dantas
1091 Ciro Rodrigues
0021 Clara Rickli
0636 Clarindo Faustini
2341 Claudemir de Araujo Leão
1596 Claudete Judith Gilbert
2372 Claudete Martins Ribeiro
2152 Claudete Paixão Ferreira
1936 Claudete Rodrigues Lopes
1988 Claudete Soares Laurindo
2027 Claudevino F. Silva
0540 Claudia Barbieri
2128 Claudio Almeida da Silva
1914 Claudio Aparecido Carnivalli
0941 Claudio Camargo Guimarães
1561 Cláudio Carvalho
2374 Claudio Donizette de Oliveira
1730 Claudio Fernandes Junior
1793 Claudio Gentil Russo
1692 Claudio Lysias Gonçalves
1523 Cláudio Marcos Faustini
2551 Claudio Naresse
2505 Claudio Neme
2452 Claudio Roberto de Oliveira
2552 Claudio Sanchez
0374 Claudionor Albuquerque
2506 Cleci Maria Avanzi
1486 Cleide Ermelindo C. Gresemberg
1370 Cleide Espirito S. Carregosa
1791 Cleise Prestes do Amaral
0769 Clemente Evangelista Santos
1535 Clemente Reinaldo Sanaz
1263 Clementino Cordeiro Neto
2521 Clemir de Oliveira Silva
0928 Cleofas Prestes
1507 Cleonice M. Oliveira
1461 Cleopatra Burger
2074 Cleusa Diamantino
2553 Cleusa Maria Cipili
2440 Clineu Carvalho da Silva
1915 Clodomir Campregner
1536 Clodomiro Monteiro
0761 Clovis Antunes
1901 Clovis Batista
0548 Clovis Luciano Gomes
1258 Clovis Luciano Ribeiro
0995 Clovis Pinheiro L. Neto
0781 Clovis Ribeiro
0217 Coriolano A. Junior
0630 Cornelie Johanna V. Den Berg
0225 Cornélio Rickli
0533 Crisógno Moreira Coelho
0146 Crisostono G. Dourado
1781 Crispim da C. Silva
2005 Cristina Jung Sill Lee
1058 Cristovam de Carvalho
0521 Curt Kleemann
0848 Cylar Rissardi
0239 Cyro de Melo
0568 Cyro de Oliveira Pinto
2279 D’ogla Marins Bezerra
0254 Daciano Pereira da Cunha
0637 Dácio de Couto
1444 Dagoberto S. Oliveira
0545 Daily Resende França
1632 Dalilda Alcântara Fernandes
1363 Dalva Barbosa
2147 Dalva de Souza
2594 Damares Rodrigues dos Santos
1733 Damaris Mourão
0619 Damásio Profeta dos Reis
1722 Danel Borges de Paula
1605 Daniel Gomes Nogueira
2282 Daniel Guami
0523 Daniel Mariano Silveira
0716 Daniel Monteiro
0026 Daniel Nishizumi
1750 Daniel Nogueira
0658 Daniel Paes Nogueira
0543 Daniel Pessoa de Moraes
0080 Daniel Pinheiro Abreu
0437 Daniel Ribeiro dos Santos
1297 Daniel Stephensen
1815 Daniel Verano Raquel
0313 Daniel Vieira Ramos
2408 Dante Gatto
1419 Darci Chistensen Ferreira
2175 Dárcio João da Silveira
1619 Darcy Araujo Dourado
0436 Darcy do Amaral Camargo
2333 Dário Aredes
0874 Dario Avalos
0009 Dario de Oliveira Bastos
1564 Dario Pereira Ramos
1595 Darlene Gilbert
1237 Daudt Costa Guedes
0232 Daura de Oliveira
0947 Dauro Martins
1711 David Augusto Rachel
0053 David Azevedo
2092 Déa Dias Teixeira
1105 Decio de Azevedo
2554 Décio Trujillo Jr.
1233 Décio Wey Berti
1655 Deise P. A. Camargo
1031 Deisi Leni Pereira
1953 Delair de Oliveira
1229 Delice Xavier dos Santos
2201 Delio Athayde M. Rocha
0904 Délio Silva de Souza
1102 Denair Lopes Diniz
1364 Denis Cardoso Rebelo
2453 Denise Victorino
1916 Deny José Pereira
1176 Deocrécio Silveira do Amaral
2091 Derly Peixoto Costa
2522 Dermival José de Oliveira
1230 Devaldo Ferreira da Cunha
1739 Devandas Canto
2109 Devanil Pereira da Silva
1405 Dimas Barbosa Lima
1239 Dimas Clementino da Silva
2364 Diná Barbosa
0868 Dinaldo Alves dos Santos
1574 Dinália Alves do Nascimento
0942 Dinarte Quintino Moreira
1573 Dinayde Eunice M. Rocha
1318 Dirceu Xavier de Mendonça
0405 Diva Dias
1208 Diva Soares Ribeiro
1949 Djanira Benedita dos Santos
2178 Dolores Deril Soares
0105 Domiciano Avelino Macedo
0107 Domício Pinheiro de Matos Pereira
0036 Domingos de Macedo Custódio
0312 Domingos Jacó Hessel
2326 Domingos José Correa
1437 Domingos O. Machado
0638 Domingos Pereira Martins
0244 Domingos R. Hidalgo
2020 Donald Bueno Monteiro
0067 Donato de Assis
1980 Donato Spasiano Neto
0122 Donisio Ramos Lima
2586 Donizetti de Oliveira Rieis
1495 Donna Jean Gilbert
0416 Dorcas Franco de Oliveira
0450 Dorcas Pereira
1172 Dorival Xavier de Oliveira
1273 Dorotea Machado
1989 Douglas Antonio Fávero
1609 Douglas Jayme Plázio
2271 Dulci Irene de Souza
0981 Dulcidio Wanderley Boschilia
0808 Durvalina Soares Ribeiro
1241 Eda Penteado
0901 Edetildes de Souza
0764 Edgar Antunes
1550 Edgar de Souza Nogueira
0049 Edgar Regis
1188 Edgar Winand
0692 Edilson Aquino Meirelles
0586 Edilson Ruiz Dias
1668 Edilson Souza Amorin
0887 Edir Cardoso
2322 Edison Alves da Silva
0659 Edite Westphal
0377 Edith Pereira dos Santos
1443 Edjalma Dias
1754 Edmar Moreira Nascimento
1445 Edmilson Oliveira Souza
1644 Edmilson W. de Oliveira
2588 Edmundo Aparecido Alves dos Santos
0878 Edmundo dos Santos
1810 Edmundo Muniz Chaves
2438 Edna Aparecida da Silva
2140 Edna Candido Vicente
0479 Edna Cordeiro
1110 Edna Maria Freddi
1361 Edna Teixeira Guimarães
1207 Edna Vieira Leite
2281 Edna Xavier de Oliveira
1814 Ednéia Marli Bareta
2321 Edner Gonçalves de Campos
2409 Edner Soares da Costa Filho
2501 Edson Aparecido Gnamm
0849 Edson Bastos Barreto
2138 Edson Candido Vicente Filho
1055 Edson de Oliveira Lima
1695 Edson Gomes
1129 Edson J. de Macedo
1957 Edson Keiti Sato
2265 Edson Nunes de Camargo
2578 Edson Rodrigues da Silva
0968 Edson Silva
1212 Edson Silveira
1782 Eduardo Carlos Christensen
1052 Eduardo Carlos Pereira
1077 Eduardo Galasso Faria
1682 Eduardo Gouvea Mendonça
2479 Eduardo Martinho
1514 Eduardo Oscar de Campos Chaves
0002 Eduardo P. de Magalhães
1669 Eduardo Prado Mateus
2057 Eduardo Ramanauskas
1871 Eduardo Willian Pittman
1334 Edval de Queiroz Matos
0973 Edvald Wallin
0509 Edvaldo Barbosa de Campos
1109 Efraim Diniz
1194 Efraim Ribeiro dos Santos
1870 Egberto Vanderlei Barboza
0330 Egidio Costa
0285 Egidio Paganini
2235 Eguinaldo Franquilino de Souza
1800 Eide Maria Ormond
0628 Eiko Kawamura
0804 Eládio Valentim Afonso
1349 Eladir Pereira
1648 Elaine Sales Barbosa
1253 Elba Duarte Ferrer
1027 Elcindo Otaciel Gomes
1479 Elcio Ribas de Azevedo
0967 Elda Mauso
2246 Elda Ribeiro de Almeida
2254 Elder Ribeiro de Almeida
0054 Eldo Caldeira de Andrada
1430 Elea Cecilia Duarte Ferrer
1976 Eleusa de Moraes
1935 Eli Almeida
0305 Eli Amaral Camargo
0773 Eli Garcia dos Santos
2078 Eli Jerônimo Evangelista
0158 Eli Magalhães
1320 Elia Marta de Azevedo
2159 Eliana dos Santos Grosso
2087 Eliana Edite Barboza
2375 Eliana Hnatiuk Borowik
1876 Eliana Mubark Guise
2523 Eliana Silva de Oliveira
0485 Elias Abrão Sand
1294 Elias Antonio de Oliveira
2023 Elias Audi Júnior
0294 Elias Carvalho Cruz
1096 Elias de Souza Carvalho
0406 Elias Euintans
0364 Elias Gonçalves Amarante
0327 Elias Gonçalves Campanhã
0417 Elias Gonçalves Montijo
0640 Elias Marques Ferreira
0884 Elias Medeiros
1473 Elias Moacir da Costa
1481 Elias Moreira da Silva
1277 Elias Sazanov
1503 Elida Amitrano
1501 Eliel Felipe
2278 Eliete Aparecida S. Bezerra
1127 Eliete de Almeida
1362 Eliete Teixeira Guimarães
1629 Eliezer Rizzode Oliveira
1100 Eline Silveira Pettinati
1806 Elionai Eliel Nimtz
0617 Elisa Machado
1779 Elisabeth Ramanauskas
1843 Elisabeth Regina
0991 Eliseu César Ribeiro
0213 Eliseu Narciso
1778 Eliseu Sili
0304 Eliseu Vieira Gonçalves
2454 Elisia Soares
2014 Elizabeth Alves de Lima
2297 Elizabeth Aparecida de Paula
2584 Elizabeth Dantas Dias
2132 Elizabeth Figueiredo
2295 Elizabeth Gomes Sebastião
1719 Elizabeth J. Krupti
2498 Elizabeth Kiss
2136 Elizabeth Lopes
2572 Elizabeth Neves
1140 Elizeu Rodrigues Cremm
0919 Elizeu Russolo
1480 Elizier Moreira da Silva
2507 Elizier Trindade
0693 Elly Costa
0641 Elmiro Batista de Castro
0623 Eloy José Lopes Magalhães
1505 Elseana Guedes Sinofzil
1624 Elson Aquino Ramos
2410 Elter Braz Boaventura
2089 Elvira Solange Donegá
2095 Ely Barbosa
1016 Elysio Roberto F. Ruggeri
0370 Elza Cordeiro
0192 Elza Dias
0775 Elza Zanini
2480 Emanuel Augusto do Carmo
1491 Emerson Luiz Alves
0035 Emilia Fujita
0220 Emiliano G. Guimarães
0428 Emiliano Gomes de Brito
0118 Emilio Carvalho de Avelar
1597 Emilio Eigenheer Maciel
1373 Emilio L. A. Prohmann
2288 Enaura Peixoto Costa
2411 Enéias Dias de Carvalho
1854 Eneida Gonçalves Oliveira
2215 Eneildo Jovino dos Santos
1380 Eni Figueira
0872 Enil Alves
1889 Ênio Carvalho
0990 Enir Serra
0593 Enoc Pereira Fernandes
0609 Enos Ribeiro de Barros
0201 Epaphras Silveira
0093 Erasmo Bastos
0224 Erasto Pereira
0747 Erber Ferrer
1368 Ercias de Araujo Bueno
0461 Ercilia de Oliveira
1860 Erezil Gomes
1311 Ermenito Nunes Dourado
1182 Erminia Adélia Farinha
1365 Erna Schneider
0051 Ernesto Alves Filho
1013 Ernesto Mayer Netto
0164 Erodina Goimbar
2455 Erotides Quiles
2255 Erotildes C. de Souza
0469 Ersth Borges de Oliveira
0044 Erynthos Batista de Carvalho
1543 Esaú Manoel Messias
0922 Esdras Othon L. de Almeida
0796 Esli Durães de Souza
2244 Esmael Salgado Arcas
1061 Essy Martins de Almeida
1353 Ester Damasceno
0917 Ester Russolo
0994 Estevão Lange
1014 Estevão Pardo Gutierres
2519 Esther Barbosa Guimarães
0631 Esther de Lima
1218 Esther Ono
0782 Euclides Fontes
1848 Euclides Ormond
0083 Eudaldo Silva Lima
0379 Eudécio Mendes dos Santos
0024 Eudes Ferrer
0156 Eugenio Cleto
2025 Eugenio W. Ruiz
1317 Eula Marisa
0077 Eulália Alcântara
0135 Eulalia Alcantara Lima
1784 Eunedes Marcos Souza
2603 Eungo Moo Pak
1165 Eunice Alves
0984 Eunice Augusta Paixão
0507 Eunice Barbosa Campos
0865 Eunice Brás de Souza
1316 Eunice Costa
1506 Eunice Fernandes Lima
0966 Eunice Ferreira
0756 Eunice Ferrer
1735 Eunice Grotkousky
1429 Eunice H. de Carvalho
1442 Eunice Helena Vieira Carvalho
0363 Eunice Omegna
1301 Eunice Resende
1281 Eunice Rodrigues de Sá
1256 Eunice Santana
1265 Eurides Cavalcante
0763 Eurídice Antunes
0503 Eurípedes Alves Câmara
2130 Eva Cristina Sammartino
2247 Eva Lobo
0838 Eva Rocha
1513 Evaldo Carlos Pereira
1566 Evandro Luiz da Silva
0769 Evangelista Santos
2508 Evanildes Ribeiro de Souza
2153 Evanildo Lopes Silva
0773 Evanthia Fumeloglou
0618 Evaristo Bianchessi
0975 Evelina Dias Araujo
0660 Ewaldo Wrege
2509 Ewerton Gomes
2300 Expedita Aparecida de Oliveira
0914 Ezequias de Andrade  Fabosa
0870 Ezequias de Souza e Silva
0730 Ezequias Pereira Alves
1010 Ezequiel Ruberti
2376 Ezequiel Yamamoto
2228 Fabio Augusto Palhamo Dantas
2060 Fabio Peira
0560 Fabio Silveira
2317 Fátima Aparecida Ferreira
1560 Fauzi Yassin
2205 Felicia Ribeiro Souza
0875 Feliciano Araujo Aragão
1903 Felipe C. M. Campos
0698 Fernando Augusto Pinto
0084 Fernando Buonaduce
1896 Fernando da Silva Capucho
0014 Fernando Nanni
1607 Fernando Pires dos Santos
2303 Fidelcino Rodrigues Sobrinho
1401 Flavio Dorneles
1693 Flavio Fernandes Maia
1652 Flavio J. Luiz da Silva
1019 Flavio Xavier Gonçalves
1712 Floramante D. Gonçalves
1824 Florencia Castilho Alonso
2276 Florisvaldo  Ferreira Leite
0114 Frances Elizabeth Anderson
1387 Frâncis da S. Costa
0728 Francisca Gongona
1470 Francisca Rodrigues Braga
0331 Francisco A. Correa
1913 Francisco Agostinho F. Costa
0418 Francisco Almeida
0038 Francisco Alves
0552 Francisco Baicar
0263 Francisco F. de Souza
0444 Francisco Faria
2602 Francisco Garcia de Souza
0151 Francisco Guedelha
0383 Francisco J. Pereira Filho
0281 Francisco J. Silva
0182 Francisco L. Oliveira
1227 Francisco Macha Galbes Netto
1709 Francisco Maia
1007 Francisco Neves
1585 Francisco Ortega Fernades
0100 Francisco Pereira Junior
0705 Francisco Pires de Camargo
0334 Francisco X. da Cunha
1455 Frank Jhon Fnillips
0805 Franklin Batista Gomes
0200 Franklin Soares Bonfim
2377 Fritz Aparecido de Oliveira
0333 Gabriel Dias de Andrade
0287 Gabriel Pires
1934 Gabriela L. Santana
0246 Galiana Franco Oliveira
0152 Gayotin Franco Nogueira
0918 Gedeão Freita
0141 Genésio Boamorte
1081 Geni de Oliveira
1684 Genivalda M. Areias
0292 Gentil Toledo Silva
1210 Gentil Valin
1612 Geodi Camargo de Almeida
1717 George Kupti
1167 George Philip Browne
1901 Geracina Bonfatti
0671 Geraldina Sammartino Albuquerque
0473 Geraldo Amaral Marques
0699 Geraldo Barreto Pereira
0844 Geraldo Camargo
0633 Geraldo Castro
1179 Geraldo de Oliveira
0295 Geraldo Gomes de Souza
0512 Geraldo Jayme
2378 Geraldo José Bonifácio
2194 Gércii Mendes Gomes
0137 Germano de O. e Silva Filho
2293 Germano dos Reis
1990 Gerson Alt
0185 Gerson Azevedo Meyer
1713 Gerson Correa de Lacerda
0889 Gerson da Silva Ferreira
1181 Gerson de Moraes Araujo
1068 Gerson Franco da Silva
0672 Gerson Gomes Sobrinho
0440 Gerson Morais
1060 Gerson Paes
0888 Gerson Pereira
1385 Gerson R. de Abreu
1235 Gerson Silveira Amaral
2163 Gersony Mendes Gomes
1408 Gertrudes Gomes de Sá
0811 Gessé Chagas
0757 Gessé da Silva
1164 Gesy Hemrique da Costa
0832 Getúlio Andrade
1834 Getúlio Morais
1623 Getúlio Rosa da Guia
0770 Getúlio Teixeira Santos
0462 Gilberto Anacleto de Resende
1083 Gilberto Borba Franco
1887 Gilberto Brandão Dourado
1369 Gilberto de Oliveira Alves
1549 Gilberto José Calandra
2379 Gilberto Moreira Filho
1752 Gilberto Rizzo
0732 Gilda Ihoko Shimizu
1303 Gilda Jardini
1329 Gilmar Braz de Andrade
1664 Gilton Souza
0204 Giovanangelo Rizzo
2437 Giuliano Batista Usai
1773 Glaucia de C. Marques
2555 Glaucia Jorge Salum
1107 Glaucia Omegna Bastos
0999 Godofredo Attílio Daurial
1716 Graciana M. Salum
0604 Graciano Chagas dos Reis
0387 Guaraci de Almeida
0952 Guaraciaba Araujo
0902 Guerino Pedão
1073 Guilherme Manuel de Campos
0673 Gumercindo Chaves Cabral
0228 Gutembergue O. dos Santos
1613 Hamilton Felix de Souza
2329 Hamilton Leite
0278 Hanako Yamamoto
1859 Hantero Carlos Baldini
2116 Harold Thadeu Vieira
0260 Haroldo P. Boaventura
1244 Hefer Silveira Bueno
0453 Heitor Dumoncel Pithan
1658  Heitor Tadashi Matsumoto
1460 Heládio Cesar Sala
1398 Helcais Ribeiro
0639 Helcias Antunes dos Santos
2101 Helcio Hélio Tobias de Barros Filho
1690 Helcio Luiz Teixeira
1542 Helen Bessie Leite Morais
2332 Helena Bueno de Almeida
0349 Helena M. de Lima
2133 Helena Marques de Oliveira
0906 Heleno Lopes
2380 Heliana Nunes Ferraz Freitas
1984 Hélio Alves Costa
1472 Hélio Castro e Souza
0069 Hélio Cesar Mota
0189 Hélio de Cerqueira Leite
1861 Hélio Ferreira Miranda
1944 Hélio Lopes Cavalieri
1527 Hélio Medeiros da Silva
1828 Hélio Rubens Schiavane
1764 Hélio Santos Maeski
2167 Hélio Soares da Silva
0454 Hélio Vasques
0820 Helly Souza Chaves
0912 Heloisa H. F. Teles
1977 Helton Lenine Oliveira
1790 Henedina Prestes do Amaral
2022 Henrique Cesar Dalbon
1205 Henrique de Almeida Lara
0661 Herbene Souza Lima
0214 Herculano A. S. Júnior
2481 Hermes Paulino Gonçalves
2240 Herminia de Morais Pires
2066 Herminia Taveiro
1993 Hermínio Assumpção Coimbra Jr.
0642 Herminio Fernandes Reis
0381 Hermogenes Oliveira
0034 Herta Muller
0469 Hertz Borges de Oliveira
0361 Higino Bento Santos
0601 Hilda Prates
1796 Hildeci Ribeiro de Souza
0997 Hildeth de Abreu Cavalheiro
1478 Hilse Schneider
1565 Homero Furtado Resende
0935 Honorina dos Santos Kraemer
0441 Horácio Borges dos Santos
1893 Hugo Brasil Júnior
2544 Humberto Marra
2571 Humberto Raymundo Nicodemos
0291 Humberto Reyes
1006 Iberê Brasil Oliveira
1148 Ida de Oliveira Mello
1115 Idinê Alves Ferreira
1869 Iézio Ribeiro de Souza
0280 Ifigenia Carvalho
1150 Ildecy Pereira Barbosa
1625 Ilma Torres de Morais
1579 Ilson Marra de Castro
0662 Ilze Waeingartner
1493 Inês Jofre Cornejo
2381 Inês Teresinha Lopes do Prado
0789 Iolanda Borges Ferreira
0674 Iolanda Cabral de Souza
2050 Iolanda da Mota
2382 Iolanda da Mota
0675 Iolanda Rodrigues
2327 Iolanda Rodrigues das Graças
1877 Ione Macedo Lima
2441 Iperá Lúcia de Oliveira
1337 Ir  Semes Rodrigues Almeida
1312 Iracê Bravo Nogueira
0342 Iracema B. Ferreira
0162 Iracema de O. Camargo
2566 Iraci Ribeiro Souza
0394 Iraci Silva
0527 Iracy do Carmo Dias
0982 Iraldo Oliveira Gomes
2456 Irati Rodrigues do Valle
0676 Irene Carvalho
1300 Ireno Dias Ribeiro
2497 Iriane Teresinha Andrade
2174 Irineu Emygdio
1274 Irineu Veira
2160 Iris Aparecida Lopes Neves
1633 Irma Chaves Eguez
0271 Isa Faria
0274 Isaac Silvério
1075 Isac Chrispim Lopes
1250 Isac de Souza e Silva
0132 Isac Nicolau Salum
0517 Isac Rodrigues
0535 Isaias Henrique Cortes
1271 Isaias Pinto Ribeiro
0852 Isaias Reis Gadoni
0734 Isaias Soares
0877 Isaias Vallim Nogueira
0532 Isaltino Gonçalves Guimarães
0355 Ismael Antonio Xavier
2083 Ismael Cardeal Junior
0792 Ismael de Oliveira
2098 Ismael M. Evangelista
2111 Isnard Aparecido Rolim
0443 Israel da Silva Lima
1285 Israel de Oliveira
2062 Israel F. F. da Silva
0643 Israel José Nunes
0315 Issar Carlos de Camargo
0913 Itamar de Oliveira Rodrigues
2236 Ivan Emidio
0898 Ivan Lineu do Nascimento
1070 Ivan Pires Bezerra
0983 Ivana Sampaio
2383 Ivani Mendes Lima
0371 Ivelone Alcântara Xavier
0644 Ivo Chaves
0468 Ivo Hugo Schmidt
2412 Ivo Jala
2260 Ivone Aparecida Scotton
0329 Ivone Barbosa de Campo
1986 Ivone Gonçalves
2251 Ivone Lima Ferreira
1526 Ivone Ruriko Sato
1029 Ivonete Camargo Loureiro
2510 Ivonete Valéria Victorina
0663 Izabel Prates de Carvalho
1477 Izauro Ribeiro Carriel
2457 Izildinha de Fátima M. Coelho
2123 Jaci Aparecida Duca
0591 Jaci Morais
1201 Jaci Rocha da Silva
1818 Jaci Sardinha Pires
1728 Jacira Costa
2129 Jacira Maia de Souza
2324 Jacob Laurindo Paes
1402 Jacob Peitl Neto
0622 Jacy Corrêa Maraschim
0746 Jacy Oliva de Souza
0337 Jacy Silvério Costa
0323 Jacyra Villon
0894 Jader Soares Rezende
1059 Jaime Cleto da Silva
2482 Jaime da Costa Pedro
1670 Jaime Guimarães
1459 Jaime Matos
0402 Jaime Muniz
1663 Jaime Pereira Posidonio
0435 Jaime Rufino Silva
0245 Jair Ribeiro Mello
1280 Jair Santana
0937 Jair Vasconcelos
0419 Jairo Jacó
0664 Jairo Moreira
1710 Jairo Oliveira Brasil
1267 Jairo Rezende
2256 Jairo Roberto Genésio
1389 Jairo Rodrigues Monção
0309 Jalmira de Oliveira Santana
1355 James Carvalho Martins
0467 James Nelson Wright
0677 Jamil Abrão Saud
1975 Jane de Souza
2535 Jane Maria Villar
2483 Janete Aparecida Calvo
1219 Janete de Souza
2573 Janete Lobo Franco
2545 Janete Rodrigues de Oliveira
0980 Janeth Haddad Baruque
0375 Janey Andrade Ramos
1844 Jasiel F. Botelho
1458 Javam Osias Laurindo
1983 Jayme José da Silva Jr.
1702 Jean Lery M. Ferreira
0253 Jean Martins
2191 Jean Pemberton
0023 Jean Ruth Midkiff
2008 Jeanne Piovesan
0490 Jeconias Ferreira da Cunha
1040 Jercy Nunes
0853 Jeremias Fernandes Teixeira
0694 Jeremias Pedroso
2032 Jerson Baena
0905 Jeson Rego
0832 Jetúlio de Andrade
1961 Jheth J. M. Silva
1469 Jhonatas Braga
1588 Joab Pessoa de Moraes
0886 Joadir Pires Gonçalves
1234 João Adolfo Silveira do Amaral
1892 João Alvaro de Barros Mello
1000 João Antonio Neto
0828 João Assis Reis
1627 João Augusto Prado
0645 João Batista Correia
0191 João Batista de Oliveira
2415 João Batista dos Santos Filho
0241 João Batista Godoi
1474 João Batista Pereira
0111 João Bernardes da Silva
0143 João Braz de Andrade
0916 João Carlos Corrêa Garcia
2067 João Carlos Jacinto
2590 João Cássio Branco
1063 João Cipriano da Cruz
0010 João Crisóstomo Gaya
2500 João de Abreu Sobrinho
0279 João de Almeida
1537 João de Souza Carvalho
0208 João de Souza Gomes
2314 João de Souza Matos
0529 João Dias de Araujo
1119 João Elias Netto
0042 Joào Euclydes Pereira
0987 João Evangelista Batista
2458 João Evangelista R. Neto
1551 João Felix da Silva
1305 João Gilberto Romano
0145 João Godoy
1746 João Gonçalves Filho
0389 João Harada
0819 João Januário de Rezende
2414 João José Alves Leite
1725 João José Maria
1725 João José Maria
1847 João Luiz Abreu Camargo
1586 João Luiz de Abreu Camargo
0846 João Marinho Filho
2053 João Maurício F. Santos
0556 João Moreira Coelho
2525 João Noboru Nagoshi
0420 João Nogueira de Souza
1862 João Paulo dos Santos Neto
1343 João Pedro Aguiar
2484 João Pedro Ribeiro
0235 João Pires Maciel
1132 João Ponce Navelo
1442 João R. Andrade
0079 João Rangel Simões
0041 João Rodrigues Biccas
1403 João Sazanov
0575 João Silva
0646 João Silva
2211 João Soares
1991 João Soares de Santana Filho
1775 João Storni Ribeiro
2337 João Urbano da Silva
0911 João Veiga
0589 João Velu Galvão
2207 João Vivaldo Q. Junior
0611 João Wilson Faustini
1660 João Zuh Filho
0124 Joaquim  Rodrigues Mourão
0494 Joaquim Alves Pereira
0446 Joaquim Bento
0390 Joaquim Correia de Lacerda
2173 Joaquim de Moraes
0595 Joaquim Donato
2312 Joaquim Donizetti L. Dias
0314 Joaquim Ferreira Pires
1153 Joaquim Laurentino de Araujo
0528 Joaquim Silvério da Costa
0380 Joaquim Valter Guise
0718 Joás Castelo Branco Gueirós
0880 Joás Dias de Araújo
1111 Joás Rodrigues dos Santos
1954 Job da Silva Justino
1331 Job Tavares
1117 Jobão Amaral
0055 Jócio Caldeira de Andrade
0175 Joel Barbosa Silveira
1520 Joel de Oliveira
1794 Joel Gomes
1689 Joel Keller
2459 Joel Pereira Lins
1093 Joel Pessoa de Morais
0712 Joel Teixeira Gueiros
0855 Jofre Antonio dos Santos
1598 Jolice Araujo Pereira
0739 Jonas Alves da Silva
1216 Jonas Camargo
1178 Jonas Christensen
0553 Jonas Moreira
0508 Jonas Nogueira
0508 Jonas Nogueira
0890 Jonathas do Valle Moreira
0647 Jorge Cândido Rodrigues
0056 Jorge Cesar Mota
2485 Jorge Dias Vieira
0108 Jorge do Amaral Pinto
2362 Jorge dos Santos Pessoa
1845 Jorge Elmo Castro de Jesus
1531 Jorge G. Paiva
1872 Jorge Henrique Lício
0866 Jorge Monti
0931 Jorge Silvério Mendes
1434 Jorge V. Panovich
0211 Jorge Vicente da Silva
0522 Jorge Yamamoto
1158 Jorgina Leticia de Barros
1130 Jorim Caetano Ferreira
1882 Josafá Vasconcelos
2350 José Alencar C. Soares
1321 José Alfredo Nogueira Campos
1231 José Alt dos Reis
0936 José Alves Teixeira
1325 José Amancio de Araujo
1649 José Antonio B. Pereira
2384 José Antonio Moreira Pacheco
2385 José Aparecido Luiz de Toledo
0566 José Augusto Rocha
2157 José Balduino da Silva
0850 José Barros Filho
1904 José Berchol R. Garcia
2065 José C. Storni Ribeiro
0737 José Calixto da Silva
2413 José Carlos Aguilar
2386 José Carlos Alves
0465 José Carlos Brito Abreu
1177 José Carlos de Matos
2352 José Carlos de Oliveira Machado
1941 José Carlos Nogueira
2334 José Carlos Pereira
2233 José Carlos Teixeira
1030 José Cavalheiro Filho
1001 José Clemente Trujillo
0128 José Coelho Ferraz
0048 José Constantino Ramos
2323 José Corrêa da Silva
0470 José Costa
0700 José da Costa Ramalho
0091 José da Silva
0938 José da Silva
2007 José David de Paula
1888 José David de Paulo
2099 José de Oliveira Sobrinho
0554 José de Souza Abreu
1556 José dos Anjos
2526 José Eduardo Machado
0017 José Emílio Emerenciano
2222 José Estevam Pires Cruz
0184 José Esteves Leme
0439 José Ferreira Filho
2126 José Gertes V. R. Azevedo
0131 José Gonçalves Salum
0031 José Grossi
0169 José Inocencio de Ávila
0296 José Inocencio de Lima
1978 José Jonas da Silva
1837 José Jorge R. Silva
2548 José Jorge Salum Neto
0800 José Kemister
2290 José Laury Corrêa
0267 José Lima
2460 José Luiz da Silva
1823 José Luiz de Campos Marques
1900 José Luiz S. Filho
1720 José Manoel da Silva
1487 José Marcio Amaral
0744 José Marques Ferreira
1350 José Mirton Soares
0851 José Moreira Cardoso
0258 José Moreira da Silva
2299 José Neres da Silva
1788 José Orlando Ramos Marques
0282 José Ortenci
2342 José Pontes Neto
0581 José Ramos Lima
2387 José Ricardo Américo da Silva
2056 José Roberto Levy Chahon
1880 José Roberto Piteri
2585 José Roberto Ponci
2328 José Roberto R. do Vale
2351 José Roberto Xavier da Silva
2319 José Rocha da Silva
0360 José Rodrigues Cordeiro
0434 José Rodrigues Gomes
2360 José Roque Teodoro Santos
2461 José Rubens Domingues
1272 José Rubens Paula Posso
0094 José Sallum Vilela
1617 José Salomão
0720 José Silas Portiere
0706 José Thomas de Almeida
1351 José Thome da Silva
2287 José Urbano de Madeiro
0518 José Vaz de Lima
2527 José Vieira Torcato
2223 Josefa Cabeza Amor
0346 Josefina Iná de Oliveira
1662 Joseli G. Nascimento
0163 Joselia Jorge
1268 Joselino José de Oliveira
2161 Joselita Gomes do Nascimento
1753 Josemar Moreira do Nascimento
1723 Josemar R. Guimarães
1545 Josemir Gomes da Silva
1774 Joseph Mc Comb Palácio
2305 Josevaldo Alves da Silva
0027 Josias D’ Ávila
1306 Josias de Oliveira Silva
0908 Josias Faria Silveira
0678 Josias Martins de Almeida
1428 Josias Trindade de Camargo
1417 Josué Christensen
1137 Josué de Almeida Barros
0558 Josué de Campos
1113 Josué de Freitas Caixeta
1575 Josué de Oliveira Serra
1114 Josué de Paiva Caixeta
0140 Josué de Paula Vieira
1084 Josué Duarte Veiga
1295 Josué Ferreira de Almeida
1909 Josué Lamônica Crespo
1275 Josué Marques
0605 Josué Ribeiro dos Santos
0102 Josué Spina França
1647 Josué Teixeira
1086 Josué Teixeira de Souza
0996 Josué Xavier
1423 Jovelina A. Souza
0126 Jovelino Batista de Oliveira
0539 Jovir Correia Lorenço
1112 Juacy da Silva
1420 Juarez C. da Silva
2028 Jucemar B. Moraes
1555 Judite Rodrigues dos Santos
1195 Judith Cavalieri
1228 Judith Xavier
1296 Judithe Augusta dos Santos
0359 Julia Bastos Carapia
2292 Julia da Rocha
2033 Júlio César dos Santos
1544 Júlio César Ribeiro da Silva
0572 Júlio de Oliveira Rosa
1642 Júlio Ferreira da Silva
0150 Júlio Nogueira
0648 Julio Silvério Costa
0495 Jumatsu Taniwake
0592 Jun Juassa
0262 Junki Chi Mori
2309 Juracy de Almeida Corrêa
0530 Jurandir da Cruz Xavier
2503 Jurandir Salvarani
0487 Jurandir Santana
1330 Jurandy Aparecida da Silva
0562 Jurema Moreira Fiore
2169 Jurema Trujillo
1699 Juvemar de Almeida
0057 Kaichiro Naritomi
0731 Kazuio Fukuda
0273 Keimpe Van Deee Meer
0620 Kenji Hioki
0060 Kinroku Mori
0251 Kinzo Uchida
1033 Kiohi Inata
0412 Kiyoto Utiyama
1257 Kiyse Kimati
1698 Koh Un Ih
2054 Koiti Matsumoto
2270 Koiti Nakahara
2000 Koji Watanabe
1697 Kuno Hase Neto
0170 Kyako Fujita
1242 Lady de Oliveira Barbosa
1396 Laércio Dias
2200 Laércio Marcos Calsolari
1418 Laerte de Souza Clemente
0547 Lafayette Pereira Rocha
2486 Lais Conceição Meneses
0939 Lais Nilde Pereira
1863 Lamartine Douglas dos Passos
0466 Lathan Ephraim Wright
1929 Laudelino Pereira Varollo
0695 Laudicéia Zanini de Lima
0741 Laura Baldani
1136 Laura de Castro e Souza
1270 Laura Naoko Kumada
1742 Laurene Batista
0430 Laurentino Rosa Garcia
0452 Lauro Borba da Silva
1622 Lauro Moises da Silva
0092 Lauro Rodrigues de Oliveira
2039 Lavinia Peixoto Costa
0934 Lázara Lima Carvalho
1247 Lázaro Fuzari
1002 Lázaro Jacinto
0519 Lazaro Lopes Arruda
0086 Lázaro Manoel de Camargo
1143 Léa Pinto de Godoy
0910 Léa Salies
1449 Lea Stoleru
1517 Leci Macedo de Avelar
1464 Leda Lorena Ramos
1963 Lee Tae Kong
2124 Leide Miranda dos Santos
1384 Leila Borges Costa
1994 Leila Dalila Ferreira
2583 Leila Maria de A. Hernandes
1827 Leni Apriêta A. de Oliveira
1945 Leni Martins Bezerra
2238 Leni Martins Bezerra
0831 Lênio Lenz César Mafra
2141 Lenita Neves dos Santos
1570 Leny Fuentes Vargas
2596 Leny Negrão Fazzio
1211 Leo Cavalheiros
0978 Leonel Wilson Gonçalves
1152 Leônidas Medeiros
0814 Leonídio Apolinário
0376 Leonil Camargo Cré
1051 Leonilda da Silva
1580 Leonir Eustáquio
1792 Leonor do Vale Bandeira
2593 Leonora Silva
1515 Léssio Noia da Silva
1204 Levi Arantes
1347 Levi Dias da Motta
0956 Levi Matheus Vieira
0754 Levy Silva
0311 Lia Ferreira de Souza
1604 Lídia Barbosa
1987 Lidia Machado Filha
1264 Lidice Marli de Castro Ferreira
0115 Lieselotte Hoeschl
0134 Lieselotte Hony
1424 Liete Maria de Amorin
1540 Lígia Maria Guimarães
1999 Ligya Teixeira
1608 Liliam Beuvinda O. Piffer
2063 Liliam Loureiro  Boni
2142 Liliam Maria Paes de Barros
2216 Liliam Mary T. de Almeida
1092 Limirio Ferreira dos Reis
1705 Lina Luiza O. Santos
0404 Linda Haddad Lacerda
2112 Lindaura Coelho Duarte
0351 Lindolfo R. de Oliveira
1426 Lindolo Alves Teixeira
0339 Lino Medeiros dos Santos
0498 Liobino Lopes da Silva
2416 Lisânias Monteiro de O. Ransan
0582 Livio Rodrigues
2226 Lizia Valquiria Ferreira
0471 Loide Amália Faustini
0564 Loide Manoel Camargo
0777 Loide Petronilha Ferreira
0139 Lolita Assunção Inácio
1908 Lorenço Seraphim Neto
0025 Louise Irene Slade
0665 Lourival Gomes Peixoto
1756 Lourival José Ferreira
2121 Lourival Pereira dos Santos
0752 Lourival Rocha da Paz
0492 Lucia da Silva Campos
1812 Luciana Pereira Evangelista
1381 Lucidio Brandão
0985 Lucila Guimarães
2001 Lucilia Velosso
2462 Lúcio Alves Costa
2417 Lucio Antonio Fernandes
1373 Lucrecio Souza Brito
1090 Lucy Chagas
0986 Lucy Guimarães
1541 Luis Carlos Santner
1383 Luis Ricklip Pobb
2502 Luiz  Antonio Sammartino
1996 Luiz Alberto dos Santos
0707 Luiz Alberto Garcia Nerino
0958 Luiz Alberto Leão
1302 Luiz Amilton Fonseca
2172 Luiz Antonio de Araujo
2418 Luiz Antonio de Oliveira
2419 Luiz Augusto Balazshazi
2487 Luiz Calvo Gonçalves
1840 Luiz Carlos Antunes Camargo
2253 Luiz Carlos Avelino
2359 Luiz Carlos Cárdenas
1836 Luiz Carlos da Silva
2192 Luiz Carlos da Silva
1146 Luiz Carlos de Azevedo
2115 Luiz Carlos Leite
2320 Luiz Carlos Medeiros
1641 Luiz Carlos Monteiro Capel
2463 Luiz Carlos Soares Moreira
1707 Luiz Carlos Vieira
1748 Luiz Celso Godinho
1760 Luiz Correia da Silva
1415 Luiz de Almeida
1704 Luiz Fábio Vassão
2528 Luiz Fernando Correa da Costa
2335 Luiz Gonçalves Campos
1134 Luiz Gonzaga Moreira
1741  Luiz J. D. Guimarães
2154 Luiz Lopes Silva Filho
0366 Luiz Mendes
0155 Luiz Pereira Boaventura
0015 Luiz Pereira do Lago
1214 Luiz Pierre
1342 Luiz Raimundo da Silva
0116 Luiz Rodrigues
0948 Luiz Vergani Netto
0726 Luiza Satiko Okada
2120 Lutgar Matos Duca
0072 Luthero Cintra Damião
2102 Luzia Marques
2488 Luzia Teixeira de Matos
0516 Lydia Martha Staschues
0399 Magafume Yamasaki
0480 Magali Marien Mendes
1485 Magda Laura Ferreira
1333 Magdaair da Silva Pereira
2209 Majoly Sanae Koike
0400 Mamedes G. de Oliveira
0368 Manfredo Carrascasa
2587 Manoel Alves Timóteo
0957 Manoel Antonio Araujo
2122 Manoel Baptista Pereira
0557 Manoel Barbosa de Souza
1323 Manoel Borletta Garcia
1490 Manoel Bueno
1706 Manoel de Souza Miranda
1336 Manoel Gomes dos Santos
2420 Manoel José S. Rodrigues
1534 Manoel M. Junior
0396 Manoel Maria Camargo
1003 Manoel Moinhoz P. da Silva
1332 Manoel Pereira Coelho
0616 Manoel Piniche
1427 Manoel V. de Castro Jr.
2489 Manoel Vicente da S. Filho
1727 Manuel Bueno
0176 Manuel Cunha Rodrigues
1718 Manuel Duarte de Freitas
2227 Manuel Francisco da Silva
0900 Manuel Lopes da Silva
1072 Manuel Martins Cotta
1761 Manuel Simas de S. Soares
1898 Maracy Horwat Benevides
0209 Marcelino P. de Carvalho
2013 Marcelo do Amaral G. Xavier
1906 Marcia Chiaradia
1008 Marcia Damaris Beliski
1917 Marcia Dias
1721 Marcia Marins Bravo
2248 Marcia Motta Martins
2052 Marcia Regina
1583 Marcia Scucugliá
2296 Marcia Vitorina dos Santos
2058 Marciléia de Souza Batista
1958 Marcílio C. Pereira
2202 Marcio Aparecido Pinato
1382 Márcio dos Santos Alcatrão
1766 Marcio Norberto Huss
2176 Márcio Roberto Gonçalves
0190 Marcion Bastos Pereira
2517 Marco Antonio Jardim
2185 Marco Poli Amorim
1222 Marcos Alves Morato
1853 Marcos Antonio Pires
2599 Marcos Antonio Tavares
1960 Marcos Auseli S. dos Santos
2269 Marcos Daniel de Barros
1193 Marcos de Moraes Lacerda
1582 Marcos Eduardo D. Guimarães
1489 Marcos Hamada
0649 Marcos Lopes Arruda
2239 Marcos Morais de Freitas
1667 Marcos Prado Matheus
1292 Margaret Browne
0022 Margaret L. Slade
1918 Margaret Urbano da Silva
0198 Margaret Wright
1448 Maria A. C. Corrêa
1465 Maria A. R. Vasques
1621 Maria Altina F. da Silva
1509 Maria Amélia R. Cordeiro
2081 Maria Antonia dos Santos
2344 Maria Antonia dos Santos
0046 Maria Aparecida Anderson
2064 Maria Aparecida Barbosa
2388 Maria Aparecida Bonin
2272 Maria Aparecida Correia
2171 Maria Aparecida D. Prado
0536 Maria Aparecida Mundim
2536 Maria Aparecida R. da Silva
2170 Maria Aparecida Vanuci
2119 Maria Aurea Matos Duca
1516 Maria Aurora de Moura
2349 Maria Clara Aparecida Rosa
2249 Maria Cristina Lima Dias
2127 Maria da Penha Azevedo
2343 Maria das Dores de O. Carmo
2151 Maria de Fatima Bonfim
2358 Maria de Fátima Fabris
2490 Maria de Fátima Lima
2539 Maria de Lima Pimenta
1687 Maria de Lourdes Garcia
1857 Maria de Lurdes Checce
2422 Maria de Neves da S. Lima
1357 Maria Delgado
2538 Maria do Carmo C. da Silva
0964 Maria do Carmo de Paula
2263 Maria do Carmo S. Lima
1432 Maria do Carmo S. Ribeiro
2389 Maria do Socorro M. de Brito
2598 Maria dos Prazeres de Assis
1191 Maria Elidia Rodrigues
2108 Maria Enaide Ferreira
1571 Maria Flávia Oliveira Morais
1569 Maria Flávia Val Rodrigues
0230 Maria Harms
2177 Maria Helena Amorim
2002 Maria Helena Cunha
2315  Maria Helena de Jesus
2601 Maria Helena Garcia
1763 Maria Helena Manoel
1106 Maria Helena S. L. Pires
2086 Maria Ignez de Almeida
2421 Maria Inês de Oliveira
1553 Maria Inês Moreira Stoni
2107 Maria Inizete Farinha
1339 Maria Izabel Duarte
0526 Maria Izabel Machado
0807 Maria Izabel Mendes
1797 Maria Izabel Sarmento
2189 Maria José de Souza
2491 Maria José Honório
0815 Maria José Rodrigues
0858 Maria Leides Azevedo
0272 Maria Lourdes de Carvalho
2093 Maria Lucia Melo Moraes
1890 Maria Luiza Paganin
0977 Maria Luiza Pinheiro Lima
1451 Maria Luiza Xavier
1850 Maria Madalena da Costa
0496 Maria Maura Duarte
1056 Maria Nazareth Ribeiro
2097 Maria Niete Oliveira
2511 Maria Rita da Silva
2592 Maria Rosa da Mota
0397 Maria Silvana Teixeira
2186 Maria Teixeira de Matos
2556 Maria Tereza de O. Nascimento
0504 Maria Tereza de Souza
2423 Maria Tereza V. Quero
0432 Maria Vaz do Nascimento
1209 Maria Vieira
1805 Maria Vilma Dias
2390 Maria Zilah Campos
1379 Mariana Silva
1161 Marilda Itô
2424 Marilena de Pinho Monteiro
1581 Marilene Braga Lima
1966 Marilia dos Santos Pessoa
0259 Marina L. Walsh
2336  Marinalva de Jesus Costa
1940 Marino Guedes Pãni
1248 Mario Ademar Fava
0078 Mario Amaral Novaes
0104 Mario Araujo Junior
0183 Mario Barbosa Gomes
2071 Mario Eihiti Nagoshi
1643 Mario Fiori Moreira Junior
1414 Mario Gil Valente
0350 Mario Itamar de Mello
2261 Mario José J. Pernambuco
1276 Mario Mello
0401 Mário Rodolfo Sindstroem
1021 Mario Samiti
1864 Mario Sergio dos Santos
0174 Mario Verlangieri
2542 Marise de Azevedo Cruz
2113 Marlene Aparecida Bonifácio
2137 Marlene Aparecida Sena
2148 Marlene Moreira Andrade
1922 Marlene P. da Silva
1950 Marlene Vassão
0817 Marli Marino Bravo
2188 Marli Paulino da Silva
2346 Marli Pereira Possidonio
2557  Marlúcia Alves de Oliveira
0992 Marlus Levi dos Santos
2580 Marly Aparecida Rosa
1310 Marly Ruth de Medeiros
2597 Marly Terezinha da Silva
2208 Marta Carvalho Sandor
1390 Marta R. de Almeida
0181 Martha Faustini
2266 Martha Maria Salum
0005 Martinho Rickli
1360 Mary K. Lodwick
0398 Massao Yamamoto
1637 Matatias Pereira Alves
0058 Matsuji Adachi
0862 Maura Alves Dourado
0358 Maura de Oliveira Bastos
1803 Maura Helena Dias
2048 Mauricio Decarli
2264 Mauricio Eduardo Fraga
0830 Mauricio Wanderley
2425 Maurilio Gabriel
2055 Mauro Acher L. Chalon
1729 Mauro Antonio
2125 Mauro Borges da Silva
2391 Mauro dos Santos
1948 Mauro Sergio Godoy
1142 Meire Andrade Freitas
1758 Meraldo Luiz Bizzarro
1928 Mercedes B. V. Pereira
0264 Mercedes Rangel
0587 Messias Audrino
2426 Messias de Freitas
2496 Mical Yamamoto
1203 Miguel Anibal da Silva
0717 Miguel Nacif Saleme
1279 Miguel Uhlmann
0236 Milton A. Leitão
0458 Milton Costa
0243 Milton Ferreira da Costa
0123 Milton Ferreira Ribeiro
1878 Milton Fukuitsi Mihara
0824 Milton Leite de Souza
1982 Minoru Hirota
2392 Miquel Herminio da S. Neto
2338 Miriam Bello da Cruz
2030 Miriam C. L. Bosco
2464 Miriam Decarli
2046 Miriam Peixoto Costa
2393 Miriam Rodrigues
1450 Miriam Xavier
1688 Mirian Ribeiro
1497 Mirian Walsh Sansone
2568 Misael Santos de Paula
0421 Misaque Rodrigues
0876 Mitsuko Kuronuma
0721 Moacir de Souza
2044 Moacyr A. Almeida
1139 Moises Aguiar Caruso
0602 Moisés Bastos Junior
0891 Moisés de Oliveira
1568 Moisés Euzébio Ribeiro
1375 Moisés Guedes
0265 Moisés Rodrigues
2427 Montgomery Costa
1186 Moysés Gomes Marins
1496 Myneyo Yamanaka
0045 Myron Anderson
0177 Myron de Queiros
1377 Nádia Lopes
1714 Nadir C. Lourenço
2307 Nadir Rosa da Silva
1116 Nadir Trindade
0742 Nair Baldani
2273 Nair Bueno de Almeida
0179 Nair Cerqueira Toledo
2143 Nanci Helena Gatto
2045 Nanci Peixoto Costa
2149 Nanci Solde Sobrinha
1738 Nanci Vargas
0854 Nancy Guerra  Buonadulce
1154 Naor Aguiar Caruso
0701 Naor Augusto Garcia
0227 Naphtali Trindade
0794 Natalicio José Vitório
1630 Natalie Landes Browne
0784 Natanael Araujo Bueno
1199 Natanael Florêncio do Amaral
1404 Natanael Rodrigues de Almeida
0976 Natanael Vicente do Nascimento
0071 Nathanael Emerich
2428 Nathanael Pereira de Almeida
1587 Nazir José M. Nehemy Jr.
2164 Nehemias garcia Duarte
0573 Nehemias Mendes Mariem
1968 Nei Martins Ribeiro
2591 Neide Alves de Moraes
1206 Neide de Faria Pereira
2429 Neide Maria Costa
1762 Neide Pereira de Castro
2134 Neide Pillon Rosa
1488 Neide Ramos
1835 Neide Rodrigues Ribeiro
2003 Neide Silva Andrade
0827 Nelcy Nascimento Banoso
0497 Nelse Wood
0810 Nelsom Mendes Ribeiro
1631 Nelsom Valente
0395 Nelson Armando P. Bonilha
1708 Nelson Camargo
1170 Nelson Camargo Martins
0334 Nelson Carnier
1023 Nelson Dias Silveira
1187 Nelson José da Costa
2298 Nelson Martins Barbosa
0130 Nelson Neves
0032 Nelson Reis
1057 Nelson Ribeiro Mendes
2600 Nelson Saldanha da Silva
1602 Nelson Sant’Ana
2212 Nelson Soares
1734 Nelson Vargas
1651 Nely Silva Andrade
2041 Nereide Medeiros dos Santos
0223 Nerino Pires de Carvalho
1185 Nery Martins Costa
0679 Neudes Cabral Ferreira
2465 Neusa Bacarin
2575 Neusa Muraki
1938 Neuza Aparecida Canivalli
0765 Neuza Brandão Nogueira
1169 Neuza Camargo Martins
2316 Neuza Lopes Faria
0945 Neuza Mathias de Carvalho
2016 Neuza Yoko Milhara
2446 Newton Costa Brandão
1809 Newton Costa Brandão
0029 Newton Ferraz
2190 Newton Leonelli Junior
2015 Newton Siqueira Bellini
0946 Ney da Costa Carvalho
0257 Nicanor de C. Azevedo
0940 Nicanor Filadelfo Pereira
2512 Nicolau Andre S. Rodrigues
2558 Nicolau Jorge Salum
1190 Nilce Camargo
0750 Nilo Rédua Junior
0541 Nilson Cabral Ferreira
0110 Nilson Jorge da Silva
1009 Nilson José da Rocha
0873 Nilson Salles
1314 Nilton Ribeiro
2537 Nilza da Silva
1054 Nilza Faria Pereira
1412 Nilza Pereira dos Santos
2395 Nilza Vieira de Souza
1821 Nilze Sampaio
0915 Nimru Alfredo Haddad
1920 Nirde Ester Lopes
0491 Nirme Bernard
1599 Nivalda Barbosa Franco
2219 Nivaldo Cardoso
2110 Nivaldo Ferreira de Souza
0288 Nobukoso Yamamoto
0133 Noemi Bastos Martins
0302 Noemi Meneses
0826 Noemi Rickli
1981 Noêmia Câmara
2156 Noemia de Jesus Vinhás
1120 Noi Dias
1521 Nori Ozauwa
1484 Noriko Hirota
0456 Norival Jacó
2394 Norma Aparecida F. dos Reis
0949 Normando Roberto G. Lima
0708 Northon Adade
1518 Obed Julio de Carvalho
0625 Obede Ferreira da Cunha
0030 Octacilio Vieira Lago
1547 Odacir Hecke de Oliveira
1589 Odacir Hecke de Oliveira (vide 1547)
0422 Odair Nogueira de Souza
0501 Odayr Olivetti
0341 Odayr Taborda
2467 Odete Mina
1026 Odete Rodrigues Maciel
1293 Odete Schneider
1483 Odila Regina Simões Brand
0860 Odilon de Carvalho
0723 Odilon Nestor P. Sobrinho
2365 Odilon Sales
0578 Odilon Silva
2237 Odiva de Oliveira Lima
1022 Odivaldo Mendes
0277 Odorica M. Bandeira
0426 Ody Silva
1431 Ohannes Adourian
0709 Olavo do Amaral Camargo
2529 Olga Trindade
1020 Oliete Rodrigues Maciel
1939 Olimpio Fernandes
2117 Olivar Mariano
1500 Olsi Carvalho
0859 Omar Fernandes F. Teles
0889 Onan Gonçalves de Castro
0037 Onésimo Augusto Pereira
1144 Oracy Nunes de Oliveira
0943 Oracy Soares Ribeiro
1494 Oraide Catarina dos Santos
0062 Orestes F. Nogueira
0089 Orlando Andrade
1694 Orvile de Andrade Filho
0300 Osael Bastos Martins
0098 Oscar Chaves
0843 Oscar Coila
1125 Oscar Faria
0998 Oscar Garcia Barbosa
0510 Oscar Gonzaga
0120 Oscar Marques Fonseca
1162 Oscild José da Mota
0332 Oseas Saturnino Almeida
0502 Oséias Gribeler
1196 Osias Bernardino  Dias da Silva
0950 Osias Costa
0790 Ôsias Mendes Ribeiro
1463 Osias Teixeira Lima
1979 Osinete Cordeiro dos Anjos
0621 Osly Sarmento
1852 Osmar Schwarz
0892 Osni Francisco de Lima
2306 Osni Tadeu L. Camargo
2250 Osni Xavier de Morais
0549 Osório Arantes Jr.
0018 Osório Mendes da Silva
1907 Osvaldo Augusto de S. Junior
2430 Osvaldo Cardoso de Oliveira
1266 Osvaldo de Pinho Monteiro
1829 Osvaldo Gustavo de O. Cerquêra
0629 Osvaldo Ibizetti
2031 Osvaldo Pereira de Castro
2530 Osvaldo Rubens Ubrig
0666 Oswaldo Alves França
0608 Oswaldo Dias Lacerda
0797 Oswaldo Durães de Souza
1386 Oswaldo F. dos Santos
1288 Oswaldo Feltrin
1407 Oswaldo Hack
0555 Otacílio Luciano Gomes
0725 Otaviano Rosa Dominges
0202 Otávio Ferreira Júnior
0147 Othon Guanaes Dourado
0276 Otilia Gonçalves Montijo
1028 Otoniel Marinho de Oliveira
0335 Otto Rickli
0168 Oziel Alcantara Bonfim
0896 Ozir Dias
0801 Palmira Cruz Rosa
0607 Palmiro Borges Ferreira
0326 Palmiro F. Andrade
1578 Patrocínio Fereira Silva
1299 Paul Chaimers Browne
0715 Paulina Marien
2353 Paulo Afonso Fidencio
0109 Paulo B. Schutzer
0007 Paulo Braga Mury
1636 Paulo César B. Carvalho
1087 Paulo César Bornelli
1795 Paulo César de Sant’Anna
1049 Paulo Cesar dos Santos
1849 Paulo Cézar Silva Rodrigues
0783 Paulo Clementino de Oliveira
1529 Paulo Cosiuc
0451 Paulo Dalfallo
1813 Paulo Dalleva Chagas
1924 Paulo Davi Povedano
0270 Paulo de Almeida
1174 Paulo de Camargo Farias
0550 Paulo de Oliveira
1250 Paulo de Oliveira Brasil
1366 Paulo de Oliveira Mello
0040 Paulo de Paiva Pinheiro
0240 Paulo de Tarço
1873 Paulo Edson R. de Queiróz
2199 Paulo Evangelista de Oliveira
2492 Paulo Flôr de Farias
0013 Paulo Fontes de Araujo
0488 Paulo Freire
1088 Paulo Gabriel de Oliveira
0424 Paulo Galante
0066 Paulo Gomes dos Santos
1168 Paulo Gonçalves
0971 Paulo Hisashi Trokawa
1865 Paulo Jensen
0719 Paulo José da Silva Jr.
1931 Paulo José Enéas
2180 Paulo Josué Alves
0534 Paulo junqueira de Souza
2016 Paulo Kartalian
0136 Paulo M. D.  de Macedo
1701 Paulo Marques Ferreira
1149 Paulo Mayer
0596 Paulo Moreno de Almeida
0524 Paulo Nomi
0714 Paulo Paulista Ribeiro
1650 Paulo Pitta Guida
2210 Paulo Ramer Alves
0112 Paulo Rangel Alvarenga
2354 Paulo Renato de O. Santos
1786 Paulo Roberto de Oliveira
1740 Paulo Roberto F. da Silva
1817 Paulo Roberto Jardim
1034 Paulo Rogério Figueiredo Morais
2103 Paulo Sergio P. Teixeira
2355 Paulo Sergio Ribeiro
0818 Paulo Silva
1180 Paulo Sowaybricker Gomes
2094 Paulo Tarpinian
0768 Paulo Thomas da Silva
1425 Paulo Tilman Ribeiro
2079 Paulo Valente
0154 Paulo Villon
2559 Paulo Xavier de Oliveira
0847 Pedro Alves
2229 Pedro Antonio Bezerra
1283 Pedro Carlos Fonseca
0650 Pedro Damásio da Luz
0651 Pedro de Souza
0475 Pedro Duarte
1080 Pedro Ferreira de Resende
0748 Pedro Kasuyoshi Yassuda
2096 Pedro Luiz Manoel
1406 Pedro natalino Zaghi
0599 Pedro Okada
0071 Pedro Rodrigues de Jesus
0993 Pedro Rufino do Carmo
1615 Pedro Tadeu Catalano
2310 Pedro Urbano da Silva
0835 Pércio André Oliveira
0275 Pércio Gomes
1099 Percy Coelho Arantes
1346 Pericles Gonzaga
0250 Persides Gomes de Deus
0857 Petronília de Figueiredo
0425 Petrônio Matos Coutinho
0047 Philemão Silva
0178 Philipe José de Campos
0414 Plácido Baldani
1519 Plauto Bornelli
1703 Plinio Tercio M. Ferraz
0193 Porphyria B. da Silva
1679 Priscila de Campos
0215 Procopio A. Sampaio
0052 Prudencia Lopes Bicas
2396 Queila Murbak Guise
1731 Quintina Pereira Arruda
1776 Raimunda Carlota de O. Queiroz
2308 Raimundo Pereira de Souza
2075 Raimundo S. Ferreira
1933 Raquel Costa
1220 Raquel Eduardo
1801 Raquel Melo Silva
1816 Raquel Nogueira
1614 Raquel Paschoal
0667 Raquel Salum
0088 Raul Cordeiro
0095 Raul Ferreira
1856 Raul Gomes da Silva
0153 Raul Merciano Silva
0096 Raul Vilaça Filho
0161 Raymundo Pereira Castro
1422 Reacy S. Camargo
1820 Regina Célia N. Gasparelo
2257 Regina Célia Ribeiro
1783 Regina Marcia Petrus
2357 Regina Maria Lins de Barros
1438 Reginaldo Ramires
2431 Reinaldo Manoel de Oliveira
1118 Reinaldo Rodrigues
1259 Reinhold Felipe Orttieb
2577 Renata Neme
1833 Renato da Silva Ribeiro
0117 Renato de Castro
0087 Renato Fiuza Teles
2049 Renato Jorge Salum
2397 Renato May
1686 Renato Nogueira
1053 Renato Ribeiro dos Santos Jr.
1502 Renê Mirian Camargo
0791 Rêne Salum
2280 Renée Valério
0895 Reneval Rodrigues
0610 Rev. Shimekiti Tanaami
0256 Rhode Murback
1348 Ricardo Hoki
1886 Ricardo Maioli Souza
2168 Ricardo Paulo Brzzowski
2061 Ricardo R. Guimarães
2442 Ricardo Ramos Guimarães
2567 Ricardo Tafuri
2582 Ricardo Z. Azevedo
1769 Rinaldo Zaveri Filho
1224 Riomar Costa Dourado
2004 Risaura Rival
1745 Rita de Cássia Borges
2466 Rita de Cássia Coelho
0837 Roberto Alonso de Brito Barbosa
1123 Roberto Banks de Paula
1757 Roberto Bracale B. Fagundes
2206 Roberto Bruno Kremski
0459 Roberto Bueno Sobrinho
2069 Roberto Decarli
1661 Roberto Godoi Zanetti
1942 Roberto Gonçalves Salum
2145 Roberto Leme Lopes
2073 Roberto Macedo Arantes
1421 Roberto N. Lodwick
0477 Roberto Rickli
1226 Roberto Teixeira Ferreira
2398 Rodney Bueno de Oliveira
1736 Rogel M. de C. Tavares
2468 Rogério Azevedo
2560 Roldão Sérgio Alves
0172 Romélio Gil
1499 Romeu Guerra
1263 Romeu Pagoto Camargo
0478 Romilda Baldani
0590 Romilda Moreira
0668 Romilda Salum
1198 Ronaldo Andrade
2335 Ronam Pereira da Silva
2214 Rosa Carlos de L. Bosco
1770 Rosa dos Santos
1749 Rosa Maria C. Silva
2241 Rosa Maria Torgulo
1657 Rosalvo Dias da Silva
2469 Rosana Grosso
2561 Rosana Maria Lins de Barros
1050 Rosário Rodrigues
2470 Rosaura Leite Fogaça
2204 Roseli da Silva Felix
2471 Roseli Sanae Milhara
2399 Rosely Aparecida Sorrentino
1974 Rosely Moraes Silva
2105 Rosely Natale
2036 Rosemary Dutra Salles
1685 Rosemary Hipolita
1875 Rozalina Seabra
0408 Rubem Aversari
0099 Rubem Cintra Damião
0447 Rubem de Almeida
1653 Ruben Ferreira F. Almeida
1004 Rubenaser Schubert
1858 Rubenita Guise de Souza
2183 Rubens Agostinho do Carmo
0407 Rubens Alberto de Souza
2581 Rubens Azevedo Filho
2084 Rubens C. Homem Sobrinho
1262 Rubens de Carvalho
1822 Rubens de Moraes Junqueira
1825 Rubens de Oliveira
1069 Rubens dos Santos
2080 Rubens F. Leite
1628 Rubens Faria
1098 Rubens Fernandes
1032 Rubens Gonçalves Salum
1260 Rubens Pereira da Silva
0308 Rubens Ribeiro
0343 Rubens S. Ribeiro
2018 Rubens Sergio C. Ferreira
1352 Rui Alves Camargo
0551 Rui Batista Gomes
0043 Rui Gutierres
0489 Rui Macedo
1089 Rui Nunes Rangel
0680 Rute B. S. de Albuquerque
0484 Rute Bonilha
0681 Rute Duarte
1639 Ruth Almeida Saraiva
0788 Ruth Antunes de Souza
1539 Ruth Carmem Brisola
0951 Ruth do Amaral Fiuza
0682 Ruth Ferreira Moura
0683 Ruth Ivone de Lima
0261 Ruth K. Mori
0226 Ruth Lacerda
0197 Ruth Moser
0970 Ruth Ribeiro
1324 Ruth Sampaio
0864 Ruth Serra
1937 Ruy Alberto Bastos Guedes
0129 Ruy Anacleto
2068 Ruy Carvalho Costa
1124  Ruy de Oliveira Barbosa
0780 Ruy dos Santos Barbosa
2515 Ruy Rodrigues Vinhal
1045 Ruy Souza Bandeira
0222 Ryoshi Sizuka
0382 Sabatini Lalli
0324 Salim Elias
2513 Salomão de Souza Brito
0684 Salvador Fagundes Souza
1039 Salvador Ferreira da Silva
0546 Salvador Gervásio
2493 Samir Wahhab
0167 Samuel Alves de Melo
1047 Samuel Araújo
0753 Samuel Barbosa
0365 Samuel Brust
1681 Samuel D. Rocha
1245 Samuel de Souza Jr.
2034 Samuel F. da Silva
0710 Samuel José de Paula
0897 Samuel La Banca
0944 Samuel Mendes
0861 Samuel Mota Ferreira
0758 Samuel Rodrigues
1037 Samuel Saraiva L. Pires
1298 Samuel Stephenson
0803 Samuel Vieira Soares
1315 Samuel Xavier
2531 Sandoval de Oliveira Santos
2059 Sandra Aparecida Yamamoto
1457 Sandra M. de Oliveira
1866 Sandra Marcia Duarte Passos
0652 Sanuel de Souza
0187 Sarah Pinto
0059 Satu Adachi
2543 Saul Deivis Rodrigues
1236 Saulo Castilho
0338 Saulo de Castro Ferreira
0449 Saulo Marques da Silva
0802 Saulo Negrão
0336 Sebastião Borges de Paula
0460 Sebastião Bueno Olinto
1189 Sebastião Cubas do Amaral
2252 Sebastião de Almeida S. Filho
2347 Sebastião Divino Ponciano
0696 Sebastião Gomes de Paiva
0879 Sebastião Santos
0103 Sebastião Tilhman
0697 Sebastião Veloso de Costa
1018 Selena Lapietra
2443 Selma Cristina Nunes
1391 Senhorinha A. Lara
0963 Sergio A. Albuquerque
2088 Sergio Aparecido Barbosa
2275 Sergio Ayrton de Paula
2562 Sergio Baptita Alves
1962 Sergio de Moraes
1839 Sergio de O. Lima
2472 Sérgio de Oliveira Souza Junior
1808 Sergio Edward Wiederhecker
0711 Sergio Furquim de Arruda
1223 Sergio Martins
1894 Sergio Paulo da Silva
0685 Sergio Paulo Freddi
1804 Sergio Paulo Licio
1036 Sergio Paulo S. L. Pires
1101 Sergio Pereira Ribeiro
1683 Sergio Ricci Goldstein
0974 Sergio Sibel Soares Reis
2104 Sergio Tadeu Gabam
0727 Serio Paulo Faustini
0738 Servino Cardoso Lopes
0812 Sete de Oliveira
0298 Severino G. Monteiro
2563 Severino Garcia Mayo
0075 Sherlock Nogueira
0579 Shigeko Yamamoto
0920 Shinobu Mori
2100 Shirley Franco
1076 Shirley Verônica Morse
0188 Shisuka Tchikawa
2432 Sidnei Martins Teles
2291 Sidney Freitas de Aguiar
1562 Sidney Garcia Blum
0012 Sidney Honston Lenington
1567 Sidrach Luiz da Silva
0584 Signésio Silva
0119 Silas Dias
2085 Silas do Amaral Pinto
0766 Silas Ferreira
0576 Silas Firmino dos Santos
0357 Silas Fonda da Silva
1202 Silas Miguel da Silva
0626 Silas Ribeiro
0205 Silas Rocha
0463 Silas Silveira
0561 Silas Siqueira Meneses
2184 Silma Maria Nogueira da Silva
1926 Silvana Pinto de Paula
0427 Silvia Magalhães Lima
1927 Silvia Regina de Moraes
0004 Silvino Gomes de Figueiredo
0585 Silvino Nogueira
2203 Silvio Luiz Mendes
2569 Silvio Miranda Amaral
2504 Silvio Novaes Filho
1522 Silvio Ribeiro Ladeira
0813 Sinaida Kemper da Silva
0584 Sinesio da Silva
1394 Sinésio Muzel Moura
0979 Sinval Boaventura
0565 Sinval Cabral de Souza
1166 Siomar Rodrigues de Souza
1995 Sissomma R. Antonio T. Azevedo
1807 Sonia do Valle Bandeira
1965 Sônia M. S. Campos
2162 Sonia Maria Alves
1826 Sonia Maria de S. Cardoso
1946 Sonia Maria de Souza
2570 Sonia Maria Madureira
1358 Sônia Maria Pereira de Oliveira
1122 Sonia Rodrigues dos Santos
2404 Sonia Soares Laurindo
2150 Sonia Soldé
2434 Sonia Sumiya
2433 Sonia Teixeira da Silva
0186 Sono Yuasa
0686 Soroku Suzuki
0745 Stanley Guanaes de Lima
1524 Sueko Maria Myahara
0464 Sueko Yamamoto
1467 Sueli B. Cavalcanti
2574 Sueli Botelho Campos
1831 Sueli Campos Marques
2135 Suely Aparecida Yamamoto
2473 Suely Decarli
2114 Suely Moreira
2193 Sumie Ana Maria Sassaki
0569 Sumio Takatsu
0233 Suzana C. Damião
2516 Suzete Sellari
0702 Sydney Alvofa Ruiz
0367 Sydney Schiavon
2348 Sylvia Suzi Bezerra
1885 Syrlei de Oliveira Coelho
2546 Tae Kong Lee
0293 Taisuke Sakuma
0598 Takasi Simizu
0570 Tamiko Shimizu
2435 Tamiko Yosu
1846 Tânia Mara
1743 Tânia Mourão
2400 Tânia Severino de Souza
1855 Tarcisio C. Azevedo
0571 Tazuko Takya
2444 Télio Braz Boaventura
2401 Telma Gouvêa Mendonça
2010 Telma Murbak Guise
0320 Teodoro Capilé
0316 Teodoro José dos Santos
2356 Teógenes Augusto de B. Filho
0082 Teolina Alcântara
0286 Teotônio França
1445 Tercilio de Almeida Coutinho
2514 Tércio Gomes
1559 Tércio Melo Carvalho
0028 Tercio Morais Pereira
0001 Terencio Victorino
2445 Tereza Cristina P. de Souza
2220 Terezinha Bandoni Rissardi
0972 Terezinha Silva
0882 Terso Aguiar de Souza
0472 Teruo Assaeda
1261 Tetsuo Nohara
1676 Thais Gonçalves de Oliveira
1973 Thamar Jessé Enéas
1867 Thania Rachel D. Passos
1157 Thed Corrêa da Silva
2076 Theodoro Olson Pemberton
0016 Theóphilo Calmmi
0008 Theóphilo Chaves Tiradentes
2474 Thereza Cristina L. Ribeiro
1674 Thiago Escobar de Azevedo
1215 Thomas Samuel Pemberton
2311 Tiago Macarowscha
0255 Tibério Alcântara Lima
0988  Tie Fukuda
1290 Timóteo José de Oliveira
1510 Tito Brito Ferreira
0210 Tito Pereira campos
0121 Tito Rocha
1955 Tomas Edson de Oliveira
2565 Tomaz de Carvalho Dias Jr.
2402 Tommo Kariya
1078 Tomóteo Yamamoto
0481 Toriko Kameda
2217 Toshie Kobashygava
1546 Toshie Nagumo
0713 Toshiko Matsuda
0003 Tuffy Elias
0614 Tufy Nassif
0385 Tuguio Kawahara
0348 Tulio Hemrique
2403 Ubirajara da Silva
1557 Ubirajara de Campos
2366 Ubiraney Valladares
0774 Ubiratã Caiuá Emerique
1453 Ubiratã Teixeira
1511 Uilton Ferraz Vargues
1038 Ulisses Rodrigues dos Santos
0961 Ultanor Biguira Guarany
2035 Umberto Carlos Parolini
0218 Urias Coelho Ferraz
1284 Urias Pinheiro da Cruz
1359 Uzzi Umberto P. de Oliveira
1041 Vailton Loula
2532 Valci Alves da Silva
1626 Valdice de Aquino
0669 Valdir Almeida
1440 Valdir Cândico Venceslau
1035 Valdir Cândido Venceslau
0932 Valdir Fittipaldi
2345 Valdir Lopes Faria
1217 Valdir Silva
1576 Valdir Tavares
0767 Valdivio Faria
0340 Valdo Antonio Gonçalves
0500 Valdomiro Baldani
1221 Valdomiro Cardoso
0923 Valdomiro Dantas da Costa
2218 Valentim Milanez garcia
2040 Valéria de Fátima I. Viana
2198 Valéria Maria Fernandes
0020 Valério Manoel da Silva
2533 Valfredo Felipe da Costa
1200 Valmir Alves Dourado
1777 Valquiria Pereira da Silva
2294 Valter da Silva Aranha
1594 Valter José da Cruz
1601 Valter Lang
0577 Valter Martins de Castro
1577 Valter Tavares
2158 Vanda Luzia Passo Silva
1715 Vanda Mendes
1593 Vander João Batista
2131 Vander Luiza Gomes Caffe
1411 Vanderlandes M. Vieira
0588 Vandir Cabral de Souza
1015 Vania Lucia Ruggeri
1645 Vanilda Fiuza
2475 Vasti Arruda de Jesus
0755 Venesio Silveira Regly
0933 Vera Helena R. Viana
2243 Vera Lúcia A. Canciello
2230 Vera Lúcia Alves
1482 Vera Lucia da Silva
2436 Vera Lucia de Oliveira
1874 Vera Lúcia de Oliveira
1780 Vera Lucia de Souza Cardoso
1327 Vera Lucia Filicio Papa
2259 Vera Lúcia Marques Soldé
1611 Vera Lúcia Monteiro Saldanha
1912 Vera Lúcia P. Miranda
2187 Vera Lucia Rimond
2225 Vera Lúcia Viana
2197 Vera Regina Madeiro
1399 Veronica Rudnick
2450 Vicente Expedito do Prado
0653 Vicente Ribeiro Veiga
2494 Vicenzo Rito
1452 Victor Hugo Z. Toledo
1530 Victorino Enachev
0476 Vidal Dias Pacheco
1868 Vilma Adelaide Fernandes
0378 Vilma Fonseca
0787 Vilma Oliveira
1819 Vilmar Rizzo
0353 Violeta Graham
0199 Virgilina M. de Matos
0537 Virgitino Corrêa Lourenço
0799 Virsele Lima da Silva
1155 Vital Cardoso
0347 Vivaldo Dias de Andrade
1891 Vlademir de Lima
0959 Volmer Portugal
2518 Wagner Barbosa de Souza
1225 Wagner Francisco Braidotti
2139 Wagner Huss
1372 Wagner T. Silva
1525 Waldecir M. de Oliveira
0955 Waldemar Moretti
1439 Waldemar Ribeiro Filho
1104 Waldemir Lopes Ribeiro
1141 Waldemir Margues
1313 Waldenir Ferreira Lima
0303 Walder Steffen
1971 Waldir Barbosa C. da Silva
1997 Waldir Boaventura da Silva
0127 Waldir Carvalho Luz
2224 Waldir do Nascimento
0266 Waldir Faria
1476 Waldir Rickli
0903 Waldir Rodrigues
0500 Waldomiro Baldani
1246 Waldomiro Sborawski
2070 Walguiria dos Santos Pessoa
1328 Waltecyr Brandão Nogueira
1606 Walter Carmelo Zoccoli
0927 Walter de Oliveira
1838 Walter de Paula Soares
2029 Walter de Paula Soares
0149 Walter Elisbão
0065 Walter Ermel
1601 Walter Lang
2012 Walter Macedo Filho
1871 Walter Silas Wind
1811 Walter Silas Wind
2604 Wanda Emir Simões
2051 Wandeley M.  Sant’Anna
2579 Wander Ricardo Mingardi
1064 Wanderlan Fonseca dos Santos
1436 Wanderley C. Lourenço
1884 Wanderley de Oliveira Coelho
1921 Wanderley Trujillo
1895 Wang Chi Yang
1532 Water Conte
1755 Weber Orlando Braidotti
2495 Wesley Pinto de Barros
0391 William Barbosa Campos
0166 William Eric Anderson
2564 William Marcoantonio
0249 William S. Barbosa
1881 Wilma da Silva C. Guerreiro
1005 Wilma de Lima
1591 Wilso Francisco da Silva
1249 Wilson Carvalho Martins
1367 Wilson Castro F. Junior
0113 Wilson Castro Ferreira
0782 Wilson Castro Ferreira
0954 Wilson Dourado Loula
1159 Wilson Duarte
0798 Wilson Durães de Souza
0033 Wilson Fernandes da Silva
0219 Wilson Gonçalves Salum
2547 Wilson José dos Santos
0687 Wilson Noé de Carvalho
2476 Wilson Roberto Coimbra
2144 Wilson Roberto do Carmo
1278 Wilson Roberto Gualdo
2339 Wilson Tadeu Caiado
1074 Xerxes de Carvalho
1616 Yara Teixeira Coelho
1251 Yen Machado Pimenta
1067 Yolanda Hessel
0829 Yoshiko Fukuda
0869 Yoshiko Kuronuma
0603 Yoshio Yoshino
1322 Yoshiro Yoshizawa
0834 Yutaka Oka
0019 Yutaka Okara
0703 Yuzuru Ouo
1798 Zaqueu Barroso
1798 Zaqueu Barroso
0654 Zaqueu de Souza
2534 Zaqueu Geraldo Ormond
1678 Zara Pinheiro da Cruz
0321 Zelia Amaral Camargo
0086 Zelia de Toledo Piza
1319 Zelindo da Silva Guedes
1043 Zely Pombeiro
0231 Zenith B. de Campos
0762 Zita Antunes
0194 Zita Monteiro
0655 Zito Dias Fernandes
0486 Zoraide da Cruz
1042 Zoraide Nardes Viana
2213 Zuleica Nunes
1066 Zuleika Cubas Medeiros
1192 Zuleika Martins Barbosa

Transcrita aqui em São Paulo, 6 de Novembro de 2015

Os Fiuza Telles: Renato e Elza

[Para ser franco, tenho esse arquivo digitalizado há anos, talvez duas décadas, mas não sei de onde foi tirado. Se alguém o souber, por favor, me informe. Eduardo Chaves.]

RENATO FIUZA TELES

Renato Fiuza Teles nasceu na pequena cidade de Cesário Lange, em 30 de Junho de 1914, próximo a Tatuí. Órfão ainda com 14 anos, foi ajudado por um tio, Agenor Fiuza, que o encorajou o estudar no Paraná, no Instituto Cristão, com sua irmã Marta. O diretor era o Rev. James Wright, que o enviou para o “Instituto José Manuel da Conceição”, em Jandira SP, onde fez o primeiro grau, com distinção, obtendo o 1º lugar.

Seus pais foram Joaquim Fiuza Sobrinho e Fiorisa, ela falecida com 30 e poucos anos. Era diabética, também Renato o era. Do “Conceição”, Renato foi para o Seminário Teológico de Campinas, onde se formou como Ministro do Evangelho. Em Campinas, casou-se em 1941, 8 de Janeiro com a professora Maria Elza F. Fiuza Teles.

Dali foi ser pastor em Torre de Pedra, onde, em 20 de Novembro de 1941, nasceu seu primeiro filho Omar. Em 1943 nasceu Heloísa, sua primeira filha. Em 1947 nasceu Helena, sua segunda filha. De Torre de Pedra foi para Tietê, onde construiu o templo, muito bonito, por ele inaugurado. De lá foi para Osasco, onde pastoreou a Igreja de lá e Igrejas vizinhas em São Paulo: Vila Cachoeirinha e Vila Espanhola. Em Osasco terminou o seu pastoreado, com grande eficiência.

Paralelamente ao pastoreado, formou-se em Direito, também com distinção, na Faculdade de Osasco.

Convidado pelo Rev. Lodwick para estudar em Iowa, nos Estados Unidos, for para lá, tendo ficado um ano e obtido o seu Mestrado, com uma tese sobre a “Adolescência.”

No Seminário, fez uma tese sobre o Pecado.

Faleceu com quase 80 anos e está sepultado no Cemitério da Paz.

Diz Da. Elza (mulher do Rev. Renato) acerca dele:

Há quase três anos perdi o meu marido fiel. Com três filhos, dez netos e seis bisnetos, os dois últimos ele não conheceu. Nossa Vida foi muito feliz. Embora fôssemos muito diferentes em personalidades, nossos ideais eram comuns.

Viajamos bastante pelo Brasil e conhecemos quase todos os estados. Também viajamos para Europa, Israel e Grécia. Foram viagens muito bonitas e aprendemos muito em países ricos de tradição e beleza.

Com nossa família aprendemos a viver, com alegria. Nossos pais muito crentes, nos deram formação na fé de Jesus Cristo.

Meu pai era farmacêutico e presbítero; minha mãe era muito crente e de boa formação; era professora. Meus pais e avós eram mineiros, eu também, nascida na cidade de Gimirim (MG), sul de Minas.

PATRONO

SOLENIDADE DE ENTRONIZAÇÃO REÚNE FAMILIARES DE RENATO FIUZA TELES

Muita emoção envolveu a todos os presentes na cerimônia, que contou com o apoio da banda do 4º BIB e homenagem de alunos

ADRIANA SANTOS

A cerimônia de entronização do patrono da EEPSG Professor Renato Fiuza Teles, no Jardim Conceição, zona Sul de Osasco, aconteceu no último dia 3. A indicação do nome do professor foi um esforço da ex-delegada de ensino Edna Aparecida Gidugli Carneiro e da filha, a também professora Helena Fernandes Fiuza Teles.

Reivindicações de moradores, alunos e luta de associações de pais e mestres estão envolvidas. A EEPSG, que conta hoje com 1373 alunos do ciclo básico, foi inaugurada em abril de 1 995, e no mês de dezembro recebeu o nome de seu patrono.

Muita emoção. Esse foi o sentimento que esteve presente em toda cerimônia que reunia a esposa de Fiuza Teles , Elza Fernandes; os filhos – Heloísa, Omar e Helena; três netos e uma cunhada: a supervisora de ensino aposentada Zuleica Fernandes Santos, que atualmente mora em Joanópolis, interior de São Paulo. Representantes da Associação de Pais e Mestres, associações de bairro e professores e alunos estiveram presentes.

A sugestão do nome do professor como patrono foi uma indicação da ex-delegada de ensino da 1ª Delegacia  Osasco, a  atual supervisora de ensino Edna Aparecida Gidugli, também colega de trabalho do professor. Ela, junto com a filha dos Fiuza, a também supervisora de ensino Helena Fernandes, travou uma luta acirrada para que o nome de Renato batizasse o estabelecimento de ensino.

A cerimônia contou com a abertura musical feita pela banda do 4º Batalhão de Infantaria Blindada, que também finalizou o evento com um pot-pourri de música popular brasileira. Além disso, grupos musicais, formados por alunos de 1ª a 4ª séries cantaram: “Ao mestre  com carinho”, “Coração de estudante” e ”Oração pela família” .

“A cerimônia foi mais bonita do que eu esperava. Eu e toda a família ficamos muito emocionados”, afirmou Elza Fiuza Teles, viúva do patrono.

Num dos momentos mais tocantes, a filha Helena leu um discurso preparado em homenagem ao pai ( ver trechos no box ao lado). Discursaram também os titulares da primeira e segunda Delegacia de Ensino, respectivamente, João Batista Grosso e Regina Cemin, bem como a diretora da escola Nilda Webekin Montagnoli.

Após a cerimônia, houve exposição de fotos e documentos que mostram a luta dos moradores do bairro para conseguir a escola e cenas do período em que o prédio era construído.

Professor foi fundador de Igreja Presbiteriana

O professor Renato Fiuza Teles nasceu em Tatuí, interior de São Paulo. Fez o 2º grau no Instituto Cristão, no Paraná. Em São Paulo, cursou Pedagogia na Universidade de São Paulo, e bacharelado em Direito, pela Fundação Instituto de Ensino para Osasco (Fico). Estudou também Psicologia da Adolescência nos Estados Unidos.

Casou-se com a professora Elza Fiuza Teles, a quem conheceu numa igreja Presbiteriana da cidade de Campinas, durante os anos em que esteve no seminário. O casal veio para a região de Osasco a fim de lecionar no Instituto José Manuel da Conceição, em Jandira – uma entidade cristã ligada ao Mackenzie.

Lecionava História para o 2º grau do Mackenzie, em São Paulo. Em Osasco, foi professor em escolas estaduais no Rochdale, e diretor da Escola Estadual Vicente Peixoto, no jardim Bela Vista. Aposentou-se como supervisor de ensino, na 1ª Delegacia.

O professor exercia o ministério de pastor e fundou a Igreja Presbiteriana do Brasil, localizada na rua Paulo Líccio  Rizzo, na região Central de Osasco. (AS)

ELZA FIUZA TELLES

“A CULTURA É IMPRESCINDÍVEL”

(Elza Fiuza Teles)

Nascida em Girimim, Sul do Estado de Minas Gerais, quando jovem a professora Elza Fiuza Teles seguiu o costume dirigido as moças da época: aprendeu piano e francês. Morou muito tempo em Campinas, onde estudou a maior parte de sua vida, e, posteriormente, casou-se com Renato Fiuza Teles, também professor, falecido há três anos. Cursou letras na Universidade de São Paulo (USP), optando pela continuidade do aprendizado da língua francesa. Começou a dar aulas em 1950, acumulando diversos locais de trabalho. Em Osasco, foi diretora de várias escolas osasquenses, dentre elas Ceneart, EEPSG Frei Gaspar da Madre de Deus (antigo Grupo Escolar Presidente Altino – Gepa). Mas uma das melhores lembranças fica por conta do período em que lecionou, junto ao marido, no já extinto Instituto José Manuel da Conceição, uma entidade de ensino ligada ao Mackenzie, localizada na cidade de Jandira.

Em sua residência, situada numa rua bastante tranqüila da cidade de Osasco, Elza atendeu a equipe de O Diário. Num curto bate-papo, ela comentou alguns aspectos de sua vida. Falou sobre os gostos por viagens, e dos lugares que conheceu, no Brasil e no exterior. Na Europa esteve duas vezes. A primeira, fazendo pós-graduação na Sorbonne, na França. E a segunda (comentada com emoção), junto ao marido Renato, quando conheceram diversos países, como Suíça, Alemanha, Grécia, Portugal e Espanha. A viagem finalizou-se com a visita a Israel, um marco para o casal de evangélicos.

O Diário – Por qual motivo a senhora optou pelo professorado?

Elza Fiuza Teles – Minha mãe e meu pai eram professores e meu avô era proprietário de um colégio, no Sul de Minas. Naquele tempo, há 45 anos, as mulheres estudavam apenas para serem professoras. Mas trabalhei muito tempo em escolas, e posso dizer que sempre gostei bastante.

OD – Sendo professora mãe e avó, como a senhora compara o lecionar de hoje com o de ontem?

ET – Eu penso que era mais difícil àquela época, já que as condições físicas de trabalho eram escassas. Faltavam escolas e salas de aula. Não havia lugares para se trabalhar. Muitas vezes, tínhamos que mudar para outras cidades, para podermos lecionar. Eu mesma morei em Viradouro e Amparo. Esse quadro só se alterou quando Jânio então governador do Estado de São Paulo, construiu diversos estabelecimentos de ensino. A partir daí, as coisas melhoraram, tanto para professores como para alunos.

OD – E com relação aos alunos?

ET – Ah, era mais fácil. Eles eram mais obedientes. Agora, é mais complicado. Vejo a dificuldades de minhas filhas, que lecionam para o primeiro grau. Eu sempre lecionei para colegial e acho muito simples. Dar aulas para os mais novos, ainda mais nos dias atuais, é uma aventura. Os alunos antigamente nos respeitavam. Mas a rebeldia de hoje é de certa maneira compreensível. Estamos em outra época, com outra cultura.

OD – Hoje, a tecnologia com televisores, computadores, Internet e tudo mais, auxiliam a Educação?

ET – Por um lado sim, já que se trata de uma maneira de desenvolver a habilidade e inteligência. Por outro lado, esse grande número de atrações, mais videogame e shopping center, conseguem prender a  atenção dos jovens. Meus próprios netos ficam horas diante da televisão. Antigamente, as pessoas ocupavam seu tempo lendo mais. Hoje, ninguém mais gosta. Eu própria li muito, desde criança – José de Alencar, Machado de Assis, Érico Veríssimo. Possuo a coleção completa de Jorge Amado, além de livros de escritores famosos, como Racine e Victor Hugo. Agora há pouco comprei um livro de  Fernando Henrique Cardoso. Mas o que leio no momento, e pela segunda vez, é Rayuela, do escritor espanhol Júlio Cortaza.

OD – O futuro dessa geração, no que se relaciona a aspectos culturais, a preocupa?

ET – A cultura é imprescindível, e conquistada através de muito estudo e leitura. Quando essa relação não existe  e o afastamento irrompe, as pessoas ficam mais vazias e sem assunto.

OD – Neste âmbito, que outros aspectos a atraem?

ET – Gosto muito de música. Os nossos compositores são muito bons. Aprecio música clássica e, inclusive, estudei piano durante muitos anos. Era tradição à época as moças aprenderem piano e francês. Meu primeiro piano foi comprado pelo meu pai, ainda quando eu era criança, na cidade de Campinas?

OD – Quais as diferenças, observadas pela senhora, entre a didática atual e de sua época?

ET – Não vejo muitas alterações  neste aspectos. O que mais mudou foram as escolas. Criaram-se inúmeras delas, e novos equipamentos foram incorporados. Hoje também há uma certa hierarquia a ser cumprida (inspetores, delegados), mas tudo prioriza a ordem e a organização.

OD – E quais as melhores lembranças?

ET – A amizade com os professores, o carinho e o companheirismo. Lembro com saudade dos professores Emir e Maria Tereza, ambos de português. Outro aspecto que tem me feito bastante feliz é a homenagem que estão tentando prestar ao meu marido. Seu nome é indicado para ser nome de escola. O Renato foi diretor de várias entidades de ensino, além de professor por muitos anos. Sempre se esforçou e merece essa homenagem, em que espero estar presente para conferir.

Transcrito aqui em São Paulo, 6 de Novembro de 2015

William Alfred Waddell (por Carlos Pizarro)

[Infelizmente há algumas falhas de transcrição / digitação neste texto. Vou procurar localizar o texto datilografado do qual a transcrição foi feita para saná-las. Eduardo Chaves.]

William Alfred Waddell (1862-1938):
Uma Vida a Serviço de um Povo

HOMENAGEM do INSTITUTO JOSÉ MANUEL DA CONCEIÇÃO

APRESENTAÇÃO

Anualmente o Instituto José Manuel da Conceição, seminário menor das Igrejas Presbiterianas do Brasil e Presbiteriana Independente do Brasil, celebra o “Dia do Conceição”, como gratidão a Deus por mais um ano de existência e oportunidades.

A Diretoria e a Congregação do Instituto acharam por bem dedicar esse tradicional dia, este ano, à memória do seu fundador, o Rev.Dr. William Alfred Waddell, por ocasião do centenário de seu nascimento.

Portanto, o Instituto JMC, no seu 35º ano de existência, agradece a Deus a vida de seu fundador, e primeiro Diretor, e oferece aos amigos e ex-alunos do Dr. Waddell, e do instituto JMC, este livreto.

O trabalho ora apresentado foi sugerido por Sr. Carlos Afonso Augusto Pizaro, bem como as pesquisas de sua composição. O Pizaro é natural de Governador Valadares, Minas Gerais, cursa atualmente o lll ano clássico no JMC. É candidato da igreja Presbiteriana Independente do Brasil ao Ministério Sagrado, e estuda no JMC desde 1957. Já foi Diretor-Gerente de O IDEALISTA, revista dos alunos Manuelinos, e desde 1961 vem trabalhando como repórter em diversos jornais da cidade de São Paulo, tais  como a FOLHA DE SÃO PAULO, A ULTIMA HORA, E O GLOBO.

Ao Sr. Pizaro e ao Rev.Joaquim A. Machado, vice-diretor do Instituto, que lhe representou a Diretoria na composição deste livrinho, os nossos agradecimentos. Desejamos, também, agradecer a cooperação Rev. Júlio Andrade Ferreira, magnífico reitor do seminário Presbiteriano de Campinas, pelo uso do museu desse, e a cooperação do Rev. Robert E. Lodwick, secretário executivo da missão Presbiteriana do Brasil Central, por nos facultar o uso dos arquivos da missão.

Rev. Olson Pembertom, Jr.
Diretor

Pudesse a natureza pressentir os grandes eventos, e por certo as flores de setembro, no dia 8, no ano de 1890 teriam irradiado uma alegria mais viva, teriam anunciado com expressão mais ardente e mais vibrante aos cidadãos paulistanos que o desenvolvimento já então impresso a seu tão promissor e querido Brasil estava para tomar um novo impulso. É que a esta data lançava-se em seus férteis campos espirituais uma semente nova que se haveria de desabrochar em tronco dos mais vigorosos.

Eram os germens do saber que prepara um povo para trilhar as rotas do progresso, e do cristianismo que alia ao saber o sentimento altruísta e ressalta no homens  as suas características divinas, lançados em solo brasileiro, latentes e ocultos, na figura vigorosa de um daqueles nossos bravos irmãos da outra América que se entregavam à evangelização do Brasil . Era William Alfred Waddell que aportava nas praias onde Anchieta e Nóbrega já se haviam esvaído na mesma missão  e no mesmo intuito.

Homens de raros talentos, chegava ao Brasil depois de haver graduado, com distinção, em engenharia e teologia na sua terra natal.

NOS EUA

Nascera a 5 de Fevereiro de 1862, na cidadezinha de Bethel, em Nova York, EUA. Em 1882 colara grau no Union College, na cidade de Schenectady, em N.Y., onde, desde o início de seus estudos havia conseguido conquistar os primeiros prêmios de aproveitamento. Sentindo-se chamado para o sagrado ministério, ingressou no seminário de Princeton em 1884, conseguindo abreviar para 2 anos o curso que normalmente deveria ser feito em 3, foi licenciado para o presbitério de Albany em abril de 1886.

Sua profissão de fé, ele a fizera perante o Rev. T. Darling e os irmãos da igreja Presbiteriana de Schenectady, no outono de 1881. Mais tarde, ele mesmo [falha de transcrição deixou o texto incompleto aqui].

Pastor licenciado, seu primeiro campo foi a Igreja Presbiteriana de São Pedro, na Califórnia, de que assumiu a presidência do Conselho em “caráter de experiência”, no ano de sua licenciatura. No dia 10 de abril de 1887, o Presbitério em Los Angeles consagrou-o definitivamente a Deus, ordenando-o na cidade de San Diego. Durante os anos de 1887 e meados de 1890, consagrou-se à Igreja de São Pedro. No fim desse ministério, seus olhos se voltaram para as ricas searas do Brasil, onde Simonton,Blackford, Chamberlain e tantos outros “valentes de David” – como insiste Júlio Andrade Ferreira em chamá-los, semeavam a mancheias.

A 19 de setembro, ingressava na missão Brasil Central, em São Paulo. A partir de então, se entregaria a um profícuo ministério – que também foi magistério, como veremos a seguir.

NO BRASIL

Inteligência rara, conhecimentos profundos e com uma didática quase perfeita, Waddell foi encaminhado para o então embrionário Mackenzie College.

Por volta de 1890, o Dr. Horácio Lane recentemente eleito diretor da Escola americana,sente-se na obrigação de introduzir os métodos de ensino superior americanos no Brasil, de vez que “as escolas do governo não podem fazer essas experiências com êxito”. ‘’O plano foi experimentado: iniciou-se a preparação de cursos preparatórios, cursos superiores literários, de ciência pura e de ciência aplicada ( que foi mais tarde denominado Curso de Engenharia)”. (F2)

Há cerca de 2 anos, uma comissão de educadores norte americanos havia visitado São Paulo e recomendado o “estabelecimento de cursos universitários, suplementares a Escola Americana”, razão por que foi constituída uma Junta de Síndicos  que tratou de pôr em pratica a sugestão. O então Conselheiro Rui Barbosa foi consultado e informou não  haver “de conformidade com as leis brasileiras,maneira pela qual a associação pudesse  ser incorporada , para regularizar o título de propriedades, e recomendou a organização da corporação nos Estado Unidos,com administração de seus bens no Brasil, por meio de um procurador”. (F2)

Assim foi que no dia 9 de fevereiro de 1893, a Universidade de Nova York incorporou, em caráter de experiência, o curso superior da Escola Americana, efetivando, porém, a incorporação no dia 21 de Novembro de 1895

Começava dessa forma desabrochar a poderosa instituição  educandária “que se ergue nos altos da Higienópolis”.

É em meio a esta fase de estruturação que aparece William Alfred Waddell. Seus conhecimentos de engenharia e sua estupenda noção de didática levaram-no a se transformar em um dos esteios da nova universidade. Participou da comissão que coordenou os cursos de engenharia, e foi um dos seus primeiros professores.Sobre sua capacidade, disse o Dr. Horácio Lane de certa feita, quando argüido de propósito: “É bastante inteligente, e capaz de dirigir todo o trabalho do Mackenzie,trabalhando só à noite, depois do jantar” (L)

Em Dezembro de 1891, um cidadão norte-americano, de nome J.T.Mackenzie, doou à escola a importância de 50 mil dólares, destinados à construção de um prédio próprio a seu funcionamento.

A obra foi confiada a Waddell. Idealizada a planta e iniciada a construção, foi lançada a pedra angular no dia 12 de Fevereiro de 1894.

A partir de então, a obra educacional assumiu tais  proporções, que o próprio Waddell chegou a escrever: ‘’’Ela é uma honra para o nome americano; e de qualquer ponto de vista que se consideram seus padrões, terá poucas rivais em qualquer parte.Dr. Lane tem introduzido a Bíblia na escola, em todo departamento; ela é uma parte ativa e valorosa da propaganda. O Colégio será de valor como desdobramento da presente situação.Todos os homens  no campo estarão mais ansiosos pelo crescimento do trabalho , além de escolas paroquiais.”

Em fins de 1893, no dia 2 de Novembro, sua esposa, foi levada para outra morada. Alma meiga, possuidora de relativa cultura, Mary Lenington Waddell, que herdara dos velhos pais um profundo sentimento cristão, foi sem dúvida um dos maiores estímulos para seu marido,apesar da pouca duração do matrimônio.

MISSIONÁRIO

Não obstante sua atuação anterior como professor, William Waddell viera ao Brasil atraído pelas missões.Seu sonho era evangelizar e, se bem que no magistério prestasse grande auxilio à obra dos missionários, a voz dos campos não deixou de soar em seu coração. Soou brandamente, a princípio:

Falou alto e clamou, mais tarde.

Em fins de 1896, empreendeu viagem à Bahia. As searas brancas prontas para a ceifa,que seus olhos ali puderam contemplar, fascinaram-no e lhe lançaram brados de desafio.

Naquele estado, Pinkerton,Finley e Kolb já haviam, em época ainda recente, realizado uma penetração relativamente profunda, deixando, como marcos de sua passagem , vários convertidos e, mesmo, diversos pontos de pregação.Por ocasião sua viagem,trabalhava os campos e Rev.Chamberlain,designado pelo Presbitério do Rio de Janeiro. Uma idéia da fecundidade do solo,o próprio Chamberlain a dá, nos relatórios que preparou para os sínodos de 1894 e 1897:

“Era meu propósito visitar este campo ( refere-se, aqui, ao Presbitério de São Paulo, onde havia visitado recentemente algumas igrejas), como há poucos, logo que passasse o tempo chuvoso.Porém, a morte do Rev.Pinkerton na cidade de Salvador, Bahia, em Fevereiro de 1892 e a retirada do Rev. Finley para o campo de Sergipe vieram transtornar meu plano e tornar necessário que eu acudisse às necessidades da Bahia e da Cachoeira, no Estado da Bahia. Aceitando pôr meses esta incumbência, e sendo pelo Presbitério do Rio de Janeiro, para o qual o transferi minhas relações presbiterianas, incumbido do trabalho pastoral das mesmas igrejas, segui em Junho de 1892 para a Bahia. Não me limitei a ministrar estas igrejas, mas atendendo à incumbência do Sínodo, procurei cumprir o ministério de evangelista em regiões além. Para esse fim ausentei-me  vários meses em longas viagens pelo interior da Bahia, deixando os presbíteros incumbidos dos cultos na cidade da Bahia ( Salvador), e um grupo de moços, crentes fervorosos, dos da igreja de Cachoeira. Estas viagens revelaram um estado de ânimo tão interessante dos habitantes do interior que, quando me achei aliviado do encargo da  pastoral nas ditas igrejas pela volta do Rev. J.B Kolb dos Estados Unidos da América, entreguei-me à obra de evangelização nas regiões do interior da Bahia, visitando as praças importantes acessíveis por estradas de ferro, estendendo, até onde me permitiram as forças, essas viagens de além. Em nenhuma cidade que visitei foi-me negado pela intendência o uso da sala do Juri, fato bem significante, da oportunidade que deve ser abraçada ardentemente por nós de subministrar a palavra enquanto é dia. A noite vem.”

Esse primeiro contato  missionário iria levar Waddell a abandonar temporariamente o Mackenzie.

Durante a visita, conheceu Laura Chamberlain, filha do velho missionário, que desde 1894, trabalhava na “City School”, em Salvador. Desposou-a no dia 12 de Janeiro de 1897, em Feira de Santana, trazendo-a para uma breve estada no Mackenzie College.

Em 1899, Waddell solicitou sua transferência para o campo da “Igreja da Bahia”, ( Salvador), passando a residir, então, na capital baiana.

Passou, assim, a arar aqueles campos em companhia do irmão e da. Laura, Rev.Pierce Chamberlain e de Diocleto Simões Ferreira, que fora, por alguma razão, excluído da Igreja e que Waddell achara por bem restaurar a comunhão. Daí por diante , as viagens de itinerância ao interior se intensificaram.

Nessa época, os missionários visitaram a cidadezinha  de São Felix, onde realizaram profícuo trabalho  de evangelização. Em 1900, William Waddell deu inicio ao templo da Igreja de Salvador. Os 4 próximos anos, ele os dedicou ao seu pastorado e a viagens de itinerância.

Em 1905, passou a residir em Cachoeira, onde d.Laura se consagrou ao magistério na “Girl’s School”.

Em um dos percursos de evangelização, sentiu-se “imensamente atraído pelo campo de Palmeiras”. Era uma vila pequenina, mas situava-se em local extremamente estratégico: no centro geográfico de uma região próspera, que poderia ser transformado mais tarde em centro intelectual e espiritual. Tentou  adquirir ali  uma gleba para a fundação de uma nova escola. A intolerância religiosa, no entanto ,levou os proprietários da região, a fecharem totalmente as portas para o se trabalho. Isto não o desanimou, porém. Voltou imediatamente os olhos ao vilarejo próximo de Ponte Nova. Ali em um recanto aprazível, às margens do rio Utinga, adquiriu o sítio com que sonhara e de início à “escolinha “ que iria transformar mais tarde no Colégio Ponte Nova. A fundação se deu no ano de 1906. Era outra obra fadada a se imortalizar no evangelismo pátrio.

Radicado em Ponte Nova, onde permaneceria até 1914, Waddell passou a se de dividir novamente entre o ministério e o magistério. Fazia ambos os trabalhos. Continuou a visitar  as igrejas próximas. Cachoeira, Palmares, Cabeças, Lavras, e inúmeras outras cidades passaram a constituir o seu campo. Foram anos de trabalho intensivo.

Por volta de 1913, idealizou uma expedição  missionária ao centro do país. Homem de grande visão, Waddell já sentia a necessidade de penetrar o interior brasileiro. Sabia o valor que representaria para a evangelização nacional o fato de, quando o progresso da nação principiasse a se interiorizar, já existirem Igrejas formadas nas regiões que seriam atingidas por tal progresso. Então, os conquistadores da terra haveriam de deparar-se com a mentalidade cristã, e, vencendo o meio, seriam vencidos pelo Espírito. A expedição partiu de Salvador .Chefiou-a o recém chegado Rev. Franklin Graham, que cumpriu extensa jornada, fincando , nos estados de Goías, de Mato Grosso, e mesmo, em regiões mais afastadas da Bahia, os marcos do cristianismo. Assim foi que quando o dinamismo de um presidente novo principiou a levar a civilização ao interior do Brasil, provocando um verdadeiro formigar de gentes e de recursos nos sertões goianos, lá estavam ,altaneiras e de braços estendidos, a imitar as seculares palavras do mestre quando clamava: ”Vinde a mim vós que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei…”,as igrejas de Planaltina, Rio Verde, e tentas outras resultantes das idéias e planificações do cérebro de Waddell.

A Igreja de Cuiabá se teria originado dessa excursão.

Falando sobre a larga visão de que era dotado Waddell, o Rev. Philip Landes diz:

“Foi ele quem deu o brado de RUMO AO OESTE. Previu que o progresso atingiria bem cedo todas as fronteiras do Brasil, e procurou abrir os olhos da missão a este aspecto. Tal propósito levou-me, a mim e a minha esposa, a trabalhar naqueles campos. Waddell era capaz de ver o futuro . Se tivesse de lhe colocar uma alcunha, chama-lo-ia o missionário estadista”.

Durante as lidas missionárias, pode sentir  sempre a presença de benévola de sua Segunda esposa, d. Laura. Mestra dedicada cristã de alma meiga, aprendeu ela bem cedo a sentir como sentiam os sertanejos e a viver como viviam. Essas qualidades, aliadas a “um desejo sem par, que a perseguira desde os tempos de escola, de ver o Brasil agigantar-se em um progresso fundamentalmente cristão”, levaram-na a se tornar obreira eficiente e estímulo para o esposo missionário. Por ocasião do pastorado de Cachoeira, já lecionara na “Girl’s School”. Depois, lecionou no colégio Ponte Nova, cooperando de maneira decisiva na evangelização do lugar. Sua habilidade no trato com o homem do campo foi uma das causas do sucesso da obra.

COLÉGIO

A escola de Ponte Nova foi fundada em face da ausência de um número suficiente de obreiros para a região. O plano de Waddell era preparar professores que, por sua vez, seriam usados na preparação de outros, desencadeando assim uma verdadeira onda de cultura e cristianismo naquelas terras sertanejas.

Iniciada a escola, adotou-se para os alunos o sistema de “self-help”, então em voga na América do Norte. Os estudantes pagavam apenas uma taxa anual de 50 mil réis, devendo as despesas excedentes disto serem cobertas por seu próprio trabalho.

No princípio, havia poucas e toscas construções, que se prestavam, ao mesmo tempo, para internato, salas de aulas, e residências de professores. A obra, no entanto, prosperou. Hoje, a escola conta com edifícios amplos e próprios para o funcionamento. Em 1927, I. Graham construi o “Pavilhão Waddell”.

Oito anos mais tarde ergueu-se o maior prédio escolar daquelas regiões: “ O Pavilhão Bixler”.

A nota, porém, que mais se distingue no colégio hoje, é o “Grace Memorial Hospital”, que ali se ergue um como refúgio para o sertanejo sofredor. Wood idealizou-o em 1916, e tornou realidade em bem poucos anos, com o concurso de Reese e outros incansáveis obreiros.

Sua escola normal foi oficializada em 1936 e, em 39, colou grau a sua primeira turma com diploma reconhecido pelo governo. Os progressos sucederam-se, uns após outros, ano após ano,

As grandes personalidades, que se formaram as margens de Utinga, espalham-se hoje por este Brasil a fora. São muitas. Difícil enumerá-las. Algumas porém, podem se citar. São apenas algumas das que compõem os grandes bandos de verdadeiras águias humanas que ali, nesse ninho humilde e singelo, foram geradas e criadas: Paulo Freire galgou os céus da política nacional; é hoje deputado federal  pelo Estado de Minas Gerais. Alexandrina Passos e Eulália Alcântara são mestras dedicadas e valorosas obreiras. Adauto e Othon Dourado são figuras das mais representativas no cenário presbiteriano do Brasil. Élson Castro é hoje o diretor da escola. E que dizer de outros…

SÃO PAULO OUTRA VEZ

No início de 1914,Waddell voltou a São Paulo. A 5 de Março, foi eleito presidente do Mackenzie College. O colégio, no entanto, principiava a se tornar impraticável a um de seus sonhos: a preparação especial do candidato ao Ministério. Uma nova escola começou a se gerar em sua mente fértil. A ocasião, porém não era propícia : antes de mais nada, precisava atender as necessidades do Mackenzie. Limitou-se a planejá-la, e preparar caminho para a sua  fundação.

No ano seguinte, organizou-se a federação das Escolas Evangélicas, de que passaram a fazer parte, todos “os institutos e colégios da Igreja”. Em 1927, deixou a presidência do Mackenzie e, a 1 de Julho do mesmo ano, foi eleito seu Presidente Emérito.

Doravante nada haveria, assim, que o impedisse de dar início à nova escola.

J.M.C. 

Havia poucos anos que um sítio fora adquirido pelo Mackenzie College, no Km 32 da Estrada de Ferro Sorocabana. Eram mais de 40 alqueires situados em um vale suave, entre pequeninas montanhas da Cordilheira do Mar. Embaixo, bem na confluência dos morros, estendia-se quilômetros  sem fim, o leito da Sorocabana. De uma de suas bandas, corria, em sentido contrário e com uma languidez mórbida, o riacho Jordão. Da outra um declive brusco e, pouco adiante, um brejo pequeno.

Foi ali que se dedicou a instalar o outro “ninho de águias”, construído habilmente, palha por palha, pelo estadista de Landres. Três casas rudes foram o ponto de partida. Outras, também rudes e humildes, seguí-las-iam com o correr dos anos.

Após os primeiros preparativos, foram iniciadas as aulas. Assim, “no dia 8  de Fevereiro de 1928, reuniram-se no salão nobre do acampamento do Mackenzie College,sito Km 32 da E.F.S., o Rev. Dr. William A. Waddell, Rev. e sra. C. R. Harper, Rev. Lenington, e os srs. Terêncio Vitorino, Eduardo Pereira de Magalhães e Tuffy Elias, para a abertura das aulas do curso universitário José Manuel da Conceição”. (J) Estes 3 últimos eram os primeiros alunos, os demais, os primeiros mestres.

Um breve histórico da vida do Rev. José Manuel da Conceição e da fundação da Escola Americana, e uma oração, proferidas por Waddell, momentos após o cântico do hino 26 dos Salmos e Hinos, selaram a breve cerimônia de fundação, e consagraram definitivamente a obra de Deus.

Nos anos que se seguiram, chegaram novas levas de alunos. João Euclydes Pereira e Francisco Alves foram das primeiras turmas. Vinham da província mineira, que mandaria mais tarde outros de seus nobres filhos. Hoje, um é o vice-presidente do Supremo concílio da Igreja Presbiteriana Independente; o outro é eminente teólogo e professor do seminário de Campinas. Da Bahia, dentre outros, vieram Adauto Dourado e José Dias, Eudes  Férrer  veio do Mato Grosso. Goiás, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul também mandaram estudantes ilustres. Quase todos os estados da Federação fizeram-se representar. São Paulo, por excelência. Daqui, foram mandados Aretino Matos, Daily França, Renato Teles, Fernando Buonaduce. Hoje, são todos professores e ministros dedicados; são esteios do evangelismo pátrio.

Atualmente, o J. M. C. consta com cerca de duas centenas de alunos. Seu diretor é Olson Pemberton,Jr, que, por muitos anos foi missionário no sul do país. Seus professores, na maioria ex-alunos são: Renato e Maria Elza Teles, Fernando Buonaduce, Jean Pemberton, João Euclydes Pereira, João e Queila Faustini, Joaquim e Yolanda Machado Josué e Samuel Xavier, Maria Block Cruz e Floyd Gilbert.

100 ANOS DEPOIS

Esta é, em resumo a história de William A. Waddell. Foi homem de coragem, cristão fervoroso e intelectual profundo: foi um dos “valentes de David”. Sua obra, viveu-a a serviço de um povo que não era o seu, em uma pátria que não era também a sua.

Hoje, passado já um século desde o seu nascimento em Bethel, nós alunos e professores desta casa de ensino,frutos de seu trabalho e do seu amor, erguemos a nossa fronte para os céus, prestamos-lhe homenagem devida aos Heróis verdadeiros, agradecendo a Deus  a sua vinda, e rogamos outros…

Transcrito aqui em 6 de Novembro de 2015.

José Manuel da Conceição (por Carl Joseph Hahn)

[O texto a seguir é de autoria de Carl Joseph Hahn e foi transcrito por mim a partir do Capítulo IV do seu livro História do Culto Protestante no Brasil (2a edição, ASTE, São Paulo, 1986 [1a.ed], 2011 [2a.ed]). O capítulo aborda o Padre José Manuel da Conceição e outros. Transcrevi apenas a seção relativa ao Rev. José Manuel da Conceição, primeiro pastor ordenado no Brasil e ex-padre Católico Romano — que deu nome ao JMC. Novamente, pode haver pequenos erros de digitação.]

CAPÍTULO IV

CONCEITOS DE CULTO E SUA PRÁTICA NO MINISTÉRIO DOS PRIMEIROS LÍDERES BRASILEIROS

José Manuel da Conceição, ex-padre, evangelista itinerante e primeiro pastor protestante ordenado no Brasil.

Em 28 de junho de 1900 apareceu um artigo em ”O Puritano ”órgão oficial da Igreja Presbiteriana do Brasil, intitulado “Rev. José Manuel da Conceição por A. B. Trajano”. O artigo diz o seguinte:

“Faz agora vinte e sete anos que o Rev. José Manuel da Conceição deixou este mundo de trabalho e tentações para ser recebido nas mansões celestiais por seu pai celestial. Este longo espaço de tempo não foi capaz de apagar a preciosa memória, as saudades dele que permanecem nos corações de todos os que o conheceram  e ouviram suas pregações e testemunharam seu admirável e verdadeiro ministério e labores a serviço de Deus.

Quando o ouvíamos  proclamar  o Evangelho e víamos como o evangelista se fazia acompanhar do exemplo, cumprindo fielmente a plenitude dos preceitos que pregava, isso produzia em nossas almas efeitos tão inspiradores, tão edificantes e duradouros que jamais podem ser esquecidos ou apagados de nossas memória.

Eu vi o Rev. José Manuel da Conceição nesta capital de São Paulo, em Lorena, em Sorocaba e na vila  de Cotia. Vi com admiração sua plena, humildade, sua sinceridade e sua total dedicação ao serviço de Jesus Cristo. Lembro ainda perfeitamente de tudo isto porque os trabalhos deste servo de Deus não eram normalmente os de um evangelista comum, mas um exemplo  vivo de um verdadeiro apóstolo da evangelização. Por isso, a lembrança dele, lembrança acompanhada de ternas saudades, permanece até hoje em mim como estímulo de inspiração para imitar sua dedicação até o último limite de minhas forças.” [1]

A.B. Trajano foi um dos primeiros quatro estudantes [2] para o ministério Presbiteriano no Brasil. Trajano era o mais velho dos quatro e também foi o último a morrer. Foi excelente aluno no curso teológico, sendo licenciado pelo Presbitério do Rio de Janeiro em 22 de agosto de 1870. Foi em seguida enviado para Borda da Mata [3], em Minas Gerais, para trabalhar como evangelista. Cinco anos após, em 10 de agosto de 1875, foi ordenado e colocado como pastor da igreja mãe, a Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro que fora organizada por Simonton em 1862. Trajano serviu a esta igreja até 1893. Ele era pastor emérito desta igreja-mãe quando escreveu o citado artigo.

O tributo pessoal que Trajano prestou a memória  do ex- padre Conceição provavelmente poderia ser prestado por quaisquer dos demais pastores e evangelista brasileiros que tiveram algum contato com Conceição. O mesmo poderia ser dito  pelos missionários que aprenderam [4] a evangelizar o Brasil com ele. Ele deixou uma indelével marca em todo o protestantismo brasileiro.

Conceição não foi somente o primeiro padre no Brasil a deixar a Igreja Católica Romana mas, segundo Trajano, ele foi o primeiro brasileiro ilustre a enfrentar abertamente a tormenta de perseguições a romper com a Igreja Romana. Conceição contou sua vida num livrinho  intitulado “Profissão de Fé Evangélica pelo Padre José Manuel da Conceição”, livro agora esgotado e difícil de ser encontrado, mas que foi reimpresso seguidas vezes no “O Puritano” [5]. Conceição afirma que nasceu na cidade de São Paulo, em 15 de março de 1822, filho de um canteiro português que trabalhava em construções [6]. Foi criado e educado pelo padre José Francisco de Mendonça, irmão do avô de Conceição. Seu primeiro professor, diz ainda que conceição, foi  “o virtuoso Heliodoro de Vasconcelos” [7] cuja influência, somada às do padre com quem vivia, levou-o a escolher o sacerdócio. No entanto, aos dezoito começou a ler a Bíblia e a narrativa da criação do homem e da mulher no Gênesis produziu nele sérias dúvidas a respeito da doutrina Romana do celibato. Pouco tempo depois, uma conversa [8] que teve com um francês, seu professor de desenho, levou-o a posteriores dúvidas sobre os ensinos da Igreja. Seu professor passou pela frente do altar da Igreja sem tirar o chapéu e o zeloso Conceição  discutiu com ele quase no ponto de agredi-lo fisicamente. O francês tentou explicar-lhe que o amor ao próximo e a Deus eram mais importantes do que o zeloso cumprimento de regras exteriores. Esta conversa deixou profunda impressão na vida do jovem Conceição.

Outra experiência que conduziu seu pensamento na direção do protestantismo foi o contato que teve com ingleses e famílias protestantes européias numa vila próxima à Igreja de seu tio. Diz Conceição:

“Eu ia com freqüência a uma fundição de ferro em Ipanema ( em Sorocaba, na minha região) onde visitava a família Godwin cujo pai, Mr. Godwin, era superintendente da casa de máquinas. Eu me comovia profundamente ao observar o completo silêncio que lá reinava aos domingos. Era uma família inglesa. Mais tarde, quando eu fui admitido na comunidade eu vi a totalidade das famílias a ler a Bíblia e livros devocionais. Mais tarde eu visitei quase todas as famílias alemãs e em todas eu encontrei o mesmo quadro de devoção e religião. Comecei a pensar: quem sabe se estes estrangeiros têm tanta religião como nós, os brasileiros? Seria a religião deles igual à nossa? Ainda, quem sabe se eles são mais religiosos que nós porque são mais civilizados do que nós?” [9].

Vê-se de novo aqui a enorme influência dos imigrantes protestantes que preparam o caminho para as missões protestantes no Brasil.

Conceição faz também menção de sua amizade e dívida para com um médico liberal dinamarquês ou alemão [10] que praticava a medicina na mesma vila, com quem ele estudou o idioma alemão, assim como história e geografia, além de rudimentos de medicina. O Dr. Teodoro Langaard, além de ensinar alemão a Conceição, pô-lo em contato com a literatura alemã  sobre artes e medicina. Os conhecimentos de medicina, assim como a capacidade para ler os mais recentes  livros médicos em alemão, tornaram-se valiosos para Conceição quando, nos anos seguintes, como evangelista itinerante, tratava [11] do povo brasileiro do interior que não tinha acesso à assistência médica. Mais tarde ele escreve a respeito deste período de sua vida:

“Eu estava destinado ao sacerdócio, mas a leitura da Bíblia e os meus contatos com os protestantes tornaram-me um mau candidato e depois um pobre, muito pobre padre católico romano. Todos os outros padres, exceto o Bispo, chamavam-me de Padre Protestante.” [12]

Conceição afirmou que apesar dessas suas dificuldades a tolerância do Bispo e o fato de ser por natureza solitária, possibilitaram-no continuar os estudos para o sacerdócio. Tratava-se todavia de mais uma experiência perturbadora.

Conceição passou nos exames e foi para São Paulo para ser ordenado mas, momentos antes da cerimônia, foi avisado que não receberia a ordenação. Ele não tinha agido politicamente a fim de encontrar um padrinho nas áreas clericais. Foi, para ele, um grande choque descobrir o jogo político existente na Igreja. Esteve, por algum tempo, decidido a abandonar a carreira, mas foi persuadido a retornar e foi ordenado diácono em 29 de setembro de 1844, começando seu trabalho sacerdotal como assistente de seu tio-avô, o Padre Mendonça, em Sorocaba. A hierarquia da Igreja Romana não depositava inteira confiança nele, de maneira que ele veio a ser um padre encomendado, isto é,  sujeitos a remoções ao gosto das autoridades. Foi primeiro enviado para Limeira onde ministrou para imigrantes europeus aos quais falava em alemão, que era o idioma deles. Não cobrava nada pelo seus serviços e lhe recomendava que lessem a Bíblia. O bispado continuo transferindo-o de lugar para lugar na Província de São Paulo, mas em todos os lugares ele aconselhava o povo a ler a Bíblia e a confessar seus pecados diretamente a Deus. Os bispos, sem saberem, estavam permitindo que a futura Reforma brasileira fizesse itinerância em suas dioceses [13]. Alguns anos mais tarde, como pastor protestante, ele percorria as mesmas áreas pregando as Boas Novas que bem antes havia tentado proclamar. As autoridades católicas ficaram alarmadas e Conceição, sabendo que não mais poderia sustentar os dogmas e práticas da hierarquia romana, pediu demissão para deixar o ministério. O bispo, por seu turno, sugeriu uma outra solução: ele seria nomeado para o “vicariato de vara”, isto é, seria um representante do bispo servindo segundo as necessidades e desejos sem responsabilidades sacerdotais, Conceição aceitou a sugestão e comprou uma pequena fazenda perto de São João do Rio Claro, decidido a se tornar fazendeiro.

Blackford, visitando a região de Rio Claro, ouviu falar daquele estranho padre, antigo vigário da cidade, e decidiu ir vê-lo. O padre apreciou a visita  e logo foi a São Paulo a fim de conversar mais com Blackford. Dentro de alguns meses já tinha decidido renunciar ao sacerdócio católico romano e ligar-se à Igreja Presbiteriana. Em 23 de outubro de 1864, ele fez sua profissão de Fé na pequena sala que servia de igreja para o trabalho presbiteriano em São Paulo. Ele tinha então quarenta e dois anos de idade. Em 16 de dezembro do ano seguinte ele era ordenado pastor por Simonton, Blackford e Schneider que haviam, naquele dia, organizado um presbitério com o expresso propósito de ordenar Conceição.

A conversão de Conceição teve grande influência no  começo do protestantismo no interior do Brasil; primeiro, por chamar as atenções sobre os protestantes e, segundo, por estabelecer um modelo de evangelização e culto. Boanerges Ribeiro, que escreveu uma excelente biografia do ex-padre, diz:

“Mas foi a conversão do padre que chamou a atenção da capital provinciana para os cultos protestantes; entre os turbulentos estudantes de direito houve logo alguns que tomaram aquilo a sério…” [14]

Ele menciona alguns dos estudantes que começaram a aparecer na casa e nos cultos do missionário presbiteriano a fim de pedir informações. Entre eles estava Pedro Perestrello da câmara, que comprou uma Bíblia em inglês e levou alguns folhetos de evangelização. Mas, mais importante para a questão da pregação e do culto foi o modelo que Conceição estabeleceu e a influência que veio a Ter sobre os missionários e os jovens que entravam para o ministério, assim como sobre as pequenas congregações em formação ao longo de sua trilha pioneira.

Escreve Boanerges Ribeiro:

“José Manuel da Conceição lhe forneceu essas cabeças de ponte, abrindo para o nascente movimento protestante a província de São Paulo toda, e mais ao sul de Minas; supriu a falta de homens, entregando-se à constante itinêrancia que o esgotou; desfez a natural timidez daqueles estrangeiros pregadores, unindo com eles sua sorte.” [15].

A ordenação de Conceição anunciou ao alvorecer de um novo dia do culto evangélico no Brasil. Por meio século os imigrantes vinham calmamente realizando o culto familiar em suas casas e na “casas de oração”, tendo Kalley alargado um pouco o quadro ao convidar seus vizinhos para participarem do círculo familiar. Colportores tinham vendido Bíblias de vila em vila, mas agora o programa de evangelização intensiva de casa em casa estava começando. Deus levantara um homem, um ex-padre brasileiro, alguém que estendia os anseios de seus conterrâneos e de como ir ao encontro de suas necessidades. Nessa época não havia evangelismo de massa, conquanto houvesse reuniões ao ar livre nas praças das cidades e em campos abertos, mas agora o impulso principal era ir de casa em casa ao longo das estradas, de longas e longas estradas.

Escreve Ribeiro:

“Aproximava-se a hora do destino, em que a jovem igreja nacional criaria seu próprio método de desbravamento e propagação evangélica: essa luta árdua e exaustiva das estradas, de fazenda em fazenda; o contato pessoal e direto com a pessoa evangelizada; a oração de joelhos na salinha de chão batido e, sobretudo, o poder de um homem possuído do Espirito Santo e disposto a matar-se pregando a cada família em particular, de casa em casa, de indivíduo a indivíduo, de alma a alma. Não haveria nesse desbravamento os grandes lances oratórios que tanto encantam nossa mentalidade mestiça, nem o brilho dos pregadores selecionados e bem pagos: haveria a propagação de um fogo interior, que iluminava uma vida iluminaria quatro estradas do Brasil.” [16]

Em três anos este homem “transformou radicalmente o mapa da reforma no Brasil”. Com a Bíblia na mão e paz de Deus no coração ele ia de casa em casa ao longo das estradas do Brasil explicando a palavra de Deus, orando com o povo comunicando-lhe a convicção que o estava dizendo era a verdade. Em um dos primeiros lugares onde ele pregou, iniciando sua vida itinerante de São Francisco do Brasil, duzentas pessoas se reuniram para ouvi-lo, segundo seu relato. Ele enviou a Blackford uma lista de noventa nomes de pessoas convertidas, em sua maioria família por família. Regressou a São Paulo para apanhar um suplemento de Bíblias para pessoas que desejavam estudá-la por si mesmas. O relatório de Conceição comoveu o coração de um dos jovens estudantes de direito que havia comprado uma Bíblia do missionário presbiteriano e começado a freqüentar alguns cultos. Este jovem, Perestrello Barros de Carvalhosa, acompanhou Conceição a Sorocaba. Esta foi uma viagem histórica. Carvalhosa ficou tão encantado e convencido do evangelho que apressou-se a tornar a São Paulo onde fez sua profissão de fé, foi batizado, e começou sua longa carreira de colportor, estudante, pastor e o primeiro escritor de liturgia [17]  da Igreja Presbiteriana. Nessa viagem Conceição parou na casa de Sr. José Carlos de Campos, às margens do Rio Sorocaba. “Ó de casa! gritou à distância. Entrando na casa com a Bíblia na mão, abriu em João 3.16 e pediu licença para ler a respeito do grande amor de Deus por toda a humanidade e sua graciosa oferta de perdão pela fé somente. Depois, estendendo no chão de terra batida um lenço colorido, derramou seu coração em comovente oração pela família que tinha sido parte de sua paróquia quando ele era padre naquela cidade. O Sr José Carlos de Campos que, em anos passados, tinha se confessado a Conceição, ficou muito impressionado e ligou seu destino à nova fé doando terreno para construir uma igreja e, juntamente com sua numerosa família, tornou-se o núcleo de uma igreja [18] na comunidade de Votorantim, a algumas milhas de Sorocaba.

O modelo estava estabelecido. Conceição, com ou sem a companhia de algum jovem da igreja, ia pelas ruas das cidades e pelas estradas, de casa em casa, perguntando às pessoas se elas sabiam que eram pecadoras e dizendo-lhes que Deus as amava, pedindo permissão para ler a palavra de Deus, ajoelhando-se sobre o seu lenço colorido e orando pela sua fé e conversão. Quando possível enviava ao missionário Blackford, em São Paulo, lista de pessoas que se  tinham decidido por Cristo. O mais cedo possível, Blackford, ou um de seus auxiliares, estava na mesma estrada visitando as famílias  indicadas. Boanerges Ribeiro, cuidadoso e diligente biógrafo, acompanhou esse itinerário de vila em vila, de cidade em cidade, pelo espaço de alguns anos, traçando, ao mesmo tempo, o mapa das primeiras igrejas presbiterianas no interior do Brasil.

Nos anos imediatamente anteriores à sua conversão, Conceição pregou realmente a mensagem protestante da fé em Jesus Cristo, recusou pagamento por casamentos e funerais, tendo sua conduta preocupado tanto o bispo que este o manteve em constante mudança – nunca mais do que uns poucos anos em cada lugar. Estes mesmos lugares Conceição voltava agora a visitar, lugares estes que vieram a ser os futuros centros de novas igrejas presbiterianas: Sorocaba, Taubaté, Ubatuba, Brotas, São João do Rio Claro, Limeira, Campinas, Bragança, Atibaia etc. Três jovens [19] que vieram  a se tornar notáveis pastores da Igreja Presbiteriana acompanhavam fielmente agora a Conceição nestas viagens. O mais fiel companheiro era Carvalhosa, mas Miguel Torres e Antonio Pedro foram também com freqüência seus companheiros. Estes jovens estavam sendo preparados pelos missionários para serem pastores, mas o mais importante ensino lhes foi dado por Conceição na medida que compartilhavam com ele da poeira das estradas, da palavra de Deus, de sua fé, de suas lágrimas, vendo brotar a fé nos corações dos homens e das mulheres. Sofreram também com ele algumas esporádicas perseguições: cachorros, pedras, insultos, aprendendo a suportar tudo com regozijo.

Um mapa [20] mostrando as viagens deste moderno São Francisco revela a quase inacreditável história de suas jornadas. Nos quatro meses anteriores à reunião do presbitério, em julho de 1866, ele percorreu, a maior parte  pé, uma distância comparável à de Inverness a Londres [21], pregando, ensinando e curando. Nos tempos de estudante ele fizera valiosa amizade com um médico alemão em Sorocaba que lhe ensinou alemão e o pôs em contato em contato com os melhores livros de medicina nessa língua. Com este conhecimento Conceição tornou-se eficiente no tratamento das doenças comuns no Brasil. Assim, quando era convidado a pernoitar nalguma casa ele freqüentemente retribuía a hospitalidade cuidando de algum eventual doente da família. Isto fez com que ele se torna-se uma pessoa muito estimada por onde passava e firmasse um padrão de serviço e assistência que os missionários acompanharam. Numa terra de extensas áreas sem nenhuma espécie de assistência médica, os simples conhecimentos possuídos pela média dos missionários e pastores eram freqüentemente valiosos.

O primeiro biógrafo de Conceição, o Coronel Fausto de Souza, que lhe deu abrigo e cuidados na noite de sua morte, descreveu o método, a humildade e a dedicação dele durante os últimos anos de seu ministério itinerante:

“Chegando a um sítio, se ele resolvia a Ter aí alguma permanência, procurava alguma choça ou telheiro que lhe servisse de abrigo, às vezes mesmo edificado por suas mãos e coberto de ramos; se, porém, sua demora era passageira, ele pedia hospedagem em qualquer casa, preferindo as de modesta aparências; e antes de sair dela procurava dar um sinal do seu reconhecimento, servindo de enfermeiro a algum doente, consolando tristezas, ou mesmo prestando vários serviços humildes, como varrer, lavar, etc…

Sua frugalidade era tal, que com qualquer coisa se satisfazia durante o dia inteiro: uns ovos, leite, um pouco de farinha de milho ou de mandioca, ervas café e açúcar, constituíam quase sempre o seu alimento, Desses gêneros, os que lhe davam, agradecia com humildade; mas quando assim não acontecia, também não os pedia, mas comprava-os em pequena quantidade, à proporção que deles necessitava, porque conformando-se com a ordem dada por Jesus Cristo aos apóstolos, ele não possuía alforge para o caminho, nem duas túnicas, nem calçado, nem bordão (Mt 10.10) e o mesmo dinheiro que levava para o seu parco sustento, limitava-se a alguns parcos tostões.” [22]

Com tudo isto era Conceição um homem profundamente culto, lendo fluentemente português, alemão, francês e inglês, traduzindo constantemente alguma coisa em simples pedaços de papel. Ele observava e descrevia qualquer planta ou animal incomum que por acaso encontrasse em suas viagens e tomava notas a respeito da geografia e da geologia das regiões por onde viajava. Escreveu sermões, hinos e comentários enquanto ia e vinha. Enviava, de vez em quando, artigos para seus amigos e para a Imprensa Evangélica para serem publicados.

Conceição voltava dessas longas andanças completamente exausto, mas após alguns dias de descanso estava de novo na estrada. Na semana do Natal de 1873 Conceição viajava de volta ao Rio para um merecido descanso. todavia, não chegou ao seu destino. Forçado a uma baldeação ele teve que se abrigar por uma noite na estação. Suas roupas andrajosas e seus pés nus convenceram um policial de que se tratava de um vagabundo sendo, por isso, levado à prisão onde permaneceu três dias e três noites até que chegasse do Rio de Janeiro a confirmação de sua identidade. Quando posto em liberdade ele não tinha dinheiro suficiente para continuar a viagem de trem e partiu a pé. Na pequena vila de Irajá, cambaleante, caiu junto a um pequeno armazém. Um soldado da milícia estadual levou-o a uma enfermaria militar próxima onde o diretor, Major ( mais tarde Coronel) Fausto de Souza, supervisionou o tratamento do andarilho desconhecido.

Era véspera de Natal e o espírito da data provavelmente entro em cena porque os militares mudaram as roupas de Conceição, deram-lhe um banho e um prato de sopa, assim como os necessários cuidados médicos. Conceição  agradeceu-lhes e pediu para ser deixado a sós com Deus. Os sinos da vizinhança anunciavam a missa da meia-noite quando o espírito de Conceição deixava seu corpo para a morada final. O Major Fausto, naqueles poucos momentos de contato com Conceição, foi levado a ligar seu destino ao povo protestante. Ele escreveu uma biografia de Conceição, tornou-se franco defensor da fé evangélica e traduziu do francês um dos clássicos da literatura evangélica no Brasil. “Cristo é Tudo”. A fé evangélica encontrara os modelos realmente brasileiros. A próxima seção analisará a vida e ministério de um dos jovens mais chegados a Conceição que, através de uma longa existência no ministério protestante, procurou consolidar a obra além de evangelizar e veio a ser um notável líder da liturgia na Igreja Presbiteriana do Brasil.

NOTAS:

1. O Puritano, Ano II, Núm.56, 28 de junho de 1900, pág.1.

2. O primeiro a ser ordenado foi o ex-padre Conceição, mas ele não acompanhou nenhum curso teológico com os missionários. De fato, sua cultura e seu preparo eram provavelmente superiores aos dos missionários. Os outros três estudantes eram Antonio Pedro Cerqueira Leite, Miguel Gonçalves Torres e Modesto Perestrello Barros de Carvalhosa.

3. Esta pequena congregação das montanhas era filha da Igreja de Brotas. Alguns membros desta igreja mudaram-se para Borda da Mata e tornaram-se o núcleo de uma nova Igreja Presbiteriana naquela região.

4. Ver o registro de Blackford no seu Journal… Recordo a respeito desta experiência com Conceição nos meses da Missão que antecederam organização da Igreja de Brotas, assim como durante sua organização.

5. O Autor não teve acesso ao livro original, mas colheu notas de publicação em O Puritano. Há uma biografia em português, do Rev. Boanerges Ribeiro, intitulada O Padre Protestante, que é a principal fonte deste capítulo.

6. O Puritano, 14 de junho de 1900, pág. 1.

7. Loc. cit.

8. Loc. cit.

9. Ibid., pág.1 ss.

10. O Puritano, 14 de junho de 1900, Ano II, n.º 54.

11. Como os evangelista itinerante, Conceição servia amiúde de enfermeiro r médico para doentes nas casas onde se hospedava. Ele fazia isso em pagamento pela hospedagem, vez que habitualmente viajava sem dinheiro. Semelhante a esta é a história de Willis Robert Banks, no vale do Rio Juquiá.

12. O Puritano, 21 de junho de 1900, Ano II, nº 55. Continuação da reimpressão do livrinho de Conceição, “Profissão de Fé Protestante”, pág. 2.

13. Júlio Ferreira, HistóriaOp. cit.. vol. 1. Pág. 31

14. Boanerges Ribeiro, O Padre Protestante, Casa Editora Presbiteriana, São Paulo, 1950, pág. 135.

15. Ibid., págs. 135-136.

16. Ibid., págs. 144-145.

17. Infra. Ver a seção seguinte a respeito de Carvalhosa.

18. Ainda hoje é umas das boas igrejas do Brasil, tendo o Autor pregado nela várias vezes. A família do Sr. José Carlos de Campos tornou-se proeminente na Igreja Presbiteriana, sendo uma de suas filhas a esposa de William Kerr e a mãe de uma nora do Autor. Membros desta família têm freqüentemente evocado para o Autor memórias da primeira visita de Conceição à casa de seu pai, depois de sua conversão.

19. Boanerges Ribeiro, op. cit., págs. 191, 164, 147, 151, 156, 187 etc

20. Vide apêndice. O mapa foi preparado por Boanerges Ribeiro, um dos biógrafos de Conceição.

21. O Autor apresentou esta obra em Edimburgo, Escócia. Daí o seu referencial à geografia conhecida pelos seus primeiros leitores (Nota do Tradutor).

22. Major Fausto de Souza, “Ex-Padre José Manuel da Conceição”, publicado na Imprensa Evangélica, fevereiro de 1884.

Transcrito aqui em São Paulo, 6 de Novembro de 2015.

Thebaida (por Waldyr Carvalho Luz)

[O texto a seguir, escrito pelo Rev. Waldyr Carvalho Luz, relata sua experiência no JMC. Ele é retirado de sua autobiografia, que tem o título: Nem General, Nem Fazendeiro: Ministro do Evangelho (Luz para o Caminho, Campinas, 1994). Tive a pachorra de digitar o texto, que é a totalidade do Capítulo 21. Pode haver pequenos erros de digitação no texto. O Rev. Waldyr foi meu professor no Seminário Presbiteriano de Campinas.]

Quinta-feira da Segunda semana de fevereiro de 1935 embarcava eu em Caçador rumo à Capital Paulista. Resolvi descer em Castro para tomar informações mais precisas e completas. No Sábado, à tarde, retomava a viagem para o desconhecido. Tudo transcorreria normalmente, exceto por dois problemas, contornados de modo satisfatório. Primeiro, bateram a carteira de um passageiro e o pobre do homem, quando deu pela coisa, pôs a boca no mundo, entre desesperado e revoltado. Procurava, em vão, descobrir o autor do furto. Suspeitou de mim, assentou-se ao meu lado e iniciou um interrogatório longo e impertinente. Fiquei um tanto apreensivo, porque o dinheiro que eu tinha comigo era exatamente a quantia que lhe haviam surripiado: Setecentos mil réis, e uns trocados. Se o homem me acusasse, iria achar que esse era o dinheiro dele. Eu teria uma defesa: telegrafarem para minha casa e saber com quanto saí para a viagem. Disse-lhe quem eu era, para onde ia, quê ia fazer, e comecei a falar de Cristo e da salvação. Ele, que não estava muito disposto a ouvir do evangelho, levantou-se e deixou-me em paz. Segundo, o chefe de trem, quando lhe falei que iria descer em Barueri, disse-me que o trem era expresso e não parava nessa estação. Certamente eu estaria enganado. O meu destino seria Barueri, cidade de que nunca havia ouvido falar. Contei-lhe que iria para um colégio em Jandira, perto da Capital, e que teria de descer na estação mais próxima. Depois de muita conversa, acabou concluindo que eu deveria desembarcar em Cotia ( hoje Itapevi), aguardar um trem subúrbio e, então, ir a Jandira. Às nove e pouco da manhã, chegamos a Cotia. Desci com as malas, indaguei do horário do subúrbio e comprei a passagem, gentilmente atendido pelo agente da estação, que me prestou todas as informações necessárias. Assentei-me em um banco, a estação quase vazia, cansado, tenso, triste, com saudade de casa. A vegetação em volta no vilarejo era tão diferente da flora linda de minha terra.

O casario, de “material”, feio, um telhado enegrecido, tijolada exposta ou caiada, tudo a dar impressão de miséria e atraso. E achei que eu tinha feito uma grande tolice. Deu-me vontade de voltar, desistir dessa aventura, viver feliz na minha “querência”, como diziam os gaúchos. Estava perdido nesses devaneios depressivos, quando soou a campainha anunciando a chegada do subúrbio. Foi questão de embarcar às pressas rumo à tal Jandira!

Eu imaginava um lugar bonito, o colégio um lindo, prédio ajardinado, tudo da melhor qualidade , com luxo e elegância , pois que era acampamento do Mackenzie, educandário tão afamado. Uns poucos minutos  e parou o trem na acanhada estaçãozinha, em que se aglomerava muita gente nesse Domingo de manhã.

Olhei em volta e nada vi que me parecesse com jeito de colégio. Perguntei a um espanholzinho magricela, de olhos azuis, que tinha  embarcado em Cotia onde ficava o Curso Universitário José Manuel da Conceição. Ele lavrador, da vizinhança a quem viria encontrar bastante freqüentemente ao depois, numa voz fininha de mulher, respondeu: “Não sei !” Fiquei desapontado. Pensei até que estivesse um lugar errado, mas a placa, em grandes letras, com o nome da estação, desmentia essa possibilidade. Não havia táxi. Ao fundo via-se uma grande casa com um vasto pomar , mas à esquerda, à distância, um grupo de vivenda conjugadas, feias a valer, como as de Cotia. Residência de funcionários da estrada de ferro; logo em frente à estação um casebre mais feio ainda onde morava o  guarda-cancela; bem adiante, em parte encoberta por um bosque de eucaliptos, uma linda mansão, a pouca distância da qual outra do mesmo estilo se erguia. Julguei comigo, o tal Acampamento deve ficar para aqueles lados; o problema é chegar lá. Ao fundo direito da ferrovia , em uma elevação, se estadeava um quadrilátero extenso, nos mesmos moldes das tais casinholas dos ferroviários, telhado negro, paredes mal caiadas, que julguei fosse uma olaria, pois que ficava junto a um alagadiço, como os nossos “banhados” do Sul. Ia dirigir-me ao agente para pedir informação, quando se aproximaram de mim três rapazes  que haviam ouvido a minha pergunta ao espanholzinho e disseram que eram do colégio. Achei-os pobremente vestidos, embora um deles estivesse de gravata, por sinal uma gravata velha e surrada. Pensei que fossem cozinheiros ou funcionários da escola. Apanharam minhas malas, e não fiz cerimônia em deixar que o fizessem, pois,  afinal eu era estudante!

Puseram-se a andar… pelos trilhos da ferrovia. Acompanhei-os. A uns trezentos metros tomaram uma trilha barrancosa que dava acesso à “olaria”. Fiquei estarrecido. Seria ali o famoso Acampamento? Subimos a encosta e entramos no quadrilátero. A aparência de tudo era desoladora. Na pracinha central estavam uns estudantes, aos quais os três que me conduziam, que só agora via eu que eram alunos e não funcionários, Erasmo Bastos, o de gravata, baiano de nariz adunco, Francisco Pereira Júnior, carioca loquaz, grande orador, e Rubens Cintra Damião, paulista, que muito se viria a distinguir em sua Igreja (Presbiteriana Independente), foram logo anunciando que mais um novato estava chegando. Foi um reboliço e de todo lado surgiram rapazes a berrar: `”Mais um, mais um”… e se aproximavam de mim. Até pensei que me iriam dar algum trote (coisa que não existia naquele ambiente fraterno). Foi uma acolhida calorosa e foram-me acomodando em um quarto com vaga. Era, porém, domingo e o almoxarifado estava fechado, de sorte que não podia adquirir cama, cadeira, mesa, lampião e mais apetrechos necessários. Mas, alguém me arranjou uma cama de lona, travesseiro, cadeira, e eu estava provisoriamente instalado, inda que com franciscana singeleza e não pouca deficiência.

Logo depois, teríamos a Escola Dominical e, em seguida, o culto, dirigido pelo diretor, Dr. William Alfred Waddell., gorducho, imponente, engenheiro e matemático de renome, que fora missionário na Bahia por muitos anos, depois Diretor do Mackenzie, cargo que deixara para fundar, em 1928, o “Conceição”, como era conhecido esse centro de preparação de candidatos ao ministério que fariam seus estudos teológico no efêmero Seminário Unido do Rio de Janeiro e cujo nome homenageava o primeiro pastor nacional, José Manuel da Conceição, que havia sido padre em Brotas, Estado de São Paulo, e se convertera à fé evangélica. Bastante cansado, sonolento, não foi fácil acompanhar a palavra do nobre pregador, que, a bem da verdade, não somente falava com um sotaque extremamente carregado, como também tinha um português arrevesado, o verbo usado quase só na forma infinitiva e todos os pronomes demonstrativos a assumirem a feição do feminino singular aquela! Fui apresentado ao respeitado Diretor, que me pareceu, desde logo, uma grande alma!

Era quase a hora do almoço e lá nos fomos para o refeitório: um telheiro acanhado, de piso de tijolos mal cobertos de cimento, com uma longa mesa tosca no centro, sem toalha, guardanapos, pratos e talheres, nem mobília outra senão menos de trinta banquinhos rudes, feitos de tábuas de caixotes, de que se apossavam os que chegavam primeiro, os retardatários não tendo onde sentar-se. Entrei e fiquei escandalizado, não crendo no que via! Jamais poderia imaginar coisa mais primitiva. Eu me pus de lado, a observar, enquanto os outros apanhando um banquinho, até que se esgotou o número disponível, iam a um canto da longa janela alçapão, aberta para o momento, onde pegavam um prato de uma pilha ali colocada e uma colher e garfo, entravam na fila para serem servidos, à medida que passavam diante dos grandes caldeirões e panelas postados do lado de dentro da cozinha anexa, cada uma com um servente munido de longa concha ou colher. E os mais glutões já iam formando uma segunda fila. Foi então que um gaiato me chamou a atenção: “Ó novato, se você não quer ficar sem comer, entre na fila”. Não  havia outra coisa a fazer. Fiz como faziam os demais. A comida era farta, contudo, simples e mal preparada, incapaz de agradar a qualquer paladar um pouco mais exigente. Após o “suntuoso banquete” e umas inspeções a mais no “requintado” ambiente, recolhi-me ao improvisado leito… e dormi até a manhã seguinte! Não tive pesadelos, mas bons sonhos dificilmente haveria sonhado!

Quando me levantei, já o horário do café se havia passado. Era tempo de prover-me dos apetrechos necessários e instalar-me definitivamente no quarto determinado… e começar a estudar! O curso constava, de início, de duas séries propedêuticas, matérias gerais, como português, inglês, francês, latim, grego e hebraico, geografia e história, álgebra, geometria plana e esférica, trigonometria, psicologia, sociologia, economia política, antropologia, sei lá mais o quê, e três anos pré-acadêmicos, disciplinas mais avançadas, tais como filosofia geral, epistemologia, metafísica, história da filosofia literatura geral e portuguesa, latina e grega, clássica, patrística e escolástica, em nível tido como elevado. Mas, ao depois, para atender a alunos que não haviam cursado a oitava série, foi criada mais uma, que se veio a chamar de ano zero (mais tarde, uma outra foi adicionada, chamada, é claro, zero-zero), com disciplinas próprias. Como havia feito a sétima série em Castro, fui, naturalmente, matriculado no ano zero. Adquiri os livros e material exigidos, informei-me das lições já ministradas e das próximas, e reiniciei a longa marcha que me absorveria cinco nos no Conceição daquelas eras priscas…

Os professores do ano zero eram, na maioria, alunos adiantados, das últimas séries, com experi6encia previa de ensino ou os mais brilhantes da turma. Assim é que o professor de português era Abimael de Campos Vieira, de Sorocaba, que veio a ser grande pastor e professor, Fernando Buonaducce, baixinho, jovial, comunicativo, professor de geografia, que ensinava com muita arte e maestria, conduzindo-nos em viagens imaginárias pelo mundo todo, após sua formatura substituído pelo poeta e desenhista Alfredo Thone Stein, de Rio Claro, não menos capaz e habilidoso, Eudaldo Silva Lima, um baiano de grande inteligência, orador notável, ensinava o temido latim. Encontrou-se comigo e advertiu-me a que tratasse de estudar, que eu já estava atrasado uma semana e não iria acompanhar a classe. E disse que exigiria a primeira declinação sabida no dia seguinte. Apanhei a vetusta mas prestante gramática de M’ Clintock, então usada, e estudei a matéria. A primeira aula, na manhã seguinte, era justamente de latim. Feita a chamada, o professor mandou-me ao quadro-negro e pediu-me declinar uma palavra. Fi-lo sem problema e ele não se deu por achado, mas um dos colegas, de grande olhos negros como jabuticaba, tez morena, bigode à chinesa, o paulistano Aretino Pereira de Matos, foi logo sentenciado: “Esse já estudou latim!” Era a minha estréia no Conceição e foi, na verdade, bastante auspiciosa, porque o professor dava nota pela chamada à lousa e, evidentemente, obtive nota cem!

Absorvi-me nos estudos, ricos e fascinantes, sedento por mais saber e curioso por ver até onde ia minha capacidade de apreender, buscando atingir o máximo. Nem me apercebia das precárias condições materiais do colégio, de uma pobreza para franciscano nenhum botar defeito, de uma parcimônia mais do que espartana. De fato, os quartos acanhados e sem conforto algum, tinham piso atijolado, telhado de velhas telhas enegrecidas, sem forro, vidraça singela, venezianas comuns; instalações sanitárias apenas duas para mais de quarenta estudantes, a certa distância do quadrilátero de quartos. Verdade é que, no conjunto, havia uma construção melhor, com quartos assoalhados de tábuas de madeira de pinho, dotada de chuveiro e privada, onde se alojavam estudantes mais adiantados, que escolhiam primeiro as acomodações preferidas. Entretanto, essas instalações não eram usadas, porque o abastecimento de água provinha de um poço de capacidade limitada e funcionava à base de uma bomba cujo acionamento era coisa própria para condenados às galés ou a trabalhos forçados; o banho era no riacho do outro lado dos trilhos da estrada de ferro, felizmente, naquela época de rarefeita população, não poluído, por isso mesmo, agradável e seguro; não havia luz elétrica, a iluminação sendo em função de lampiões de querosene; não existia um funcionário sequer, tudo sendo feito por nós mesmos. Até os cozinheiros eram alunos, que, para ganhar ou poupar algum dinheiro, se improvisavam nesse posto, com resultados muito discutíveis: se um ou outro revelava certo dom culinário, a maioria era negação nesse mister. E já se vê a qualidade da cozinha por que éramos servidos. Não poucos tiveram de desistir da função ante os protestos dos comensais insatisfeitos.

Cada estudante desempenhava alguma tarefa. Eu fui rachador de lenha para o fogão da cozinha, distribuidor de querosene de quarto em quarto, vendedor na livraria do colégio, professor de latim no final do curso. Era uma vida realmente dura e aprimitivada, que, porém, testava a fibra do estudante. Hedonista ou sibarita nenhum agüentava a situação, mas os fortes superavam as dificuldades  com galhardia e persistência. Formávamos uma comunidade semi-monacal, dirigida por uma Diretoria composta de representantes das séries, com um presidente e um secretário-tesoureiro, eleitos pela Assembléia dos estudantes. Exerci este último cargo nos últimos dois anos de estudo. Vivíamos em regime de plena liberdade e responsabilidade, o que punha à mostra o caráter, a disciplina, a maturidade do indivíduo. E não eram poucos os que não faziam jus à excelência exigida, acabando por deixarem a instituição de motu proprio ou despedidos. Certa vez, o Diretor chamou a seu escritório uma jovem interiorana, de Camanducaia, Sul de Minas, que andava  tendo uns achaques, sofrendo convulsões, queria fazê-la voltar para casa para tratamento. A mocinha reagiu firme argumentando que iriam pensar que ela procedera mal e acabara expulsa, que se submeteria a sério tratamento, mas de modo algum deixaria a escola! O Diretor insistia em contrário e eu, que ouvia toda a discussão  do meu posto na livraria, adjacente ao escritório, estava condoído da colega e orando a Deus que fosse atendida em seu dramático apelo. Ela não cedeu e continuo no Conceição, para alegria de todos nós.

Havia um  reduzido número de moças estudantes. Alojavam-se  em uma das mansões que eu avistara da estação ferroviária, quando de minha chegada. Era uma casa confortável, como todas as instalações convenientes, em lugar arborizado com plantas frutíferas e ornamentais, belo jardim, em vivo contraste com nosso reduto masculino. Eram dirigidas por uma professora residente e nós, rapazes, não tínhamos permissão de ir à mansão, a não ser como placet dessa severa mentora. Todavia, um de nós era escalado para prestar serviço às moças, especialmente levar-lhes víveres e objetos adquiridos de nosso “armazém”. Era um cargo disputado, pois, além de facultar mais direto contato com as moças, sempre rendia uns mimos, doces, biscoitos, fatias de bolo, chocolates, um cafezinho aromático feito na hora! Menção especial nessa função merece o Eugênio Cleto da Silva, de Sengés, Paraná, excelente servidor, que gostava de cantar hinos enquanto executava seu mister… sempre uma nota só, um Paganini às avessas, que mais tarde, integraria as Forças Expedicionárias Brasileiras nos campos da Itália. O namoro não era proibido, mas, nesses primeiros tempos, de gente mais amadurecida, era discreto e raro, realmente coisa séria. No correr dos anos, cresceu o número de moças e algumas eram frívolas, coquetes, assanhadas, criando problemas para a Direção da escola. Lembro-me de uma dessas, uma jovem do interior de Goiás, não uma beleza notável, contudo, para um ambiente de muitos rapazes e poucas moças, bastante disputada, não poucos pretendentes a requestá-la ao mesmo tempo, ao que ela, soberana, correspondia, namoriscando cada semana uma vítima diferente, que ela podia escolher a seu grado. Participação em trabalhos de igreja e idas a São Paulo eram facultadas a todos, mas as moças não podiam viajar sós, nem na companhia de namorado, o que não impedia que, contrariando as leis da Escola, encontros se dessem, naturalmente com todas as precauções para não virem a ser punidas, caso se fizesse conhecido o fato. Voltava eu de São Paulo, certo anoitecer, e na estação encontrei a famosa avassaladora de corações, que me pediu fazer-lhe companhia para que não viajasse sozinha. Não podia rejeitar o pedido. No dia seguinte, a todos os ventos se propalava o boato de que eu estava namorando a fútil borboleta. Só então vim a saber que um baianinho, apaixonado pela caprichosa garota, fora esperá-la em uma das estações intermédias, na intenção de com ela voltar idilicamente, mas ao ver-me assentado ao lado dela, concluiu que algo havia entre nós, viajou em outro vagão e, despeitado, ”pôs a boca no mundo”. Verificada a fonte do boato, procurei-o imediatamente, expliquei-lhe o que se havia passado, disse-lhe que não tinha nenhum interesse pela sua amada e que fosse um pouco mais prudente, pois que não ficavam bem a uma pessoa séria o disseminar ou espalhar coisas inverídicas. Não lhe adiantou muito. Foi mais uma vítima daquela “femme fatale”.

Nunca fui namorador. Gostava das garotas, mas preferia simples amizade, que não mexia com as emoções e não envolvia comprometimentos. Desde que me converti, achava que namoro só se justificaria, quando visasse ao casamento, e que ninguém tem o direito de abusar dos sentimentos alheios, em fúteis aventuras, irresponsáveis, passageiras, levianas. Além disso, a concentração nos estudos não daria espaço para namoricos que a nada levassem. Seria perda de precioso tempo e prejuízo ao preparo intelectual tão importante. Quando chegasse o momento, Deus proveria aquela a quem entregar o coração. Todavia, nem sempre a cabeça prevalece… e comecei a gostar de uma colega, uma campo-grandense de atitudes sérias, olhar tristonho, mais amadurecida. O Diretor, porém,

agora o mesmo Jessé Wyant que exercera essa função no Instituto, em Castro, pessoa que parecia estimar-me bastante, chamou-me e aconselhou-me a desistir desse namoro, que a moça não reunia qualificações para esposa de pastor. Não sabia bem a quê se referia, mas, dada a certeza de que procurava o melhor para mim, acatei-lhe o parecer. Só no final do curso iria arriscar-me a outra tentativa, que fracassou também, desta vez, entretanto, porque um rival se interpôs, estragando meus sonhos românticos.

Como em toda comunidade, se um são passivos, acomodados, curvando-se ao status quo, outros há ativos, revolucionários, que aspiram a mudar as coisas. Era geral o sentimento de que teríamos de melhorar instalações e prover a escola de recursos mais à altura de sua importância. Desde logo avultava a idéia de construir-se um refeitório condigno. Mais do que ninguém  era entusiasta dessa iniciativa o colega de classe Josué Spina França, de Jaú, Estado de São Paulo, dinâmico empreendedor, líder, e o plano veio logo a ser executado: todos daríamos horas de trabalho na terraplanagem e assistência aos pedreiros, segundo a necessidade, e não se passou muito tempo estava concluído o sonhado refeitório, amplo, espaçoso, bem acabado, com mobiliário completo e decoração vistosa. E outras melhorias se processavam, ano após ano. O Conceição gozava de simpatia de muitas igrejas da Capital Paulista e de pessoas de recursos e de influência, que davam grande ajuda à instituição, e a nós, os estudantes, desde gêneros alimentícios até roupas e calçados, verbas em dinheiro, artigos pessoais, objetos vários. Dona Elisa Cerqueira Leite, uma senhora da Igreja Presbiteriana Independente, possuía uma pensão na Rua, hoje Avenida da Liberdade e, por certo tempo, ofereceu, graciosamente, hospedagem alternada em fins de semana a dois manuelinos (designativo de nós preferido), a escolha tendo recaído no Ruy Anacleto, colega do sul de Minas, e em mim. Foi uma boa oportunidade de conhecer melhor a Paulicéia e “tomar um banho de civilização”, se bem que a profusão de percevejos insaciáveis nos não deixasse dormir tranqüilos…

O corpo discente era muito heterogêneo, seja no tocante à origem, idade, procedência, classe social, experiência religiosa, seja na própria estratificação cultural no ambiente, distribuído por sete séries, gradativas, o que, forçosamente, engendraria sensível diferença de mentalidade entre grupos mais e menos adiantados. Natural era, pois, que se formassem blocos, marcados por maior afinidade, unidos por laços de amizade mais sólida. Tinha eu grandes amigos, alguns dos quais nunca mais vim a encontrar, de quem, entretanto, guardo grata lembrança e nutro saudade. Outros vieram a ser colegas no Seminário em Campinas e dois deles também no Seminário de Princeton, nos Estados Unidos: Wilson Castro Ferreira e Óthon Guanaes Dourado, ambos, posteriormente, professor em nossos Seminários, aquele em Campinas, este no Recife.

Alguns nos apelidávamos com títulos para nós graciosos e significativos, estranhos para os de fora. Assim é que o Wilson Castro Ferreira era o “sulço”, do fato de que, durante a sua presidência na Administração, a chamada Cooperativa, era freqüente vir acordá-lo muito cedo o encarregado do café matinal, Octávio Ferreira, de Campo Limpo, perto de Jundiaí, São Paulo, com o infalível anúncio de que o leite havia talhado, por ele, um tanto gago, reduzido a “Sô Ilço, o leitaiô”; o Jorge do Amaral Pinto era o “Su Pino”, alusão ao verbete latino; o Sebastião Tillmann era o “Su Tião”, com uma ponta de malícia, para apoquentar o colega avesso a chistes menos puritanos; eu era o “Su Varni”, velada forma do Jorge alfinetar-me por causa de um incidente, que, de brincadeira, assumiu proporções mais sérias. Um dos rapazes resolveu criar coelhos, um vez que era fácil alimentá-los sem despesa e dariam boa carne e pele vendável. Havia aparecido por lá um cão vagabundo que foi logo adotado pelos estudantes. Uma bela noite, porém, o malvado do cachorro arrombou a gaiola do casal de coelhos e os comeu. O dono ficou irritadíssimo e ameaçou matar o criminoso. Como havia  resistência à sua vingança, resolveu-se instalar um tribunal, que ouviria as partes e daria sentença. Foi um longo e apaixonado debate, ao fim do qual o réu foi sentenciado à morte. Eu fui o advogado de acusação e, portanto, havido como dos principais responsáveis pelo desfecho do caso. O executor seria o Paulo Alvarenga, um ótimo colega e pessoa muita séria, franzininho, doentio. Obteve a dose supostamente letal no laboratório do colégio e a aplicou, mas o cachorro Não morreu tendo porém ficado muito mal. Os defensores do condenado alvoroçaram-se e prometeram vingar-se de nós, do Paulo, carrasco fracassado do dono dos coelhos, cujo prejuízo não pensaram em ressarcir, e de mim, que advoguei a causa do qüerelante. Postaram-se dois à frente do quarto do Paulo, impedindo-o de sair e não permitindo que ninguém entrasse, nem mesmo com ele falasse. Achei isso um absurdo e resolvi interferir. Acheguei-me aos plantonistas e argumentei que era admirável o amor que revelavam pelo cão, mas era paradoxal que faltassem com amor para com um colega, valorizando muito mais um animal desprezível do que uma pessoa digna. Mais, se eles condenavam como violência um ato baseado em formal decisão de autoridades constituídas, como estavam usando de violência por pura decisão própria? Era, a meu ver, uma grosseira incoerência, uma clamorosa hipocrisia. Ficaram meio aturdidos e eu lhes disse que não somente iria ver o Paulo, mas retirá-lo dali, porque ninguém lhe podia tolher a liberdade. Entrei, conversamos e saímos. Lá estavam os dois ainda e eu os aconselhei a deixar o Paulo em paz e irem tratar do cachorro para salvar-lhe a vida, se pudessem. O miserável sobreviveu. As coisas se acalmaram, mas o ressentimento ficou, as relações afetadas por muito tempo. E o pilantra do Jorge achou de dar-me um apelido glosando o nome do cachorro: SOUVENIR, convertido em SUVARNI. Cachorrada dele!

 Em vívido contraste com a pobreza das instalações do Conceição, o ensino ministrado era de alta qualidade. Não só a grade curricular foi elaborada à base das melhores instituições americanas, como também o corpo docente contava com notáveis elementos, inclusive do magistério do Mackenzie e da Universidade de São Paulo (USP).

Destes, lembro-me particularmente de Theodoro Henrique Maurer Júnior, professor de português, de latim, de grego e de hebraico, assim como de literatura correspondente, mestre de grande saber; Vicente Themudo Lessa, ilustre historiador pernambucano, professor de latim eclesiástico, alma toda doçura, camarada demais nos exames; Joel Jorge de Mello, jovem engenheiro, um professor de geometria e trigonometria completo, que ensinava com especial postura, pena que a alunos desinteressados nessas disciplinas. Dos missionários, destacaram-se o Dr. William Aldred Waddell, em álgebra e geometria, e o Dr. Charles Roy Harper, em grego e hebraico, bem como sua esposa, Dona Evelyn, maestrina consumada, que fez do coral manuelino um elenco afamado, com apreciadas apresentações no rádio da época. Prata da casa, vieram a ser respeitados mestres o Rev. João Euclydes Pereira, um mineiro aristocrata, um tanto reservado, sempre muito bem vestido, que lecionava na área filosófica, e o baiano Dario de Oliveira Bastos, alma boa, mas longe de comunicativo, seco quieto, fechado, que ministrava biologia, latim, geometria. Falava com extrema vagareza, palavra-pausa-palavra, tido como professor duro e frio, sem emoções e sentimentos mais humanos. No segundo ano de latim, a leitura era o DE BELLO GALLICO, de César, texto por vezes não muito fácil. Os alunos nem sempre vinham à classe preparados. Ele Chamava alguém. Se o pobre coitado engasgasse ou empacasse, ele, na sua pachorra característica, ficava simplesmente aguardando que a vítima estrebuchasse, esperneasse, suasse, sem dizer palavra. Decorrido tempo, perguntava: “Quem ajuda?” e, se ninguém o fizesse, passaria adiante, repetindo a dose… Ele, porém, não daria a tradução. Era um pesadelo!

Com o professor Dario tive uma experiência nada agradável. Lecionava geometria plana e a turma, dominada pela noção de que matemática era matéria irrelevante par o ministério, não a levava a sério, não estudava. Eu, porém, que gostava de cumprir com todas as obrigações e, além do mais, tinha predileção pelas disciplinas dessa área, não somente preparava as lições com apuro, como ainda fiz, com perfeição, os seis exercícios por ele marcados. Os outros fizeram apenas dois, e isso mesmo com ajuda. Minha, como ele estava cansado de saber. No dia do exame, eu tinha outra prova na mesma hora, de sorte teria de prestá-lo em outra ocasião. Terminada a primeira prova, procurei-o para fazer a de geometria. Deu-ma ele, mas deixou de explicar-me o sentido que dava a certo termo, que eu entendi de modo diferente. A demonstração que fiz não correspondia exatamente ao que ele pedia. Deu-a como totalmente errada. Argumentei que, na acepção em que tomei o termo, a demonstração estava perfeitamente correta e que aceitasse em lugar da outra; que, se ele insistia nessa forma de demonstrar, estaria pronto a fazê-lo; que me desse outra prova; que ele não ignorava que eu conhecia a matéria. Tudo em vão. O homem era teimoso e obstinado como um jegue (jumento, no linguajar nordestino). Atribuíu-me nota 55, a mais baixa de toda minha carreira estudantil. Apenas um de nós obteve 65. Resolveu ele, para que todos passassem, dar 20 pontos de lambuja a cada um. Isto me levaria para 75, que, somada a média de trabalho, 100, proporcionar-me ia média final 87,50. Não era o que eu desejaria, ma o jeito era aceitá-la. À vista, entretanto, do fato de que os outros não fizeram os trabalhos todos, o que implicaria em dar-lhes média extremamente baixa, insuficiente para aprovação, cancelava a exigência, anulando essa nota, o que me prejudicava sensivelmente. Insisti em que eu nada tinha com a nota dos outros, mas se eu havia obtido, legitimamente, uma boa nota, de que eu não queria abrir mão, era injustiça dela privar-me. Fi-lo ver que dar a um aluno, muito menos qualificado, que não cumpria com as exigências que eu cumpria, nota superior à  minha, quando todos reconheciam o meu mérito, era um critério absurdo que depunha muito contra a pessoa do professor. Não cedeu um milímetro. Disse-lhe, pois, que, não conformado com a situação, apelaria para um recurso que me era facultado. Solicitaria cancelamento na disciplina e repeti-la-ia no ano seguinte. E mais, garantia que teria média não inferior a 90! O Diretor interveio, pedindo-me que aceitasse a nota contestada, que a minha média conjunta era excelente, que seria difícil arranjar horário… Comprometi-me, uma vez que eu ajudava no escritório, a fazer, graciosamente, o horário. Assim aconteceu, repeti a matéria, várias vezes o professor teve de dar aulas só a mim, que não faltava a aula nenhuma, e, apesar da rígida “marcação” sofrida, garanti média 92. Talvez eu fosse ainda mais jegue do que o prezado mestre!

O Conceição tinha uma pequena biblioteca, instalada em minúsculo prédio, na parte leste da pracinha central do quadrilátero. Havia bons livros, poucos, porém. Entretanto, para cursos, compêndios, nacionais e estrangeiros, eram adquiridos facilmente e o preço não era elevado, de sorte que para o estrito estudo das disciplinas regulares, dispúnhamos de todo o material necessário. E a escola gozava de bom nome no âmbito evangélico e mesmo fora de nossas igrejas. E melhorava cada vez mais. Se quando ai cheguei, 1935, ainda fazia jus ao termo depreciativo de alguns latinista virulentos, ´Thebaída”, já não era assim quando o deixei no final de 1939. Pelo Conceição passaram  muitos rapazes e moças que vieram a servir à Causa do Evangelho com extraordinário destaque, contribuindo de modo incalculável para o progresso da Igreja Evangélica do Brasil e mesmo para o bem desta Pátria de todos estimada. Pena é que, com a proliferação de escolas públicas , eficientes e gratuítas, em que os futuros seminaristas podiam estudar sem ônus financeiro e sem constrangimento de consciência, livres das pressões dos educandários católicos, muitos dos quais, em meu tempo, nem aceitavam alunos protestantes, rareou o número de estudantes e o glorioso Conceição teve de encerrar sua breve carreira. Mas, graças a Deus, pelo que realizou, bênção, grande bênção, para nós que tivemos o privilégio de cursá-lo, inda que, não raro, com lutas e sacrifícios!

Entrei para o Conceição com 18 anos incompletos, todavia bastante amadurecido e disposto a enfrentar  os estudos com força total e aproveitar o máximo o ensino ministrado. E acho que o consegui. Toda a matéria a mim me parecia importante, mas, desde o início, a preferência me foi pelas línguas clássicas, latim e grego, e pelo hebraico, de onde dizer jocosamente que foi amor à primeira vista, disciplinas a que viria consagrar a vida na docência, com satisfação cada vez maior e proveito desmedido. Após o primeiro mês de aulas, o Diretor chamou-me e disse que eu iria ser promovido ao primeiro ano, cursando no zero apenas latim. Fiquei apavorado! A série, mormente após decorridas já umas quatro semanas de curso, seria muito mais pesada e eu tinha dúvidas de que eu pudesse acompanhar os estudos com a desejada costumeira eficiência. Além disso, deixaria uma turma realmente amiga para ingressar em outra, em que dificilmente gozaria da mesma acolhida. Disse ao Dr. Waddell que preferia continuar na mesma série, sem a anunciada promoção, mas ele não anuíu e, aconselhado até por professores a acatar-lhe a decisão, porque ele sabia o que fazia, não tive saída, senão passar para o primeiro ano, repetindo a experiência de Castro. Orei fervorosamente que Deus me ajudasse a vencer mais essa parada e não encontrei grande dificuldade. A paixão eram os livros…  e um pouquinho de futebol, dentro do estrito horário estabelecido. Obtinha excelentes notas, por duas vezes conseguindo a façanha de tirar 100 em todas as disciplinas semestrais, coisa até então de ninguém conseguida, e não creio que haja acontecido depois. Não é que eu fosse necessariamente mais inteligente do que os demais, sem dúvida, contudo, ninguém estudava mais do que eu. Isso, se, de um lado, me granjeava admiradores, de outro, despertava certos despeitos e ressentimentos, infelizmente. E jamais me arrependi de ser um aluno profundamente estudioso: os frutos foram os melhores imagináveis.

Quando cursava o quarto ano, fui convocado para ensinar latim aos alunos principiantes, substituindo ao titular, Lázaro Manuel de Camargo, que preferira afastar-se da docência, formando que era. Assumi a classe com disposição , suficientemente preparado para ajudar aos colegas nesse primeiro contato com a língua latina. Bom número de alunos, alguns de muito boa qualidade. Destacava-se um especialmente: Aristeu de Oliveira Pires, Sobrinho de Eudaldo da Silva Lima que tinha sido meu professor da matéria nessa série. Era o Aristeu, um baiano extremamente inteligente, por isso mesmo não demasiado estudioso, perdendo, por vezes, a primeira aula matinal, ainda a desfrutar de um bom sono. Traduzia sem erro …mas, ao responder às questões teóricas de gramática, nem sempre havia estudado. Caiu do primeiro para o quarto lugar! Colecionei uma antologia de traduções  abstrusas de elementos da classe, alguns de fazer rir  por sua absoluta improcedência, antologia que, nas muitas mudanças de campo, acabei por perder. Isso, naturalmente, não se dava apenas em minhas aulas. Assim é que o Emílio Carvalho de Avellar, tudo menos latinista, traduziu o verso vergiliano pinquesque in gramine laeto por “o leite pingava na grama”, enganado pelas aparências, em vez de “e ubertosos no ledo vergel”, e muitos outros que tal, um havendo que deu ao famoso início da ENEIDA, arma virumque cano (canto as armas e o varão) a hilariante tradução: “a arma virou o cano”. Outro, original nessa área, foi o Josué Spina França, vivo, inteligente, não muito estudioso, porém, que, em um exame em que o professor Maurer assinalou uma porção nova de discurso de Cícero, facultando, entretanto, o uso do dicionário, ao não atinar bem com o sentido , já que a palavra pecunia ocorria várias vezes, engendrou uma bela alocução em que o autor buscava cobrar uma dívida de alguém em atraso… coisa que nada tinha a ver com o texto ciceroniano. O próprio professor achou fecunda a imaginação do ilustre colega, contudo, totalmente descabida a engenhosa tradução.

Talvez nenhuma obra literária mais que haja empolgado que a Eneida, de Virgílio (ou, melhor, Vergílio). A cadência dos versos, a riqueza do vocabulário, a luz cantante das frases, a soberba eloqüência do estilo borbulhante, a arrebatada expressão dos temas, a própria colocação dos termos em posições tão variadas, exercem sobre mim fascínio irresistível e muito influíram em meu próprio escrever, o que em muito desgostava o professor Maurer , quanto lhe fazia redações exigidas nas aulas de português. Era comum apresentar-lhe um trabalho escrito, que, após ler e não achar nenhum erro de linguagem, me devolvia para que o expurgasse da redundante adjetivação e dos advérbios inúteis que eu empregara. Queria, a viva força, desbastar meu estilo empolado, bombástico, redundante, pomposo, afetado, tipicamente gongórico, a seu ver. Eu o fazia, pesaroso, dizendo-lhe, após a revisão exigida, que o trabalho me parecia uma árvore despojada da folhagem viridente, apenas galhos e ramos desnudos, sem graça. O resultado é que Rui Barbosa, Alfredo Rangel, Euclides da Cunha, me eram autores proibidos, para tristeza minha.

Escola que visava ao preparo de pregadores, a retórica, a oratória, era tida em alta estima e os bons oradores eram objeto de profunda admiração de todo manuelino que se prezava. Era esse o período de extraordinário fulgor de nosso maior pregador da época, o Rev. Miguel Rizzo Júnior, e no Conceição grassava verdadeira “rizzolatria”. Quase todo Domingo à tarde numerosa caravana seguia para São Paulo para ouvi-lo na Igreja Unida, da rua Helvétia, em que era pastor. Para isso, o mais das vezes ficávamos sem jantar, ou comíamos algum naco de pão com banana, antes do culto. Findo o sermão, saíamos às pressas para apanhar o trem, que partia às 9,30 da noite. No dia seguinte, o assunto nas rodinhas de estudantes era o sermão, sua arte, sua beleza, seu conteúdo. E a figura vistosa, bonita, do Rev. Rizzo, vestido elegantemente, um diamante a tremeluzir na gravata, voz modulada, com momentos de arrebatadora eloqüência, gesticulação esmerada, mesmerizava o boquiaberto admirador. Destes dois se destacavam: o Josué Spina França, que o imitava abertamente, e nisso se gloriava, acabando por Ter o apelido de “Rizzinho”, para ele sublime elogio; o outro, o Francisco Pereira Júnior, um daqueles três que estavam na estação quando de minha chegada a Jandira, como Josué, orador de notórias qualidades, que, certa vez, juntamente com ele e outro colega, comentava, arrebatado, o sermão do Rev. Rizzo, postado no estreito pontilhão sobre o riacho. Em dado momento, num rasgo de eloqüência fulminante, deu com as costas no já apodrecido varal de proteção da cancela que cedeu, e foi esfriar o calor da retórica nas barrentas águas lá em baixo.

O cultivo literário era também objeto de ênfase. Para isso, existia o Grêmio Castro Alves, com aprimoradas tertúlias mensais, discursos, declamações , debates, música. Em determinada ocasião, uma colega foi declamar, embatucou, tentou de novo e não conseguiu lembrar o texto no seu todo, gaguejou, perdeu-se na seqüência, e foi sentar-se arrasada. Como secretário, registrei em ata que ela. “declamaria” a poesia tal. Quando se discutia a ata para aprovação, essa inflexão verbal suscitou acesso debate. Uns sustentaram que era ofensivo à declamadora, outros que, para não melindrá-la, melhor seria anular o registro, o que a essa altura era impraticável, outros que se registrasse que ela declamou, ao que redarguia não corresponder à verdade dos fatos… Depois de muito contender, optou-se pela sibilina expressão: “apresentou a poesia … que declamaria”. E tudo era levado muito a sério.

Quando no primeiro ano, nossa turma resolveu fundar uma associação própria, o GRÊMIO AMOR À ARTE, com reuniões semanais, destinadas ao desenvolvimento de nossa arte oratória. Um de nós faria um discurso ou sermão e todos dariam sua opinião e observações, em seguida, como em família, em um esforço de ajudarmo-nos uns aos outros. Eu, particularmente, gostei da idéia porque, tendo quase nenhuma experiência de falar em público, certamente que muito iria aprender. O presidente do Castro Alves, o Eudaldo da Silva Lima, entretanto, achou que isso era diminuir a importância do grêmio a que presidia e, com os demais membros da Diretoria, exigiu que encerrássemos as atividades. Tivemos de fazê-lo para não criarmos caso. Desse modo, ficamos com o Amor, mas perdemos a Arte.

Os manuelinos da velha guarda, os pioneiros, dos primeiros tempos, eram rapazes de mais idade, amadurecidos, cujo senso de vocação não padecia dúvida, por isso mesmo sérios nos propósitos, conduta acima da crítica, zelosos da vida devocional, de sorte que o ambiente religioso de primeira qualidade.

À medida que os anos se passavam, maior número de estudantes afluía ao Conceição, não poucos muito jovens, imaturos, nem sabendo o que queriam da vida, alguns até “degredados” para lá pela família, que não agüentava mais e esperava tê-los “consertados” no celebrado educandário. Nos meus tempos, a situação religiosa era razoável, cultos devocionais nos dias de aula, em que se ouviam grandes pregadores, reuniões de oração, hora tranqüila de meditação, respeito e seriedade no trato e na linguagem, pureza de vida e alto senso de responsabilidade moral, com ligeiras infrações de certos caracteres fracos. O Conceição era, de fato, uma forja de homens de Deus.

De par com Castro Alves havia Miguel Torres, grêmio religioso, que oferecia programas dessa natureza, superintendia as atividades espirituais do corpo  discente e acompanhava o trabalho evangélico nas redondezas. Aos domingos, espalhávamo-nos pelas estações próximas e pela vizinhança, visitando, pregando, distribuindo folhetos, proclamando a verdade de Cristo, treinando para o futuro. Minha paróquia foi, por bom tempo, um sítio em Amador Bueno; outras vezes fazia parte de grupos de colegas em diferentes lugares. Um ponto preferido era Itaqui, a uns dois a três quilômetros, a que se ia a pé, onde havia uma congregação metodista, de gente muito simples e que cantava os hinos em uma toada especial, bem alheia à música da Igreja. Um Domingo, expunha a lição da Escola Dominical o Adão Ribeiro da Silva, que, por várias vezes se referiu à “pinotisa” de Endor e eu, para não desautorar o colega em público, achei melhor não corrigi-lo. Afinal, os bons irmãos de Itaqui também não iriam saber o que era “pitonisa”. Outro ponto a que iamos constantemente era Osasco, onde o Silas Dias, que dava assistência a uma igreja, requeria nosso concurso. Barueri era, então, uma cidadezinha sem vida, atrasada, a cuja agência postal era encaminhada a correspondência do Conceição, a quatro quilômetros de Jandira, pelo que muitas vezes se ia até lá a pé ( o que havia custado a vida a um estudante que ficara entre dois trens em movimento e acabara atingido por um deles). Alugamos um pequeno salão e, aos domingos especialmente, mas também em outros dias, fazíamos pregação, com assistência , muito reduzida. O mais ativo e diligente evangelizador era o Jorge do Amaral Pinto. Responsável pelo trabalho de Barueri, ao prazo de meses nenhum resultado vendo dos esforços feitos, foi de parecer que se fechasse o ponto, encerrando as atividades. A mim não me parecia razoável, mas prevaleceu a opinião contrária. Anos depois, em viagem por Goiás procuro-o um moço, que o reconheceu, e disse que, uma noite, quando fazia o serviço militar em Tamboré, junto de Barueri, passando pela mal iluminada rua, parou do lado de fora e ouviu a sua pregação. Resolveu comprar uma Bíblia, leu-a, converteu-se e agora não somente ele, mas também toda a sua numerosa família, eram crentes! Não poucos tinham atividades em igrejas da Capital.

Convertido no Instituto Cristão, em Castro, desejaria fazer minha profissão de fé na igreja daquela cidade. Não o fiz no final de 1934, esperando fazê-lo no ano seguinte. Tendo, porém, de vir para o Conceição, somente em ocasião especial poderia realizar esse intento. As férias de junho passava-as no próprio colégio, já que eram apenas quinze dias e a viagem era longa e dispendiosa. Ficávamos vários colegas e sempre tínhamos algum trabalho que nos rendia uns trocados, comumente carregar aos ombros latas de areia tirada do riacho, a 400 réis por hora! Verdade é que em três dessas férias fizemos longa excursão até o pico do Jaraguá, descendo do trem em Caieiras e fazendo o restante do percurso a pé. Uma vez, entretanto, partimos de Osasco. Ficávamos três ou quatro dias no pico e retornávamos felizes, deslumbrados especialmente pelo cenário que se descortinava do alto. Agasalhávamo-nos bem contra o frio, províamo-nos de suficientes provisões, fáceis de preparar. O problema era água, que tinha de ser apanhada em fonte no sopé do morro, a longa distância e a exigir dura ascensão de volta. A escalada não era difícil, mas requeria habilidade e cuidado, o que não impediu que o João Bernardes da Silva, que tinha uma perna de borracha, a fizesse à noite!. Nas férias de junho de 1938, fomos para Jacutinga, Sul de Minas, para trabalhos com a Igreja Independente local. Éramos um grupo animado e foi boa experiência, seja pelas atividades realizadas, seja pelo carinho com que fomos tratados, particularmente por certas senhoras, que se divertiam conosco, insistindo em que lhes namorássemos as filhas. E um caso, pelo menos, deu certo. O baiano Óthon Guanaes Dourado tomou-se de amores por uma garotinha mimosa, a Raquel de seus sonhos, não a esqueceu e com ela veio a casar-se, muitos anos depois.

As férias de fim de ano, esperadas com sofreguidão, eram a ocasião feliz de voltar ao seio da família e passar umas semanas reconfortantes no aconchego do lar. Não dava para parar em Castro e, assim, fui protelando a profissão de fé. Passei quatro anos no Conceição sem ser professo, uma aberração surpreendente! Também, eu estava um tanto confuso, não sabendo bem qual a diferença entre as várias denominações protestantes, no Conceição estudando presbiterianos, independentes, metodistas, congregacionais, batistas, episcopais! Para mim, tudo era a mesma coisa, e não via critério seguro para optar por uma em detrimento das outras. Pus-me, portanto, a orar, pedindo a Deus que me iluminasse quanto à escolha a fazer, decidindo que aquela que primeiro se interessasse pelo meu trabalho seria a de preferir. No meu penúltimo ano, o Diretor, Jessé Wyant, chamou-me e perguntou se eu não gostaria de trabalhar em campo missionário da Central Brazil Mission, organização da Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos, que operava em consonância com a Igreja Presbiteriana do Brasil, a que dera origem. Era a esperada resposta. Aceitei e tratei de fazer a profissão de fé. Como não fosse viável voltar a Castro, fi-la na Igreja Presbiteriana Unida, da Rua Helvétia, em São Paulo, aos 7 de agosto de 1938, tendo sido batizado na ocasião pelo Rev. Miguel Rizzo Júnior. Professaram, também, nesse dia, dois outros colegas, Abimael Monteiro de Lima, que viria a ser um patriarca da Igreja em sua terra, a Bahia, e o mineiro Gérson de Azevedo Meyer, muito jovem, a quem chamávamos de CAÇULA, que se tornou burocrata de instituição ligada ao Conselho Mundial de Igrejas, acabando por ser despojado da Igreja Presbiteriana do Brasil e ingressar em um ramo dissidente. Mas não havia dúvidas: eu fui “predestinado” a ser presbiteriano!

Ao retornar a Santa Catarina ao final de meu primeiro ano de Conceição, já a família se havia transferido para Caçador, papai tendo resolvido vender  as propriedades de São Sebastião e estabelecer-se nesse centro progressista, onde os meninos poderiam estudar e encaminhar-se melhor na vida. Mamãe, especialmente, após a dura experiência da Revolução de 30, não se sentia segura no lugarejo, em que as amizades não eram sólidas e muitos dos próprios vizinhos não eram confiáveis. Queria mudar-se de um lugar de tantas recordações amargas, que não oferecia esperanças de futuro mais grato. Em 1932, durante a famosa Revolução Constitucionalista, eu garoto de quinze anos, lamentava não ser grande ainda para lutar por São Paulo. A família toda era anti-getulista, e com ampla razão. Formou-se, porém, um batalhão de voluntários, comandados pelo “capitão” Guilherme Ventura, famoso valentão da zona, que viria a morrer, anos mais tarde, no desencontro com outro reconhecido topetudo. De fato, cerca de cem caboclos se alistaram para ir combater os paulistas. Na noite anterior à partida para o embarque em Caçador apenas uns trinta se apresentaram e, na manhã seguinte, restavam somente quatorze! Os demais haviam desertado. Entre estes um tipo falante, loroteiro, apelidado de CANANÉIA, que trabalhou nas roças de papai e a quem outro caboclo, chistoso, chamava de CANELINHA, que, aproveitando as sombras da noite, pegou um cavalo velho do “potreiro” vizinho, apoderou-se de um quarto de carne e disparou para sua distante morada, em Caçadorzinho, léguas e léguas de São Sebastião.

Mas o “capitão” reuniu na praça os heróis que sobraram, reafirmaram seus propósitos beligerantes, esporearam os matungos e avançaram, voluntariosos, com empáfia e disposição. Entre esses, meu tio Benjamim, que, a esse tempo, juntamente com o sogro, o estafeta Lydio Valladão Flores, rompera ligações conosco. Vi-os partir, naturalmente desejando-lhes tudo menos saírem vitoriosos. Não entraram em luta, mas assolaram o sul paulista, saqueando fazendas e levando muita “muamba”, despojos de guerra. Demoraram, entretanto, meses para voltar e, nesse ínterim, a família do tio guerreiro, esposa e os filhos pequenos, pobres que eram, começaram a passar necessidade. Quando mamãe soube dessa triste situação, mandou chamar a concunhada, ouviu de suas necessidades e, imediatamente a supriu de tudo o que precisava, até que lhe voltasse o marido. Admirei o generoso espírito de minha nobre mãe e aprovei de coração a atitude assumida.

Não há dizer de como foram agradáveis essas férias! Mamãe estava feliz, sem tensões nem preocupações, os garotos simplesmente encantados com o ambiente mais urbano, eu mesmo contente, muito contente com os resultados do ano letivo, papai animado, com mil planos, muitos deles sonhos irrealizáveis. Montara loja em bom ponto, mas agora a competição era enorme e implacável e a caboclada já não lhe era freguesia cativa. Adquirira também, junto com tio Joãozinho, irmão caçula de mamãe, boa área nos limites da zona urbana, área que acabou ficando toda para papai, porque o tio Joãozinho não se deu bem em Caçador e retornou ao Campo da Roça, o velho sítio de vovô Chico Ruivo, nas cercanias de Curitibanos, vendendo a papai a parte dele no terreno adquirido em sociedade. Mas, em relação a papai, a alegria maior me era que ele acabara convertendo-se também, de forma bastante curiosa. De caminho às plantações distantes, o cavalo que montava tropeçou e caiu por sobre uma das pernas de papai, de que resultou extensa fratura. Com dificuldade, conseguiu montar de novo e retornar, tendo de permanecer acamado várias semanas. Para passar o tempo, começou a ler um hinário (SALMOS E HINOS) que eu adquirira em Castro e ele insistira que deixasse com ele quando parti para São Paulo. Foi lendo e impressionando-se com o que lia, Deus falando-lhe à alma pela letra das composições sacras, acabando por aceitar a mensagem assim transmitida e decidindo-se a professar a fé, o que faria, mais tarde, na Igreja Metodista, em Caçador, pois que sua conversão se dera ainda em São Sebastião.

Existira, por  anos, uma pequenina congregação presbiteriana em Caçador, dois de cujos vultos ainda me são lembrados: Trajano Rocha e Lourencinho Batista, velho músico, que, em outros tempos, nós, Nedival, Acácio e eu, víamos pelos bilhares, e idoso, alquebrado, lábio inferior caído, apelidamos de PERU VELHO. Dava assistência a esses crentes o missionário Wright, sediado em Herval, depois Joaçaba, hoje Herval do Oeste. Indo passar férias prolongadas nos Estados Unidos, pediu ao colega metodista, Daniel Betts, que residia em Porto União, que visitasse a congregação de tempos em tempos, especialmente para ministrar a Santa Ceia. Vieram, nesse período, do Rio Grande para Caçador várias famílias metodistas, que insistiram na fundação de trabalho dessa denominação, a que o Rev. Betts, apesar do convênio de que onde houvesse atividade organizada de uma para outra não iniciaria operações, acedeu, levando os presbiterianos para seu rebanho. Por isso, papai, embora quisesse ser presbiteriano como eu, teve de ficar metodista!

Mamãe não desistia de tentar demover-me do propósito de ser pastor protestante. Andava tramando meu casamento com a filha de uma prima, jovem muito prendada, além de muito rica. Eu, porém, o em que menos pensava era casamento e não tinha o mínimo interesse em riquezas materiais. Também não sentia qualquer pendor para com a prima, pois que não iria casar-me com uma jovem não crente, e ela, educada por freiras, era carola a valer! Nada, nada mesmo, iria afastar-me de meus estudos, embora  reconhecesse que, a seu modo, mamãe estava pensando no que lhe parecia ser o melhor para mim. E eu ia já sentindo, o que mais e mais se agravaria com o passar dos anos, que eu estava perdendo direto contato com a família, tornando-me um estranho, vivendo longe dos queridos e alheio a seus problemas, lutas e convivência. As reduzidas semanas de férias não bastavam para que eu me integrasse plenamente. Isso me doía muito, porque eu amava demais a papai e mamãe, gostaria de estar perto deles sempre, assim como dos irmão, Nedival e Acácio, companheiros de infância, os mais íntimos que tive, da Jandira, em suas limitações, a irmã única, do João, o garotinho, onze anos mais novo que eu, que só via de ano em ano. Perdia também a identificação com minha gente, o povo da minha terra, meus compatriotas, que sempre me emocionam ao lembrá-los. Não que eu seja bairrista, mas a verdade é que nunca trocaria minha “nacionalidade” catarinense por nenhuma outra. Por isso, gentileza de conterrâneos a quem solicitei a dádiva, a bandeira de meu Estado, há muito que a tenho comigo como símbolo e penhor de tudo que minha terra distante representa para mim.

Uma questão, de certo modo, me perturbava a consciência. Papai já havia gasto bom dinheiro com a minha educação e iria gastar ainda bem mais. Eu não queria ser privilegiado mais que meus irmãos, que, aliás, um dia poderiam alegar que papai gastou muito comigo, nada com eles. Verdade é que Nedival e Acácio não davam mostras de fazer carreira nos estudos e preferiram não cursar sequer o primário. O João, bem depois, estudou sempre com recursos próprios. Não menos incomodativo me era o fato de que não me parecia coerente estudar para o ministério protestante com dinheiro católico, se bem que papai agora já se dizia desejoso de seguir a minha “religião”. Propus, então, a  papai que vendesse o meu terreno em CACHOEIRA e se ressarcisse de todas as despesas já feitas e reservasse o restante para futuras. Pareceu-lhe bom o alvitre e assim se fez. Felizmente , a partir do terceiro ano do Conceição, eu já não mais precisei de verbas de casa.

As férias de 1937 foram-me particularmente laboriosas de início. É que deveria partir no dia 11 de novembro e o Ditador dos Pampas instaurou seu famigerado Estado Novo nesse dia. Não se podia viajar de qualquer ponto a outro sem um malsinado salvo-conduto. Até para ir de Jandira a São Paulo era requerido o papelucho. Seguir para Santa Catarina, só depois de conseguir documento apropriado. Extensas filas se formavam junto às delegacias da Capital para obter o indispensável passe autoritário. Fui à rua Florêncio de Abreu, junto com outros colegas, e aí entramos numa fila quilométrica. Depois de horas, finalmente fui atendido. Era um capitão da guarda-civil, roliço, meia-idade, cara de quem estava enfastiado. Após uma perguntas, pediu-me o salvo-conduto que eu tinha tirado em Barueri, deu uma rápida olhadela e sentenciou: “Este serve para sua viagem”. Quis insistir em que aquele era específico entre Jandira e São Paulo, mas o “paxá” nem me deu ouvidos e foi logo chamando outra vítima. Fui, pois, à estação ferroviária para comprar passagem e o bilheteiro disse-me que eu corria risco de ser barrado no caminho. Resolvi tentar outro posto policial. Foi na Rua Güianases. Longa espera, enorme fila. Quando cheguei ao oficial topetudo, examinou o documento que eu tinha, trovejou que eu precisava de outro, fez-me longo interrogatório, acabando por exigir um atestado do colégio e a assinatura ou presença de alguém que me afiançasse! E agora, como conseguir esse ‘fiador”? Disposto já a permanecer no Conceição, fui, à noite, à formatura da turma de 1937, na hoje demolida igreja da rua 24 de Maio. Comentando o fato, um sargento crente prometeu-me levar, na manhã seguinte, a outro local, sede de batalhão, na Avenida Tiradentes. Seria a terceira tentativa, em três dias sucessivos. Cumpriu a palavra, a fila não era grande, ele conhecia o ambiente e, após dizer-me estudante do Mackenzie ( uma como que reserva mental) e assinar o competente termo de compromisso, consegui o milagroso “vademecum”. Viajei, afinal, excomungando, mais uma vez, o Ditador.

Papai havia feito construir linda e espaçosa casa, de madeira, dois andares, no terreno que comprara, para aí transferindo a loja. O ponto não era ainda muito apropriado para comércio. Papai vendia muito a prazo e não era pequeno o número de fregueses que acabavam deixando de saldar suas dívidas, causando-lhe prejuízos. Além disso, Acácio andava fazendo gastos a seu bel prazer, contas que papai pagava para não Ter mau nome na cidade. Isso não agourava futuro muito róseo. Ambos, Nedival e Acácio, desistiram dos estudos, preferindo trabalhar. Sonhavam com ser motoristas de caminhão. Papai comprou-lhes um caminhão INTERNACIONAL, que ainda cinqüenta anos depois, o Nedival estava utilizando para pequenos transportes. Coisa de museu, a esta altura. Como nas férias anteriores, eu ajudava na loja, o que me punha em contato com muita gente, a quem procurava comunicar o Evangelho. Nos momentos vagos revia estudos feitos ou lia antecipadamente matéria referente a disciplinas a serem cursadas no ano próximo. Também passava bons instantes brincando com o João, o caçulinha mimado. Findaram-se as férias e retornei ao Conceição, entre pesaroso e animado , triste por deixar o doce lar, o convívio acalentador da família, para só voltar meses mais tarde, ao mesmo tempo que entusiasmado com a continuidade dos estudos, sempre tão gratos e desafiadores.

Foi nas férias precedentes, antes da mudança para casa nova, que tive duas experiências um tanto jocosas. A primeira, apareceu na loja um padre vendendo assinatura de revistas católicas. Eu não queria ser indelicado, mas achava um contra-senso contribuir para publicações que não serviam à causa evangélica, antes a combatiam. Propus-lhe uma barganha: eu assinaria uma de suas revistas e ele faria o mesmo em relação à revistinha que nós publicávamos no Conceição. Ele alegou que não poderia fazê-lo sem permissão superior. Sugeri-lhe que obtivesse tal permissão e voltasse para efetuarmos a troca de assinaturas. Ele não saiu zangado, nem eu me senti constrangido. Não voltou. Disso eu estava mais do que certo.

A Segunda foi mais complicada. Um professor primário de ascendência polonesa, ativista católico, sabedor que eu era protestante, veio à nossa casa no firme propósito de chamar-me às falas. Eu estava com a gramática de grego aberta, recapitulando a matéria nos intervalos em que não surgiam fregueses, quando ele chegou muito seguro de si, todo empertigado, e abriu fogo, dizendo que a religião evangélica estava em franco declínio no Brasil, pois que os jornais davam notícias de dois templos protestantes incendiados, um em São Francisco do Sul, Santa Catarina, outro em uma cidadezinha do interior mineiro, e que não podia entender como uma pessoa que conhecesse a doutrina católica houvesse de ceder ao erro protestante. Respondi-lhe que os incêndios referidos não provavam necessário declínio, talvez até o contrário, pois o avanço protestante alarmava as autoridades católicas e reagiam elas dessa maneira violenta. Provavam, com certeza, o espírito intolerante, agressivo, perseguidor do catolicismo, o que bem mostrava que não podia ser essa a religião de Cristo. Quanto me constava, o protestantismo estava crescendo no Brasil. Ele que se informasse melhor. De uma coisa não haveria dúvida e ele, como professor que era, poderia verificar facilmente. Os protestantes representavam. em tese, católicos que mudaram de religião, logo, qualquer cifra protestante significaria perda do lado católico. O oposto praticamente não acontecia. Mais, se observássemos as estatísticas da época, os protestantes no mundo, em quatrocentos anos, haviam atingido em total equivalente a um terço daquilo que o Catolicismo conseguia manter após mil e novecentos anos. Ora, era só aplicar uma regra de três e ele veria quanto a população protestante superava o quociente que lhe caberia dentro da mesma proporção. Portanto, a realidade, mesmo no Brasil, parecia ser exatamente o contrário do que o professor sustentava. Quanto a não entender ele como um católico esclarecido pudesse virar protestante, eu afirmaria que era apenas questão de conhecimento: quem quer que conhecesse o ensino da Bíblia e quisesse ser-lhe obediente, não poderia continuar católico. Ele que a tomasse e a estudasse que, sendo honesto e sincero, iria ficar protestante como eu fiquei. E, mostrando-lhe a gramática de grego, exortei a fazer o que eu estava fazendo,  para melhor interpretar a Escritura Sagrada, de sorte a ver que o que ele chamava de erro protestante era, realidade, a verdade da fé. Após mais umas ponderações, retirou-se… e não voltou para reconverter-me. Mamãe, que a tudo ouvia sem ser percebida, estava “torcendo”… por mim! O Evangelho já lhe estava começando a penetrar no coração!

Não estou bem certo, mas acredito que nas férias de 1937 é que fui convidado pelo missionário metodista Daniel Betts para ajudar em uma Escola Bíblica de Férias em Porto União, na divisa com o Paraná, uma experiência pioneira para mim. Gostei imensamente desse encontro muito bem organizado, programação bastante convidativa, bom número de crianças e adolescentes, que pareciam participar com grande satisfação, tudo em moldes assaz propícios a crescimento espiritual, formação moral e cívica e consolidação de caráter cristão. O Rev. Betts convidou-me para pregar em uma Quarta-feira à noite. Preparei a mensagem com esmero, ensaiei-a mentalmente várias vezes, não via por que não houvesse de dar-me bem nessa minha primeira apresentação em uma igreja regular. O auditório não era grande, o ambiente simples… mas eu comecei a sentir um calor abafante, a respiração curta, o coração em disparada. Fui à frente com o Rev. Betts e tudo me parecia nebuloso, caótico. Falei embaraçado, gaguejante, incerto… coisa de principiante inexperiente e inseguro, cujo nervosismo tolda a mente e prejudica a elocução. Mas a família Betts me foi muito compreensiva e simpática. Dos filhos, o mais velho, João Nelson, viria a ser pastor no Brasil e nos encontraríamos algumas vezes. Com os outros dois, Billy e Joyce, acabei perdendo contato e não lhes tive mais notícias, depois de um certo tempo.

Nas férias de 1938, se me não engano, partimos de São Paulo, juntos, quatro colegas rumo ao sul: Domiciano Avelino de Macedo, nortista, Domício Pereira de Mattos, paulista , Herondina Grimbor, paranaense, e eu. Embarcamos em São Paulo , trem lotado, viagem, porém, agradável. Havia chovido muito no Paraná e, ao chegarmos perto de Castro, estava interrompido o tráfego, um pontilhão levado pelas águas. Não tínhamos como continuar viagem. Passados dois dias, já que estávamos junto de uma estaçãozinha , resolvemos depositar as malas para serem despachadas posteriormente e seguimos para Castro, a pé. Eram 28  quilômetros pelos trilhos, mas, tomando-se atalhos pelos campos, a distância era bem menor, reduzida, talvez, à metade. A dúvida era se a Herondina agüentaria a marcha. Céu límpido, sol radiante, partimos, enquanto os demais passageiros continuarão aguardando a baldeação anunciada. Transcorria tudo muito bem. À hora do almoço, assentamo-nos à beira de um lajeado de límpidas águas e saboreamos o apetitoso frango com farofa que havíamos mandado preparar antes da partida. Continuamos sem percalços e lá pelo meio da tarde chegamos a outra estação, onde havia conhecidos da Herondina. Receberam-nos com a tradicional hospitalidade paranaense e serviram-nos gostoso café com leite e broa com mel… uma delícia! Seguimos adiante e nuvens grossas ameaçavam chuva. Castro já estava não  muito longe. De repente, sobreveio um aguaceiro e buscamos refúgio em uma casa junto à estrada… mas os moradores estavam fora e acabamos entrando no galinheiro, vazio àquela hora, as galinhas a perambularem pela vizinhança. Nada reclamaram e, passada a chuva, desocupamos o abrigo, muito agradecidos. Prosseguimos e, ao anoitecer, chegamos à cidade, indo todos para a casa da colega, que aí residia e nos havia convidado para a gostosa aventura. Após um bom jantar e um sono reparador, procurei notícias na estação, que não era muito distante, e fui informado de que, ao meio dia, passaria um trem que havia ido fazer baldeação dos passageiros. Tomei-o e segui para Santa Catarina, os colegas viajando, mais tarde, par o litoral do Estado, onde iam trabalhar com igrejas. A Herondina estava feliz em casa, no convívio de sua não pequena família.

Cheguei a Caçador e achei a todos em casa bem dispostos. Não havia grandes alterações, senão que os negócios de papai não iam a contento, Acácio continuava a fazer gastos, a situação parecia exigir outros rumos. Isso me afligia, contudo, não via quê pudesse eu fazer para ajudar a resolver os problemas. Desdobrava-me nos serviços da casa, como sempre atendia a fregueses no balcão, conversava longamente com papai e mamãe, animava-os e procurava firmar-lhes a fé. A esse tempo, impressionada com a minha conduta diferente, rapaz que não fumava, não bebia, não jogava, não tomava parte em farras, nem fazia noitadas, preocupado com os estudos, conversa séria de gente madura, mamãe nutria comigo profunda admiração, achando que o único defeito que eu tinha era ser protestante, conforme a ouvi comentar com amigas várias vezes, sem aperceber-se de que eu estava escutando o que diziam. Retornei ao Conceição, para meu último ano de estudos no agora bem modernizado educandário, com grande preocupação quanto à família e sentindo-me cada vez mais distanciado do convívio regular, o que muito me entristecia. Era o preço a pagar pelo meu ideal!

O ano letivo passava rápido. E nós, os formandos, à medida que os dias corriam, mais íamos sentindo tristeza de deixar a escola em que vivemos por cinco duros mas abençoados anos, da qual tanto havíamos recebido e de que sofreríamos grande saudade. Tínhamos de fazer novos planos e preparar-nos para a próxima etapa, o Seminário. O colega Eliseu Narciso, que fora meu aluno de latim, barbeiro de profissão em Sorocaba, dotado de real talento musical que o faria respeitado maestro, compositor e professor no Seminário e em Conservatórios, amigo leal, falou-me de uma jovem de sua igreja que, a seu ver, ser-me-ia um bom partido. Fui, vi-a e achei-a bastante atraente. Pouco pudemos conversar na agitação da festiva reunião, com programa regular e muita gente a tomar parte. Mantivemos, daí em diante, através do pombo-correio, o Eliseu, constante contacto de recadinhos e lembranças. Em outubro celebrava-se o dia comemorativo do Conceição e muita gente vinha a Jandira. Convidei-a e ela veio com bom número de jovens da igreja. Apreciei-lhe muito a fina educação, a delicadeza do trato, a simpatia que irradiava, o encanto que exercia. Havia, porém, o programa dos festejos a ser observado, de que eu participava, mormente a partida de futebol à tarde. De fato, estava ainda o jogo em andamento, quando ela veio até à lateral do campo para despedir-se, que tomaria o trem daquele horário. Eu nem a pude acompanhar ao embarque, mas outro  “nobre” colega o fez… e foi até Sorocaba… e voltou dizendo que estava namorando a moça! Fiquei de beiço caído com essa “traição”, mas reconhecia que o rival era vistoso, falante, experimentado em matéria de namoro, ousado e insistente, acostumado a levar as garotas na lábia, enfim, um galã com que eu não tinha condições de competir. Dei o caso por encerrado. Na Segunda-feira, voltando de casa, o Eliseu me disse Ter falado com ela e que toda a estória contada pelo distinto colega era inverídica. Continuaram os recados, mas eu não tinha certeza de quem estava falando a verdade. Todavia, iria a Sorocaba antes de entrar em férias.

Poucos dias mais e encerraram-se as aulas. Feitos os exames finais, obtida a esperada aprovação, veio a formatura. Primeiro, um almoço de gala em restaurante fino junto ao chamado prédio da LIGHT, próximo ao Viaduto do Chá, em São Paulo. Envergando o melhor terno, escuro, com camisa branca, lá estávamos nós, os companheiros de classe pela última vez todos juntos em repasto, que, se, de um lado, assinalava o termo vitorioso de longa e espinhosa jornada, motivo de alegria, de outro, significava a nossa parcial dispersão, nem todos tomando, a partir dessa data, o mesmo rumo nos estudos, razão de tristeza. Assim soem ser celebrações dessa natureza. À noite, o culto de ação de graças, em que pregou o Rev. Miguel Rizzo Júnior, o elegante orador sacro de todos admirado. Foi uma cerimônia tocante, a calar fundo na alma, a despertar fortes emoções, na beleza da fé e na glória da esperança cristã. Estava encerrada a para mim extraordinária caminhada manuelina. E era triste deixar o velho casario, que, a despeito de tudo, era uma porção de minha vida, um pedaço do meu coração. Voltei ao colégio, arrumei as malas e dispus-me para a longa e cansativa viagem de um mínimo de trinta e sete horas de trem de São Paulo a Caçador. Apanharia, à tarde, um subúrbio, desceria em Sorocaba, encontrar me-ia com a disputada jovem e, à noite, embarcaria no expresso para o Sul. Pouco antes de dirigir-me para a estação, surge o ilustre rival, bem vestido, perfumado, elegante, ares principescos, e, com a maior desfaçatez, disse-me que estava indo para Sorocaba, pois  que era o dia de pedir em casamento a moça, já que o namoro ia às mil maravilhas. Tive de mudar de plano. Fui a São Paulo e embarquei lá mesmo. Quando passei por Sorocaba, imaginava a felicidade do nosso herói e me sentia um tanto acabrunhado, pois que, afinal, fui “passado para trás”! As férias, porém, seriam excelente lenitivo e o negócio era esquecer os acontecimentos, como um sonho vaporoso que se desfez.

Aguardavam-me em casa, como sempre, com muita saudade e minha chegada era esperada com especial ansiedade. Achei a todos bem. Papai havia encerrado as atividades comerciais e agora vivia de outros expedientes, a seu modo, independente, porque não lhe aprazia ser empregado de ninguém! Foi sempre essa a diretriz que seguiu e não iria mudá-la agora. Eu ficava apreensivo, temendo dificuldades e privações que lhe pudessem sobreviver, sentindo-me frustrado em não poder ajudá-los agora, como os ajudei nos velhos tempos. Era, porém, infundada minha preocupação. Papai era trabalhador, ativo, operoso, dispunha de terras de plantio a pouca distância de Caçador, boa área na zona suburbana e certa reserva financeira.

Agora já não iria passar as férias todas em casa. A Central Brazil Mission , com que eu me comprometera, escalou-me para trabalhos com o missionário Donald Reasoner , em Xanxerê, no oeste catarinense. Teria de ir de trem até Herval (Joaçaba) e de lá tomar ônibus, melhor dito “jardineira”, para Xanxerê. Era tempo chuvoso, a estrada de terra, uma argila pegajosa e escorregadia, a região bastante acidentada. Embora saíssemos de manhã, não foi possível vencer os oitenta e poucos quilômetros de caminho. Pernoitamos em Ponte Serrada, vila nascente e promissora, região agrícola de grandes lavouras. Quando souberam quem eu era, uns moradores vieram procurar-me dizendo que estavam revoltados com o padre, jovem que não se comunicava com os paroquianos, não visitava ninguém e vivia com a empregada, que, aliás, estava grávida. Disse-lhes que se Deus me chamasse para servir ali, ficaria feliz, mas, por agora, eu tinha compromisso em Xanxerê.

Na manhã seguinte chegamos à pequena e singela cidade, perdida naqueles rincões. Teria acima de tudo de organizar a chamada  Festa de Natal, minha primeira experiência nessa matéria. Éramos uma boa equipe e ensaiávamos crianças, jovens e adultos para representações. Isto após um período de Escola Bíblica de Férias das mais animadas. A festa foi realmente um sucesso, para alegria de todos. Xanxerê tivera uma igreja muito próspera, mas havia ficado sem assistência pastoral por muito tempo, decaíra não pouco e se mundanizara ao ponto da Festa de Natal ser celebrada nos moldes dos farranchos católicos tradicionais: leilão de prendas, bebida a rodo e muita dança. Era esta a primeira vez, depois de anos, que a comemoração natalina retornava aos moldes tipicamente evangélicos. Entretanto, um grupo, justamente da família principal da igreja, não concordou conosco e fez, à sua moda, um festim que acabou em brigas e pancadaria.

O trabalho era o regular: visitas aos crentes, particularmente aos que moravam fora da cidade, com quem se lia e comentava a Bíblia, cantavam hinos e orava; ensino na Escola Dominical e celebração de cultos no templo e em casas, com a necessária pregação da palavra. Empreendi uma breve jornada para pontos mais distantes ao norte, rumo do Paraná, acompanhando a um crente de nome Pedro, um tanto místico, um homem de oração e vivamente empenhado em evangelizar a quantos encontrava, bom parceiro de viagem. Levou-me a uma aldeia de índios Kaingangs, o que me deixou algo apreensivo, porque a maloca recebia  assistência religiosa do padre da região, extremamente anti-protestante, que os proibira de receber a essa gente do Diabo. O Pedro entretanto, nem por isso se intimidava. Quando chegamos, só o cacique estava no local, os demais trabalhando na roça. O índio pareceu-me seco, não-comunicativo, conversa reticente, com jeito não muito amigo. Retiramo-nos logo, mas, pelo menos, conheci in loco um aldeamento indígena. Fomos até Abelardo Luz, tivemos boas reuniões e fiquei condoído daquela gente desejosa de Ter uma escola para os filhos. Insistiram muito que eu ficasse por lá e ensinasse às crianças pelo menos as primeiras noções de leitura e escrita. Senti não poder atender a esse apelo, diria, dramático. Vi aí uns nenês lindos, rechonchudos, com aparência de muito sadios. Manifestando minha admiração nesse sentido, disse-me um dos moradores que esses eram os fortes e que sobreviviam, os fracos morriam logo… mas, mesmo assim, eram, na verdade, crianças fora de série, encantadoras.

A família Reasoner era modelar. O missionário e sua esposa, Dona Dorotéia, muito prestativos e dedicados à obra, sempre interessados em melhorar as próprias condições materiais do povo. Viviam modestamente, se bem que, mais cultos que a população, dispusessem de moinho de vento que lhes puxava água do poço e ainda provia eletricidade para o consumo doméstico, além do velho carro que enfrentava aquelas estradas malconservadas a serviço dos necessitados. Certo dia, sabendo de um caboclo que estava com um grande tumor abdominal, carecendo de assistência médica, sem recursos, convidou-me a acompanhá-lo e foi até o sítio onde morava o velho doente, pô-lo no carro e o levou ao médico, em Chapecó, então um lugarejo bem aprimitivado. Feito o tratamento, pagas as despesas de seu próprio bolso, trouxe o homem de volta e deu-lhe assistência até de todo recuperar-se. Era o bom samaritano redivivo. Seus três filhos eram também dignos dos pais: Ellen, a mais velha, mocinha muito bonita: Mildred, a Segunda, mimosa e terna como uma flor; e o caçula, o Alberto, bom garotinho que continuaria o labor missionário no Brasil.

Voltei de Xanxerê, fiquei uns dias em Caçador e iniciei outra viagem, agora a cavalo, visitando o campo do missionário Wright em nossa região. Iria de Caçador até Curitibanos, passando por vários pontos em que deveria pregar. Cheguei até Anta Gorda, após pregar em Faxinal, Rio dos Patos, Trombudos (hoje Lebon Régis). Começou, porém, a chover sem parar, os rios se encheram e tive de regressar a Caçador, profundamente resfriado, com uma tosse que nada fazia cessar. Já faltavam poucos dias para voltar a São Paulo, e passaram depressa. Agora iria para Campinas, estudar no afamado Seminário Presbiteriano. Passei pelo Conceição para despachar a bagagem restante e despedir-me, com muita emoção, daquele recanto que me havia marcado indelevelmente a vida, a mundivisão, a própria personalidade.

Ficavam para trás tantos acontecimentos, gratos uns, sombrios outros. A lembrança dos grêmios e suas tertúlias, do esporte praticado com alma e muitos jogos emocionantes, de fatos pitorescos, quais a idéia maluca do Emílio Carvalho de Avellar, colega de turma, que trouxera de Goiás dois papagaios escondidos em gaiola envolvida por um saco, desafiando a fiscalização e vigilância dos chefes de trem e demais agentes ferroviários; da mania de box, com mãos envolvidas em grossas toalhas, que custara ao mesmo Emílio a perda de um pivô frontal em luta com o Dionísio ramos Lima; da ventura desse Dionísio, que, tendo desistido da álgebra com o Dr. Waddell, via todo mês seu nome incluído na lista de aprovados, com boa nota, até que se descobriu o engano; da clarineta do Jair Ribeiro, inoportuna a sua hora de inspiração e bem pobre a qualidade da música do instrumentista, a excitar dos vizinhos enfadados a exclamação: “Eta clarinetinha!”, acompanhadas de alguns adjetivos não tão recomendáveis; a sanfona do Octávio Ferreira Júnior, que somente executaria músicas religiosas e que, ante o leviano chiste do galhofeiro Oziel Alcântara, baiano brincalhão, a pedir tocasse uma valsa para ele dançar, fechou o acordeão, retirou-se escandalizado e, gaguejando, nos pergunta: “O sô Oziel é crente?” E por mais de um mês deixou de tocar!

Difíceis de esquecer, dolorosos, também os houve, tais o caso do Raimundo, baiano de elevada estatura, corpulento, musculatura de aço, que parecia vender saúde, mas, examinado pelo médico, estava com tuberculose avançada e, levado para Campos do Jordão, falecia menos de um ano depois; ou o Raul Marciano da Silva, de Bebedouro, São Paulo, alto, vistoso, um moreno estudioso e simpático, estimado de todos, que, no decurso de uma excursão ao Seminário de Campinas, sofreu um desmaio, foi hospitalizado, quando teve condições voltou para casa e veio a falecer pouco mais tarde; ou do Manuel Cunha, colega sereno e equilibrado, que, certa noite fria, muito fria, vestido apenas de calção, acompanhado por um violão, se pôs a cantar em tom profundamente lamuriento, acabando em crise de choro e gritos violentos, completamente transtornado, requerendo-se internação em sanatório. Estava loucamente apaixonado pela professora  Anna Rickli, que havia sido minha mestra em Castro, já matrona, de origem alemã, enquanto ele era muito mais jovem, e negro! Nunca mais soubemos dele!

Dizia adeus ao Conceição. Voltaria vezes muitas, agora, porém, como visitante apenas, não mais elemento integrante da instituição. Isso me entristecia, e muito.

Transcrito aqui em 6 de Novembro de 2015.

Lembranças do JMC (por João Wilson Faustini)

[Texto escrito para o site do JMC anteriormente mantido por Eduardo Chaves pelo Maestro e Pastor João Wilson Faustini — figura de proa do JMC. Encontrei o texto, felizmente, em um HD antigo…]

Quando fui para o JMC, no princípio de 1948, havia muita coisa nova. O prédio Harper, com muitas salas, uma escadaria de granito na entrada principal, e os umbrais de um portão recém-construído, com borboleta giratória e o nome do Instituto José Manuel da Conceição em letras grandes, que podiam ser vistas por quem passasse nos trens, logo abaixo das escadas. A pinguela que levava à casa das moças tinha acabado de ser reconstruída, toda ela de madeira, e diversos harmônios azuis, novos, tinham sido trazidos dos Estados Unidos pelo casal Harper. Um novo sistema de telefone interno foi mais tarde instalado, e um motor novo a óleo diesel trouxe-nos o luxo de ter eletricidade durante o dia, por cerca de duas horas.

Eu já tinha ouvido falar muito a respeito do “Jota”, desde criança, porque minha irmã mais velha, Martha, já havia estudado la. Posteriormente, outros irmãos meus, Loyde, Sérgio e Cláudio, também tiveram esse pribilégio. O meu primeiro contacto com os Harpers foi em 1938, quando a Caravana Evangélica Musical regida por D. Evelina foi a Pirajuí. O casal Harper ficou hospedado em nossa casa. Lembro-me muito bem que Mr. Harper queria tirar uma foto com toda a nossa familia juntamente com ele e D. Evelina, sua esposa. Então colocou a câmera sobre o parapeito do terraço, amarrou um barbante comprido no disparo que ele mesmo puxou para tirar a foto! Eu tinha 8 anos na ocasião, mas ainda me lembro da emoção que senti ao ouvir o coral do JMC, que se apresentou na Igreja Metodista, a maior da cidade naquela época. Todos os coristas de toga creme e vinho, muito concentrados e disciplinados! A música que chamou mais a atenção de todos nós foi, naturalmente, o “Aleluia”, do Messias de Haendel. Eu fiquei boquiaberto, sentado na primeira fileira, encantado com a maravilha da harmonia daquelas vozes….

Jamais poderia imaginar que também eu iria estudar no JMC, e que, depois de formado, seria um dos seus professores. Em janeiro de 1942, com 11 anos,  eu sentia um claro chamado para o ministério. Na ocasião tive desejo de ir para o tão falado colégio interno, para fazer o curso pré-teológico, mas como era muito novo, fui informado de que não seria aceito.

Por volta de 1946, nossa família se mudou para Presidente Altino, que fica a meio caminho entre São Paulo e Jandira. Ali não havia ginásio, então Loyde, Tito e eu tinhamos que ir diariamente a São Paulo, com grande sacrifício. Loyde ia ao Colégio Batista, que era mais accessível, mas meu irmão mais velho, Tito, e eu, íamos a um Ginásio Estadual na Moóca, e precisávamos tomar pelo menos mais duas conduçoes depois de chegar na estaçao Sorocabana de São Paulo. Nesse ginásio  cursarmos a 3a. série ginasial. Nós três tínhamos de nos levantar muito cedo para tomar os trens de subúrbio por volta das 5:20 h da manhã, na ocasião do racionamento de pão, sem tomar uma refeição adequada. Tomávamos o “Carmen Miranda” superlotado, e geralmente chegávamos de volta à casa, para almoçar, ao redor das 15 h, exaustos e famintos. No fim do ano tivemos a desagradável surpresa de termos sido reprovados.  Para que eu não perdesse o ano, meus familiares acharam por bem que eu fosse fazer um exame vago no JMC, para ver se conseguiria entrar na 4a. série lá, e assim recuperar o ano perdido. Loyde, que havia estudado no JMC no ano anterior, me acompanhou até Jandira e fez os contatos necessários. Fiz o exame e passei em todas as matérias, exceto em matemática, meu calcanhar de Aquiles. Para minha alegria, fui informado de que poderia me matricular na 4a. série e que poderia refazer, também, ao mesmo tempo, a Matemática da 3a. série, que ficara pendente.

Na 4a. série tínhamos aulas de música e regência com D. Evelina Harper, que nos dava acesso a muitos hinários americanos e a muitas partituras para coro que ela mesma copiava à mão. Obviamente, estas eram as minhas matérias favoritas: Música, Regência, e o Coral.

Costumava passar os fins de semana em casa, em Presidente Altino, e mais tarde Osasco, onde nos filiamos à 5a. Igreja Presbiteriana Independente. Ao voltar ao “Jota” na segunda-feira à noite, sempre chegávamos lá no escuro, porque o motor gerador de eletricidade só funcionava até as 22:00 h. Lembro-me de que uma vez, quando me preparava para dormir, senti que com os sapatos pisei em algo estranho. No dia seguinte pela manhã verifiquei horrorizado que havia matado um enorme escorpião, que poderia ter me picado! De outra feita acordei de madrugada e na luz do luar verifiquei com pavor a silhueta de uma enorme aranha do tamanho da minha mão, pousada tranqüilamente ao alto, do lado de dentro do mosquiteiro de filó que me abrigava dos pernilongos. Lembro-me do desespero em chamar o meu colega de quarto, que se chamava Arlindo, e da complicada estratégia para matar a aranha sem que ela me tocasse….

Naqueles primeiros anos, também, bem no início das aulas, um rapaz num quarto próximo ao meu fora subitamente atingido por um raio durante uma pesada chuva. Ele veio a falecer, o que nos deixou muito assustados. Depois desse trágico acidente, pára-raios foram instalados em diversas pontos do “Jota”.

Nos primeiros anos de “Jota” fomos algumas vezes, após as aulas, numa longa caminhada, procurar jabuticabas na extensa mata que se desenrolava atrás da casa das moças. Havia uma casa abandonada, e, nos seus arredores, jabuticabeiras altíssimas. Apenas uma das vezes encontramos jabuticabas. Em outras ocasiões não era época e nem disso sabíamos…

Outro fato de que me lembro foi que, em uma aula do prof. Buonaduce, ele me pegou de mãos dadas com a minha companheira de carteira….. Com seu jeitinho amigável deu-nos uma leve “bronca”, que nos deixou vermelhinhos de vergonha….

Sempre fui ávido por participar de todas as atividades musicais que fosse possível freqüentar, para aprender tudo que D. Evelina Harper pudesse nos passar. Certa vez ela deu-me um livro de músicas para órgão, para que eu estudasse para tocar um prelúdio junto com ela, em dois harmônios, em um dos programas do Grêmio Miguel Torres. Que emoção poder tocar junto com ela!

Através do seu seu grande estímulo também levei o Coral João Sebastião Bach, da então 5a. Igreja Presbiteriana Independente de Osasco, que estava começando a reger nessa ocasião, para participar de um programa do grêmio. Nos últimos anos como aluno no JMC, D. Abigail Pereira [esposa do Ver. João Euclydes Pereira] nos cedia o seu piano, em sua residência, para que pudesse estudar durante a semana, e muitas vezes me convidava para almoçar lá, e era maravilhoso poder de vez em quando variar o cardápio e comer comida diferente da comida do refeitório….

Uma vez houve uma festa de amigos secretos entre os manuelinos, e o meu amigo escreveu-me que viria me visitar e entregar uma carta em mãos!  De fato, lá pelas tantas da noite, quando estávamos “enterrados” nos livros, alguém bateu à porta. Era o meu amigo secreto, de capa preta, chapéu, óculos pretos e lenço cobrindo o rosto. Ele entregou-me uma carta, sem dizer palavra, embora eu perguntasse muitas coisas, para ver se ouvia a sua voz. Mas ele não disse uma palavra sequer. Os seus olhos me pareciam  familiares, mas não consegui identificá-los até o dia da revelação. Surpreendi-me ao receber o meu abraço do Sérgio Freddi!

Durante minha estada no “Jota” organizei diversos quartetos e quintetos masculinos,  com colegas como Nehemias Marien, Daily França, Carlos Araújo, Alírio Camilo, Francisco Almeida, e Mizaque Rodrigues. Cantávamos hinos, mas também músicas seculares, tipo barbershop, tais como Lazy Moon, It’s Delightful to Be Married, My Creole Sue e Serenata,  de Schubert. Freqüentemente, quando chegavam visitantes americanos, éramos convocados para cantar. Numa dessas vezes, quando já estava me preparando para ir aos Estados Unidos para estudar,  conheci o casal Kitchen, de Philadelphia. Eles mostraram muito interesse por mim, corresponderam-se comigo e me ajudaram muito, em muitos aspectos, até a morte da Sra. Kitchen, em 1964. Eles foram como pais e família para mim, nas duas vezes que estive estudando nos Estados Unidos, e voltaram para me visitar no “Jota” quando já estava casado e morava na casa que havia sido anteriormente a enfermaria, bem atrás do prédio Harper.

Uma vez o quinteto manuelino participou da “Hora da Peneira” na Radio Cultura de S.Paulo, cantando a Serenata de Schubert, que era um dos nossos maiores “hits”.

Lembro-me que em 1948 um caminhão havia sido doado ao “Conceição” e naquele mesmo ano uma Caravana Evangélica Musical foi organizada para o Sul do Brasil. Bancos foram adaptados na carroceria do caminhão para acomodar mais de 25 pessoas que compunham aquele grupo. A Caravana Coral era selecionada cuidadosamente. O caravanista era avaliado quanto a voz, comportamento, e espírito cristão, porque o grupo tinha objetivos muitos claros de evangelização. Os ginasianos nunca tinham chance de entrar nesse coral itinerante. Só participavam dele as classes mais adiantadas, de pessoas mais maduras, que já demonstrassem qualidades úteis para os seus objetivos ou que, mesmo sem cantar, fossem excelentes pregadores. Os ginasianos teriam possivelmente outras oportunidades mais tarde. Fiquei muito triste quando vi que eu não me qualificaria para integrar a Caravana, por estar ainda no Ginásio, na 4a. série. Anos mais tarde D. Evelina, que sempre me encorajou na música, ficou muito surpreendida em saber que eu não havia participado dessa Caravana ao Sul, e disse-me: “Mas como foi que deixamos de incluir o senhor naquele grupo? O senhor teria tanto para contribuir!”  Entretanto, no ano seguinte,  ela não estava bem da sua asma, e escolheu-me para liderar uma pequena Caravana Evangélica Musical composta de apenas  onze rapazes, para viajar nas férias pelo sul de Minas. Viajamos por muitas cidades do sul de Minas e triângulo mineiro, tendo as mais diversas experiências em casas de famílias e pequenas pensões e igrejas. Esse mesmo grupo de onze rapazes chegou a gravar um disco em 78 rpm, que incluía hinos como Oh que precioso sangue, Oh momentos preciosos, Enquanto, ó Salvador, teu livro ler, entre outros.

Logo que o ano escolar teve início, em 1948, D. Evelina reuniu alguns de nós que sabíamos um pouco de música, para organizar um Departamento de Música, e nos transformou em professores de harmônio. Quanto desenvolvemos dando aulas para principiantes!…  Lembro-me de que faziam parte deste grupo Magali Marien, Alírio Camilo, Eudóxio Mendes e Jaci Maraschin. Devo ainda ter uma foto desses professores de Música sentados nos degraus da entrada da casa dos Harpers. Ela também fazia escalas para tocar ou reger nos cultos matutinos diários, o que nos aterrorizava, mas que foi ótimo treinamento para todos nós.

Durante diversos anos nos levantamos de madrugada no dia 15 de março para fazer serenata e cantar “parabéns” junto à janela de d. Evelina, que aniversariava nesse dia. Íamos a seguir cantar para D. Abigail, esposa do Rev. João Euclydes, que também aniversariava naquele dia. D. Evelina e Mr. Harper se referiam depois aos “anjos” que ouviram cantar de madrugada….

Um dia D. Evelina acordou com um forte ataque de asma, e Mr. Harper veio ao meu quarto e me pegou pelo pescoço dizendo com o seu sotaque característico: “O senhor vai hoje ensaiar o Coro Misto, porque D. Evelina não pode vir ao ensáio.” Fiquei assustado com a tarefa diante de mim, porque o hino que estava sendo preparado era “Louva a Deus, ó Jerusalém, Louva a Deus, ó Sião” , que eu achava lindo mas, na época, parecia um pouco além da minha capacidade. No entanto, que prazer senti ao reger aquele coral de vozes bem treinadas, com um excelente naipe masculino, que sempre caracterizou os corais do Conceição! Naquele momento confirmou-se mais do que nunca que era isto mesmo que eu gostaria de continuar fazendo o resto da minha vida!… Logo ela incumbiu-me de reger o Coro do Ginásio. Eu havia ido ao Conceição sem jamais me esquecer do meu chamado para o Ministério aos 11 anos. Entretanto, D. Evelina mostrou-me que o trabalho na música sacra poderia ser também um ministério, e apontou para as muitas necessidades do Brasil nesse campo.  Quando em 1950 o casal Harper voltou aos Estados Unidos de licença, ela me deixou responsável pelo Departamento de Música, com toda a regência dos corais, coordenação das aulas de harmônio e ainda a responsabilidade de ministrar as aulas de teoria para as quatro series do ginásio.

Um dia eu estava tocando hinos com todo o entusiasmo, usando todo o volume dos foles dos pequenos harmônios portáteis, no “Conservatório”, aquela pequena casinha, no fim da pinguela que ia para a casa das moças, quando fui abordado por D. Evelina, que apareceu de súbito na janela, dizendo: “Eu sabia que deveria ser o senhor que estava tocando, não poderia ser outra pessoa!” Depois ela me informou que ela e Mr. Harper estavam tentando conseguir uma bolsa de estudos para mim nos Estados Unidos, para me aperfeiçoar em música sacra.    Fiquei exultante! Duas coisas que eu amava: A música e o Inglês, no qual teria também de me aperfeiçoar! Mas não estaria eu fugindo ao meu chamado para o ministério, para me especializar numa área para a qual eu tinha talento e gostava muito, como a música? Nesse estado de espírito estava caminhando perto de um brejo que havia nas imediações do campo de futebol, e me pareceu ouvir até os sapos e as rãs confirmarem: “Coro, coro, coro…..”  e uma grande convicção tomou posse de mim, e eu fiquei sabendo que esta era realmente a vontade de Deus para a minha vida naquele momento.

Fui para os Estados Unidos em julho de 1952 e, em 1955, logo após a formatura, no mês de junho, voltei ao Brasil. Agora, com Bacharelado em Música, vinha para lecionar no JMC e substituir permanentemente D. Evelina Harper. O Rev. Wilson de Castro, diretor na época, recebeu-me jubilante. Qual não foi a minha surpresa quando deu-me uma lista das matérias que eu deveria lecionar: Matemática (por incrível que pareça!), Geografia, Historia e Português para o Admissão e Inglês, para todo o Ginásio e Colégio. Além dessas, Música. Fiquei tremendamente desapontado! Queria fazer tanto com a Música, e com todos aqueles outros encargos, teria meu tempo bastante limitado, mesmo porque não me achava em condições de dar aulas daquelas matérias todas, especialmente de Matemática, a mesma matéria em que eu ficara reprovado anteriormente! Mas assim foi o meu começo como professor no “Jota”, como deve ter sido o de muitos outros, que precisaram lecionar muitas matérias, mesmo aquelas nas quais não se achavam bem habilitados…. Aos poucos outros professores apareceram e o Departamento de Música crescia e exigia mais do meu tempo,  e pude me dedicar mais à minha especialização. Na primeira formatura após a minha chegada dos Estados Unidos, em novembro de 1955, realizada nos salões da Terceira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo, com pouquíssimo tempo de ensaio, os manuelinos cantaram pela primeira vez o hino Desde o Passado (mais tarde traduzido como Deus dos Antigos), acompanhados de pistão por um dos alunos. Em 1957 organizamos um Caravana Coral que gravou o LP “Os Céus Proclamam”, que incluía entre outros, o Aleluia de Haendel acompanhado de orquestra. Essa Caravana Coral estava pronta para viajar, com o itinerário todo traçado, quando nasceu o nosso primeiro filho, Davi Marcos. Como ele teve problemas de parto e nasceu com compressão cerebral, o médico achou que seria imprudente de minha parte sair de viagem com o Coral, até que o estado crítico de meu filho se estabelizasse. Hope Gordon e Davi Machado [filho do Rev. Joaquim Machado], que eram meus alunos de regência na ocasião, assumiram a batuta do Coral, para que o programa pudesse ser cumprido.

Iniciamos em 1957 os Seminários de Música Sacra, os cursos noturnos de Regência, ministrados às segundas-feiras em São Paulo, nas dependências da Primeira Igreja Presbiteriana Independente, a publicação da coletânea “Os Céus Proclamam” e os Festivais Corais. Eu pretendia que, como as outras iniciativas, a publicação dessas músicas fosse também uma promoção do JMC. Entretanto o JMC nunca teve fundos para fazê-las, embora elas eventualmente pudessem  contribuir para as suas precárias finanças. Por essa razão fui obrigado a fazer delas um empreendimento pessoal, o que veio mais tarde a se tornar uma bênção e uma fonte de sustento para mim.

Voltando um pouco atrás ainda, quando eu havia chegado dos Estados Unidos, formado, solteiro e professor aos 24 anos, foi me cedida pela Diretoria do “Jota” uma casa para morar. Essa casa ficava entre o prédio Harper e a casa do Prof. Buonaduce. Diversas moças, enquanto eu era solteiro, vinham fazer piquenique no gramado de minha casa e também me presentear ali com quitutes feitos por elas…

Enquanto eu estava ainda nos Estados Unidos, um casal de missionários americanos, Dr. Donald Gordon e D. Helena, estava de férias por lá. Passei o meu recesso escolar do Natal de 1952 com eles, em Cape Cod, Massachussets. Muitas vezes eles falavam nas igrejas americanas sobre o trabalho que realizavam no Brasil, e me apresentavam como um de seus filhos brasileiros. Nessa época convidaram-me para conhecer o trabalho deles em Rio Verde, Goiás, o que fiz em Janeiro de 1956, logo que voltei ao Brasil. No mesmo jeep ia também uma das filhas, Hope Gordon. Nessa viagem, ao passarmos por Araraquara, num domingo, fiquei conhecendo a Queila, que me acompanhou num solo, no programa religioso da rádio local. Em Dezembro de 1956 casei-me com a Queila.

Quando ainda éramos noivos, a Queila veio lecionar piano no JMC, a meu convite, e foi morar com a Hope Gordon. Nessa ocasião resolvemos fazer uma opereta intitulada “Um Novo Conceição ”, que foi apresentada no dia do JMC em 1956, num palco improvisado que fora montado atrás do prédio Harper. O sucesso foi tão grande que tivemos de repeti-la dias depois, em São Paulo, no salão social da Primeira Igreja Independente. Hope Gordon fez o libreto e eu compus a música. Queila foi a pianista e os alunos foram os personagens da história, que, por estranha coincidência, parecia ter sido uma verdadeira profecia, cumprida poucos anos mais tarde, com o fechamento do “Jota”. …. No enredo havia, entre os professores, um tal de Prof. Malamargo, que resolveu, sem motivo algum, fechar e destruir o educandário…  Tudo ficou triste e abandonado… Mas, no final da opereta, o “Conceição” foi reaberto, com grande alegria e entusiasmo de todos os alunos e professores… Quem sabe esta parte da suposta profecia ainda irá se cumprir! Não é isto que todos nós gostaríamos que acontecesse?

Trasncrito aqui em 6 de Novembro de 2015

Biografia do Rev. Oscar Chaves – 2 (por seu filho Eduardo Chaves)

[Estas notas, exceto onde assinalado, são basicamente autobiográficas, retiradas que foram de resumo dos principais fatos de sua vida preparados pelo próprio Rev. Oscar Chaves e destinados a uma publicação feita pela Igreja Presbiteriana de Santo André, quando ele comemorou 40 anos de ordenação ao ministério em 1982. Alguns fatos foram acrescentados ao relato biográfico com base em outras anotações do Rev. Oscar Chaves, feitas em sua primeira Bíblia, ganha do Rev. Eduardo Lane como presente de Natal no ano de 1932. Outros fatos foram complementados por mim, Eduardo Chaves, filho mais velho do Rev. Oscar, porque era do meu conhecimento. Ao final, incluo alguns poemas e hinos escritos pelo Rev. Oscar. A biografia escrita por meu irmão também inclui alguns.]

Oscar Chaves – Auto/Biografia

Oscar Chaves - foto classicaO Rev. Oscar Chaves nasceu em Patrocínio, Minas Gerais, em 11 de Outubro de 1912, filho de Carlos Gonçalves Chaves e Alvina Jacintha de Oliveira Chaves.

Nasceu em lar católico e cresceu como católico sincero, indo à igreja todos os domingos, acompanhando todas as procissões, especialmente as da Semana Santa. Quando ainda mocinho fez parte da Conferência de São Vicente de Paula, que naquele tempo só tinha pessoas de idade. Mais tarde, quando jovem, começou a estudar o espiritismo de Allan Kardec e se tornou um católico-espírita. Freqüentou muitas sessões espíritas com sua mãe. Depois foi convidado para os cultos protestantes (crentes), tendo aceito vários convites.

Quando começou a ter envolvimento com os crentes, pôs-se a ler livros de polêmicas do pastor Presbiteriano Rev. Álvaro Reis com espíritas (Cartas a um Doutor Espírita, por exemplo) e abandonou as idéias espíritas. Depois voltou-se para livros de controvérsias de protestantes com padres católicos, escritos especialmente por diversos autores presbiterianos.

O livro que mais o esclareceu e o entusiasmou foi Mimetismo Católico, discussão entre o Rev. Álvaro Reis, famoso pastor presbiteriano, e o Dr. Carlos de Laet, grande líder católico. Chegou a ler esse livro oito vezes! Mas ainda não era “crente” e tinha vergonha de entrar na Igreja Evangélica. Só no final de 1932 veio a se converter. Para que isso acontecesse, teve de ir para uma outra cidade, Patos de Minas, perto de Patrocínio, onde ficou cinco meses lecionando num pequeno colégio.

(Vide Nota 1)

Em Patos ele se firmou no Evangelho e, voltando para Patrocínio em Dezembro de 1932, fez, no dia 1º de Janeiro de 1933, sua profissão de fé na Igreja Presbiteriana, com o Rev. Dr. Eduardo Lane. Em Fevereiro, um mês depois de professar, já fez sua primeira pregação no púlpito daquela igreja, a convite do pastor. Nessa data, 1/2/1933, o texto de seu primeiro sermão foi o do Evangelho Segundo João, cap. 5, vers. 40: “E não quereis vir a mim para terdes vida.”

Naquele mesmo ano desejou ir estudar para o ministério em São Paulo. Seu pastor, Dr. Lane, viu, porém, que ele estava muito “verde” e o fez esperar um ano. Em Fevereiro de 1934 foi para o Curso Universitário “José Manuel da Conceição”, em Jandira, onde estudou cinco anos (quando foi para o JMC já tinha o 3º Ginasial). Lá se formou em 1938, indo então para o Seminário de Campinas, onde concluiu o curso teológico em 1941.

Foi licenciado pregador do Evangelho em 26 de Janeiro de 1942 (segunda-feira), pelo então Presbitério de São Paulo, na Congregação Presbiterial “Betânia”, em Pinheiros, sob o pastorado do Rev. Avelino Boamorte. Seu sermão de prova versou sobre João 18:36: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos para que eu não fosse entregue aos Judeus. Mas agora o meu reino não é daqui”.

Licenciado, foi enviado para a cidade de Paracatu, MG, para trabalhar com a West Brazil Mission, sendo o primeiro obreiro da Missão a residir naquela antiga cidade mineira.

De Paracatu veio para Campinas, em Junho de 1942, para se casar, no dia 3 de Julho, com Edith de Campos, com quem ficou casado até o fim de sua vida. Da. Edith foi com o Rev. Oscar para Paracatu, quando ele para lá voltou, depois das núpcias.

No fim de 1942 o Rev. Oscar foi convidado para ser missionário da Junta de Missões Nacionais da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) e, aceitando o convite, foi ordenado para o ministério pelo Presbitério de São Paulo, no dia 31 de Janeiro de 1943 (domingo, à noite), no templo da Igreja Cristã Reformada da Lapa, em São Paulo. Com ele foram ordenados Wilson de Castro Ferreira e Domício Pereira de Matos. Estavam presentes no culto os Revs. William Kerr, Avelino Boamorte, Mario Cerqueira Leite, Amantino Adorno Vassão, Miguel Rizzo Júnior (orador), Paulo Pernassetti, Júlio Camargo Nogueira, Jorge César Mota e o pastor da Igreja Cristã Reformada. Oficiaram como ministros assistentes os Revs. Zaqueu de Melo [que era irmão de uma cunhada do Rev. Oscar, Da. Maria de Melo Chaves, autora de um livro sobre o Protestantismo brasileiro, Bandeirantes da Fé, traduzido para o francês como Pionniers de la Foi e reeditado recentemente pela Editora Cultura Cristã] e Moisés Aguiar. Seu sermão de ordenação versou sobre Filipenses 1:21: “Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho”. A primeira parte desse versículo é, em grego, o moto do Instituto JMC: “’emoì gàr tò zên Christós”.

Ordenado, ele foi então enviado para Lucélia, na Alta Paulista, onde fundou o trabalho presbiteriano, que nasceu em sua casa, na sala de visitas. Ficou ali dois anos deixando um terreno comprado, um grande salão construído e uma Escola Dominical com 127 alunos. Em Lucélia nasceu, em Setembro de 1943, seu primogênito, Eduardo Oscar [Responsável por este blog]. Enquanto em Lucélia, implantou várias igrejas na região, com destaque para a de Dracena, em 1943.

De Lucélia foi enviado para Irati, no sul de Paraná (entre Ponta Grossa e Guarapuava), onde ficou menos de um ano, pois o trabalho era realizado entre luteranos, o que não era um campo propício para a Junta.

Dali foi enviado ao norte do Paraná, para onde, naquela época, afluíam famílias de toda a parte. Em Marialva foi residir em uma casa de madeira, inacabada, pois era tremenda a escassez de moradias, devido ao alto número de famílias que chegavam todos os dias. Em Marialva já havia uma pequena Escola Dominical num pequenino salão de madeira, que era visitada pelo Rev. Wilson Lício, então pastor em Arapongas. Foi comprado um harmônio, um terreno e construído um grande templo de madeira. Em três anos havia uma Escola Dominical com 173 alunos e um imponente coral com quase trinta coristas, com todos os coristas de uniforme (herança do JMC) — algo que revolucionou aquela pequenina cidade que, naquela época, era uma cidade estilo “velho Oeste”, com cenas de “bang-bang” na rua. Ali recebeu mais de 60 novos membros, a maioria vinda do romanismo e do espiritismo. O Rev. José Carlos Nogueira, então presidente da Junta, quando visitou aquele campo, disse que Marialva era a “Antioquia do Paraná”.

Em Dezembro de 1946, durante seu ministério em Marialva nasceu, em Campinas, SP, seu segundo filho, Flávio, que é hoje Presbítero da Igreja Presbiteriana “Maranatha”, de Santo André, SP.

Depois de três anos, formado o trabalho em Marialva, deslocou-se para Maringá, para abrir ali o trabalho presbiteriano, pois a cidade, oficialmente criada em 1947, devia se tornar, como de fato se tornou, a mais importante cidade ao oeste de Londrina. Alugou uma casa com um salão comercial na frente e, no salão, começou uma Escola Dominical com 18 alunos. Não havia luz elétrica, nem água encanada, nem esgoto, nem calçamento. Ali teve um campo que, quando de sua saída, no início de 1952, se desdobrou em quatro outros. De jardineira da Viação Garcia visitava Marialva, Mandaguari, Jandaia do Sul, Pirapó, Taquarussu, Peaberu, Campo Mourão, Paranavaí, Capelinha e outros lugarejos.

Depois de três anos em Maringá, veio para São Paulo, deixando lá dois bons lotes de terreno comprados, onde depois foi construído o atual templo, e uma Escola Dominical com 137 alunos.

A convite do Presbitério de São Paulo, assumiu, a partir de Março de 1952, a Igreja Presbiteriana de Santo André — igreja recém organizada (o fora em 1951), com poucos recursos humanos e financeiros. A Escola Dominical, quando tinha 60 pessoas, estava animadíssima. O pequeno salão de cultos, construído na Rua 11 de Junho, 878, onde está hoje o Edifício de Educação Religiosa, poucas vezes se enchia. O campo era formado pela igreja de Santo André e as congregações de São Bernardo do Campo e do Parque das Nações, este um bairro de Santo André.

Em 1982 [quando foram preparadas estas notas biográficas, para comemorar os 40 anos de ordenação do Rev. Oscar], Santo André tinha uma Escola Dominical com 580 alunos, a igreja tinha 600 membros adultos e um Conjunto Coral de 90 vozes. A Igreja de Santo André tinha, em 1982, cinco filhas já emancipadas e organizadas: as Igrejas de São Bernardo do Campo, Parque das Nações, Utinga (também bairro de Santo André), Mauá e Ribeirão Pires, além de congregações em Jardim das Monções, Cidade São Jorge, e Vila Suiça, todas em Santo André. A Igreja de Santo André já tinha (também em 1982) uma “neta”, a Igreja de Santo Alberto, criada pela Igreja do Parque das Nações.

Em outubro de 1976, depois de pastorear a igreja de Santo André por 24 anos, foi reeleito pastor com 99,1% dos votos da Assembléia Geral da igreja.

Em Santo André nasceram suas duas filhas, Priscila, em Março de 1957, e Eliane, em Janeiro de 1959. Ambas continuam a residir em Santo André.

O Rev. Oscar foi Presidente dos Presbitérios Paulistano e da Borda do Campo, tendo sido também Tesoureiro deste e do Sínodo que o congregava (Sínodo Santos-Borda do Campo). Foi Presidente da Junta de Missões Nacionais da Igreja Presbiteriana do Brasil e membro da Comissão de Evangelização Presbiteriana. Visitou uma vez os Estados Unidos, a convite do Concílio Internacional de Igrejas Cristãs (presidido pelo arqui-conservador Rev. Carl McIntire), para assistir, como observador, a uma de suas grandes reuniões, em Atlantic City, New Jersey.

O Rev. Oscar foi convidado para ocupar vários cargos na administração da Igreja Presbiteriana do Brasil, e mesmo para ser professor de sua alma mater, o Seminário de Campinas. Entretanto, sempre declinou dos convites, preferindo o trabalho na igreja local.

O Rev. Oscar fez diversos trabalhos de evangelização pelo rádio, em duas emissoras de Santo André. Pregou em mais de cem cidades de treze Estados brasileiros. Foi reeleito diversas vezes pastor da Igreja Presbiteriana de Santo André [vide abaixo].

(Vide Nota 2)

Em 1982 o Rev. Oscar completou 70 anos e foi jubilado. Permaneceu, entretanto, ajudando na Igreja, que passou a ser pastoreada pelo até então pastor auxiliar, Rev. Evandro Luiz da Silva, que havia sido escolhido por ele próprio.

Em um desses lamentáveis acontecimentos a que nem as pessoas mais bem intencionadas estão imunes, o Rev. Oscar e o Rev. Evandro Luiz da Silva se desentenderam a tal ponto que, em 1986, o Rev. Oscar e um grupo de membros da Igreja Presbiteriana de Santo André deixaram a igreja e formaram uma congregação que eventualmente se tornou a Segunda Igreja Presbiteriana de Santo André, hoje chamada Igreja Presbiteriana Maranatha de Santo André. Ali os membros que acompanharam o Rev. Oscar o declararam Pastor Emérito – corrigindo o que só pode ser qualificado de uma indelicadeza cometida pela Igreja que ele pastoreou durante mais de 30 anos, que não havia tomado a iniciativa de assim honrá-lo (ou, em outra versão, concedeu-lhe o título mas depois cassou-o). A Igreja Presbiteriana Maranatha tem hoje (1997) prédio próprio onde funcionam o tempo e as instalações de Educação Religiosa.

O Rev. Oscar, além de dedicado pastor e excelente homem de púlpito, era poeta e músico. Escreveu várias poesias e inúmeras letras de hino, tendo também composto a melodia de alguns. Tocava vários instrumentos, todos eles de ouvido: órgão (inclusive elétrico), piano, acordeon, flauta transversal, flauta doce, gaita, violão, cavaquinho, bandolim, e até mesmo serrote. Era bom pintor de telas de aquarela e guache – embora quase todas elas, e suas gravuras a lápis, exibissem o mesmo tema bucólico e campestre, pleno de por-de-sóis, montanhas, coqueiros, palmeira (ou então as paranaenses araucárias) e lagos com pequenos barcos a vela.

O Rev. Oscar faleceu em 5/3/91, no Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, vitimado por câncer na próstata. Morreu um ano antes de poder comemorar o Jubileu de Ouro de sua ordenação e as suas Bodas de Ouro com Da. Edith de Campos Chaves, que o sobreviveu por treze anos, vindo a falecer em 11 de Junho de 2008 (coincidente na data — em que se comemora a Batalha de Riachuelo — que dava nome à rua da Primeira Igreja Presbiteriana de Santo André. Uma ironia da vida.

O Rev. Oscar deixou, ao falecer, além da esposa e seus quatro filhos, seis netos: Andrea e Patrícia (filhas de Eduardo Oscar), Flávio Filho e César (filhos de Flávio), e Vítor e Diogo (filhos de Eliane). Hoje, se vivo, ele teria dois bisnetos, Gabriel e Lucas, filhos do César.

(Vide Nota 3)

NOTAS:

(1) [Nota de Eduardo Chaves, responsável por este blog e filho do Rev. Oscar]

Com data de 28 de fevereiro de 1931, quando ele tinha, portanto, apenas 18 anos, Oscar Chaves transcreveu, em um caderno de capa dura, e em caprichada letra de imprensa, 39 páginas de um trecho sobre a “A Matança dos Protestantes, em Paris, no dia 24 de Agosto de 1572, Domingo, Dia de São Bartolomeu”, retirado do romance histórico de Michel Zevaco chamado Epopéa d’Amor. Depois de transcrever a passagem do livro, ele comentou, de próprio punho:

“Não nos admira nada que tal coisa acontecesse, porque isso é o cumprimento da prophecia do Apocalypse, que, referindo-se à Egreja Romana (que mais tarde havia de apostatar), disse: ‘E não luzirá mais em ti a luz das lâmpadas, nem se ouvirá mais em ti a voz do esposo e da esposa, porque os teus mercadores eram príncipes da terra, porque nos teus ensinamentos erraram todas as gentes. E nella (na Egreja) foi achado o sangue dos prophetas, dos santos, e de todos os que foram mortos sobre a terra’ (Apocalypse 18:23,24). ‘E a mulher (a Egreja Romana) estava vestida de púrpura e de escarlata, adornada com ouro, pedras preciosas e pérolas . . . e na sua fronte estava escripto este nome: Mistério! Babilônia, a Grande, a mãe da fornicação e das abominações da Terra. E a mulher achava-se embriagada com o sangue dos santos e das testemunhas de Jesus’ (Apocalypse 17:4,5,6).

O castigo dessa egreja apóstata será grande, e, por isso, a todos dirige o Senhor este apêllo: ‘Sahi della, povo meu, para não serdes participantes dos seus delictos, e para não serdes comprehendidos nas suas pragas. Porque os seus peccados chegaram até os céus, e o Senhor se lembrou das suas iniqüidades’. (Apocalypse 18:4,5).”

Fim da citação. Só 22 meses depois, em Dezembro de 1932, Oscar Chaves iria formalmente abraçar a Igreja Presbiteriana. Mas sua convicção acerca da Igreja Romana estava firmada bem antes disso, como demonstra não só a citação, mas o esforço necessário para transcrever a mão, em letra de imprensa, 39 páginas de um texto vibrante de denúncia das atrocidades cometidas pelos Católicos contra os Protestantes (Huguenotes) naquele Domingo de São Bartolomeu em Paris, no ano de 1572.

(2) A partir daqui, o texto é um acréscimo pela mão de Eduardo Chaves, responsável por este blog, e filho do Rev. Oscar Chaves.

(3) Eis alguns fatos que meu pai julgou importante anotar em sua Bíblia preferida e mais velha, um presente do Rev. Eduardo Lane e que tem, na capa de dentro, uma fotografia do Rev. Eduardo Lane e outra dele, com as seguintes anotações, de próprio punho:

“Oscar Chaves

25 de Dezembro de 1932

Esta Bíblia foi um presente do Rev. Dr. Eduardo Lane, em Patrocínio, Minas, no Natal de 1932 (a minha primeira Bíblia!).

Sou do Senhor.”

Logo abaixo há um recorte de jornal com os seguintes dizeres:

“Fracassaremos:

Quando perdermos o interesse por nós mesmos
Quando vivermos tão ocupados que não possamos sorrir um pouco
Quando considerarmos o dinheiro mais valioso que o respeito próprio
Quando nos esquecermos das distrações.
Quando deixarmos de espalhar um pouco de felicidade durante as horas de trabalho diário
Quando calcarmos os princípios sob nossos pés
Quando tirarmos vantagens daquelles que são mentalmente fracos.
Quando invejarmos o que possuem os que nos rodeiam
Quando permitirmos que o egoísmo domine os nossos corações
Quando dermos à religião o segundo lugar em nossas vidas

Buscae primeiro o reino de Deus e a sua justiça e as outras cousas vos serão acrescentadas.

(Traduzido)”

Em uma página em branco na parte de dentro da segunda capa estão registrados os seguintes fatos:

“Pai: Carlos Gonçalves Chaves, nascido em 4/11/81, falecido em 7/4/1926.

Mãe: Alvina Jacyntha de Oliveira, nascida em 24/10/88, falecida 3/4/1959.

Irmãos:

Carlos Chaves, 13 de março
Raul, 20 de novembro
Mauro, 25 de fevereiro
Aldo, 25 de fevereiro
Dulce, 18 de fevereiro”

Em algumas páginas em branco entre o Velho e o Novo Testamento estão registrados os seguintes fatos:

“Professei minha fé em  Jesus Cristo no dia 1 de Janeiro de 1933, na Igreja Evangélica desta cidade, de Patrocínio. Fiz minha primeira pregação numa quinta-feira, dia 23 de fevereiro de 1933, na Igreja Evangélica desta cidade, sobre João 5:40.

Patrocínio, Março de 1933

Recebi o meu diploma da Faculdade de Teologia no dia 14 de novembro de 1941 (sexta-feira, no Teatro Municipal de Campinas [o celebrado Teatro São Carlos]).

Fiquei noivo da Edith no dia 18 de novembro de 1941, em Campinas, às 7 hs. Da noite.

Casei-me no dia 3 de julho de 1942, às 16 hs,  na Faculdade de Teologia, em Campinas.

Fui licenciado pregador do evangelho no dia 26 de janeiro de 1942 (segunda Feira) na Congregação Presbiterial “Betania”, em Pinheiros, sob o pastorado do Rev. Avelino Boamorte.

Trabalhei durante o ano de licenciatura em Paracatu, Minas, para a West Brazil Mission.

Fui ordenado para o santo ministério no dia 31 de janeiro de 1943 (Domingo, à noite), no templo da Igreja Cristã Reformada da Lapa, São Paulo. Comigo foram ordenados: Wilson Ferreira de Castro e Domício Pereira de Matos.

Ministros presentes: Revs.: William Kerr, Avelino Boamorte, Mario Cerqueira Leite, Amantino Adorno Vassão, Miguel Rizzo Jr. (orador), Paulo Pernassetti, Júlio Camargo Nogueira, Jorge César Mota e o pastor da Igreja Cristã Reformada.

Ministros assistentes: Revs. Zaqueu de Melo e Moisés Aguiar.

Comecei o trabalho missionário, para a “Junta Mista de Missões”, em Lucélia, S. Paulo, no dia 24-2-1943.

Nasceu o nosso primogênito, Eduardo Oscar, em Lucélia, S. Paulo (à rua Amazonas s/n), no dia 7 de setembro de 1943, às 10 hs da noite (terça-feira).

Eduardo Oscar foi batizado em Campinas, na Igreja Cristã Presbiteriana, na noite de 30-1-1944, pelo Rev. Dr. Eduardo Lane. [Não se esclarece de que cidade: presumo que Campinas].

Flávio: nasceu o nosso segundo filho, Flávio, no dia 20 de dezembro de 1946, às 7:14 da manhã, em Campinas, à Rua José Paulino, 254 [pertinho do Largo do Pará].

Flávio foi batizado no dia 22 de fevereiro de 1948, domingo, às 8:30 da manhã, na Igreja Cristã Presbiteriana de Campinas, pelo Rev. Américo Justiniano Ribeiro.

Com a “Junta de Missões”, trabalhei 9 anos: 2 anos e 4 meses em Lucélia, 8 meses em Irati, e 6 anos em Marialva e Maringá, no norte do Paraná.

Em 1952 (março) deixei a “Junta” e voltei para o Presbitério de São Paulo, pastoreando a Igreja de Sto. André (a partir de Março de 1952) como pastor do presbitério.

Em Janeiro de 1953 fui eleito por 3 anos pela Igreja.

Em Janeiro de 1956 (dia 8) fui reeleito por mais 5 anos (143 membros presentes e recebi 138 votos).

Em 1961 fui eleito pela terceira vez por mais 5 anos.

Em 1966 fui eleito pela quarta vez pastor de Santo André por mais 5 anos (187 presentes, tive 184 votos)

Em 3-10-71 fui eleito pela quinta vez  por mais 5 anos (268 votos dos 271 membros presentes)

Em 24-10-1976 fui eleito pela sexta vez por mais 5 anos, com 99,1% dos votos (235 pessoas e tive 233 votos).

Priscila: nasceu nossa filhinha no dia 2 de março de 1957, às 23:55 horas, em Santo André, à Rua Particular, nº 10 (Travessa da Senador Flaquer).

Eliane: nasceu em Santo André, também à rua Particular, nº 10 (Travessa da Senador Flaquer) no dia 27 de Janeiro de 1959, às 7:30 horas da manhã.

Ambas foram batizadas na Igreja Presbiteriana de Santo André, na Escola Dominical, pelo Rev. Raimundo dos Santos, no dia 7 de fevereiro de 1960.

FINIS”

ALGUNS POEMAS E HINOS ESCRITOS PELO REV. OSCAR CHAVES:

1. Saudades de Minas

(De Oscar Chaves, JMC, 1934)

O sol vermelho e triste, caindo em cheio
Sobre as matas e as campinas,
Faz-me lembrar das tardes frescas
E saudosas lá de Minas…

O sol claro e lindo, cheio de raios
Resplandecentes, faz-me lembrar
Da terra linda e encantadora
De Tiradentes…

Lá nas mangueiras, bem de manhã,
O sabiá canta u’a melodia…
Depois a rola arrulha triste,
Despedindo-se do belo dia…

E, assim, na minha terra tudo tem um canto
De alegria… Desde a alva tudo ri,
Tudo salta, tudo vive, e cantante é o viver,
Desde a luz da madrugada até a lua aparecer!

(Nota do autor: Essa poesia eu a escrevi no meu primeiro ano de estudo no Curso Universitário “José M. da Conceição”, em 1934, quando senti a nostalgia de quem está longe do lar e da igreja (no ano anterior, 1933, eu tinha feito a profissão de fé em Patrocínio, com o Dr. Eduardo Lane). [O autor tinha 21 anos ao escrever o poema, nascido que era em 11/10/1912].

2. Por que Choras?

(De Oscar Chaves, JMC, 1938)

“E Maria estava chorando fora, junto ao sepulcro.
Disse-lhe Jesus: Mulher, por que choras?”
João 20:11,15

Junto ao sepulcro, chorando,
Na manhã daquele dia,
Estava a fiel Maria
O Salvador procurando.

Chorava a serva leal,
Com coração aflitivo,
Pensando estar sepultado
Aquele que estava vivo.

Mas Jesus, que conhecia
Dos humanos a fraqueza,
No rosto leu, de Maria,
A causa de tal tristeza.

E disse-lhe: Por que choras,
Como os que vivem sem luz?
A morte já foi vencida,
Porque vivo está Jesus!

Há muitos que, qual Maria,
Numa vida sem bonança,
Não têm paz nem alegria,
E choram sem esperança!

Não têm o Cristo dos céus,
Que sara toda amargura,
Pois confiam num Cristo morto,
Debaixo da sepultura!

Por que choras, meu irmão,
Como a triste Madalena?
Já ressuscitou Jesus
E do teu sofrer tem pena.

Levanta o olhar bem p’ra cima,
Tira os teus olhos do chão!
No céu está quem te anima,
Por que choras, meu irmão?

3. Aviva-me

(Letra de Oscar Chaves)

Eu salvo estou em Cristo, meu amado Salvador,
Eu tenho garantia no sangue expiador.
Mas para gozar paz até no meio do sofrer,
Minh’alma avivamento deve ter!

Coro:

Aviva-me, Senhor! Aviva-me, Senhor!
Eu quero ter servir com mais amor!
Meu débil coração de forças vem encher,
Ó Santo Espírito Consolador!

Oh, cria em mim, meu Deus, um santo e puro coração,
Dirige os passos meus, com tua santa mão!
O mal que te entristece não me deixes praticar,
Teu sangue pode me purificar!

Alegre nos teus passos quero sempre caminhar,
Nos teus possantes braços eu posso me amparar!
Oh, serve-te de mim no teu serviço, meu Jesus,
E eu andarei, assim, na tua luz!

4. Graças pela Igreja

(Letra de Oscar Chaves)

Graças dou por esta igreja que o Senhor aqui plantou,
Pelo som do Evangelho que ela sempre proclamou!
Pelos pobres pecadores que aqui acharam luz,
Pelas almas convertidas que aceitaram a Jesus!

Graças pela mocidade, sempre alegre, a brilhar,
Graças pelas criancinhas, que aqui têm outro lar!
Graças dou pelas senhoras e pelos varões também
Que em prol do Evangelho dão de si tudo que têm!

Graças dou pelo Coral, sempre firme e vencedor,
Que através de temporais tem louvado o Salvador!
Graças por irmãos queridos que já estão além do véu,
E por outros qu’inda lutam caminhando para o céu!

Graças do pela doutrina e a firmeza que ela traz,
Pela Bíblia que ensina ser Jesus a nossa paz!
Ó Jesus, Senhor da Igreja, para ti todo o louvor,
Toda a glória tua seja pelo teu imenso amor.

5. A Luta do Bem

(Letra de Oscar Chaves)

A vida cristã é feliz,
Apesar da tristeza e da dor,
Pois no meio da luta,
Ajudando a vencer,
Conosco está o Senhor!

Coro:

Vamos todos na luta do bem
O Evangelho de Cristo pregar,
Pois só ele, Jesus, é quem tem
O remédio eficaz
Para o mundo salvar!

Há muitos que vivem sem luz
Tateando nas trevas do mal,
Com a vida infeliz,
Com triste final,
Precisam de Cristo Jesus!

O tempo já passa veloz
E Cristo não tarda a voltar,
E este mundo perdido
Precisa de nós,
Senão não se pode salvar!

6. Privilégios do Crente

(Letra de Oscar Chaves)

Nós somos crentes em Jesus
E não seguimos mais o mal!
Remidos somos, já temos luz,
E temos novo ideal!

A vida nova agora temos,
Pois o pecado fica atrás!
No evangelho de Jesus Cristo
A nossa vida encontra a paz!

Nós somos servos do Senhor,
Fomos comprados lá na cruz,
E agora, em prova do nosso amor,
Levemos outros a Jesus!

Deixemos nossa luz brilhar
Porque o mundo em trevas jaz!
Só o redimido pode mostrar
Que o Evangelho satisfaz!

Seja bendito o nosso Deus
Por esta grande salvação,
Pois no caminho que leva aos céus
Sempre nos guia a sua mão!

Ao Salvador que nos salvou
Cantemos glória, glória, glória,
Pois pelo sangue que derramou
Temos certeza da vitória!

7. Nossa SAF (Sociedade Auxiliadora Feminina)

(Letra de Oscar Chaves)

Neste mundo confuso e perdido
Densas trevas encobrem a luz!
Corações todo dia desmaiam
E sucumbem com o peso da cruz!

Coro:

As mulheres cristãs desta igreja
Se uniram num só coração
Para as trevas do mundo espancarem
Com a Bíblia Sagrada na mão!
Com a Bíblia Sagrada na mão!

De semana em semana vão elas
Visitar os mais fracos na fé,
Pelos bairros e pelas vielas
Colocando os caídos de pé!

Muitas vezes seus lares deixando
Nossa SAF tem este ideal:
Vai cantando, vai lendo e orando,
Vai vencendo com o bem todo o mal!

(Para ser cantado com a música do Hino 642 do “Salmos e Hinos)

8. Acróstico: A Mulher PRESBITERIANA

(Por Oscar Chaves)

Preparada sempre pra servir,
Resoluta, confiada no Senhor,
Ela luta e vive a sorrir,
Sem orgulho, sem jaça, sem tremor!
Brandindo a Divina Espada,
Iluminada pela luz do céu,
Tem a vida bem iluminada,
Esperando a glória além do véu!
Reprovando todo o mau caminho,
Instruindo os que vivem sem luz,
A ninguém ilude e nem engana!
Na vida sempre anda com Jesus
A formidável mulher PRESBITERIANA!

Transcrito aqui em São Paulo, 6 de Novembro de 2015