Perfil de João Wilson Faustini (por Rolando de Nassau)

(Dedicado ao leitor Eduardo Chaves, de Salto, SP)

“Nossa identidade pessoal é totalmente dependente de nossa memória” (John Locke, citado por Eduardo Chaves)

João Wilson Faustini (1931-    ) tem motivo para ser um músico alegre; nascido em Bariri (SP) em 20 de novembro, sua data de nascimento foi escolhida pela Igreja Presbiteriana Independente do Brasil como “Dia do Músico Evangélico” (“O Estandarte”, nov. 2011).

Desde menino, foi muito interessado em hinologia, música sacra e música coral. Aos 13 anos de idade, era o único organista da IPI de Pirajuí (SP).

De 1948 a 1951, foi o aluno no. 611 no Instituto Presbiteriano “José Manuel da Conceição”, em Jandira (SP), onde estudou regência coral e participou do coro regido por Evelina Harper (http://tecnicasderegencia.blogspot.com.br/2013/05).

De 1952 a 1955, Faustini fez o curso de bacharel em música no “Westminster Choir College”, em Princeton, NJ (USA), com ênfase em órgão e canto; também estudou regência coral com John Finley Williamson; aperfeiçoou-se com Robert Shaw e Wilhelm Ehmann. Foi o primeiro brasileiro nessa instituição de alto nível.

De 1955 a 1964, dirigiu o Departamento de Música do “JMC”, onde promoveu anualmente seminários e festivais; em 1959 organizou um Encontro de Corais (que assisti), com a participação de mais de mil cantores.

Atendendo ao convite de Faustini, fui a Jandira (SP) para assistir o Festival de Música Sacra (OJB, 08 out 59). Recebido por Faustini, passei pelo mesmo portão gradeado, construído em 1948, quando e por onde ele ingressou no “JMC”; dista 30 quilometros da capital. Foi fundado em 1928 e fechado em 1970, em pleno regimeautoritário. O festival foi realizado no Auditório “Waddell”.

O segredo do desenvolvimento intelectual e cultural dos alunos estava no fato de que tinham um projeto-de-vida bem definido, tinham motivação para estudar certas matérias; num ambiente de que participavam os professores, os internosdedicavam muito tempo ao estudo. O “JMC” era uma instituição educacional.

Nos “anos dourados” (1953-1959) no Rio de Janeiro e em São Paulo, havia, nos fins-de-semana, concertos sinfônicos para a juventude. Eduardo Chaves conta que, numa apresentação da Sinfonia Coral de Beethoven, ao seu lado estava Faustini, que, na “Ode à Alegria”, liberou abundantes lágrimas … Num Domingo de Páscoa, regendo “Fugi, tristeza e horror”, Faustini também chorou …

Por causa da sua tenacidade, Faustini ficou conhecido como regente excepcional, especialmente quando dirigiu a música na Cruzada Evangelística de Billy Graham e apresentou o Coro Evangélico no Teatro Municipal de São Paulo.

Faustini teve como discípulos os maestros Zuínglio Faustini, Davi Machado, Luiz Roberto Borges, Lutero Rodrigues e Parcival Módolo, e as organistas Dorotéa Kerr e Elisa Freixo.

Fiquei impressionado com a competência de Faustini na regência, adquirida no “Westminster”, e sua humildade na direção dos jovens do “JMC”. Também éramos jovens; Faustini tinha buscado o ambiente dos sons; eu, ainda procurava um caminho para as letras.

Ambos tínhamos adotado nossos pseudônimos. Em 1958, Faustini traduziu o hino “God of Our Fathers” (Deus dos Antigos). Um famoso pregador ouviu atradução, mas ficou empolgado com a música. Não gostou da letra, e disse a Faustini:

“Você pode ser bom músico, mas deixe que os poetas façam os textos dos hinos”.

Faustini fez uma nova tradução; atribuiu a letra ao seu pseudônimo “J. Costa”. Aquele pregador logo disse: “Este sim é um bom poeta!” … (Rolando de Nassau, “Memórias”, http://www.abordo.com.br/nassau/).

Em 1963, formou-se em canto orfeônico e canto pela Escola Paulista de Música. Nos EUA e no Brasil, Faustini apresentou-se em muitos recitais de canto.

De 1964 a 1972, foi organista da “Saint Paul’s Presbyterian Church”, em Newark, NJ (USA), igreja de fala portuguesa.

Em 1966, tornou-se mestre em música sacra (especialização em composição) na escola de música do “Union Theological Seminary”, em New York, NY (USA), sob a orientação de Joseph Goodman.

Em 1967, foi colega de João Dias de Araújo no “Princeton Theological Seminary”, em Princeton, NJ (USA).

Nos últimos 46 anos, Faustini revelou-se profícuo compositor: os antemas e hinos reunidos na “Coleção Evelina Harper”; as coletâneas “Os Céus Proclamam”, “Ecos de Louvor”, “Louvemos a Deus”, “When Breaks the Dawn”, “Brazilian Organ Music”, “Cantai ao Senhor”, “Dádiva Divina” e “Queremos Te Louvar (para uso congregacional e coral), além de um hinário com 61 hinos.

Publicado em 1972, o hinário “Seja louvado” contém 175 hinos inteiramente novos na língua portuguesa (“ULTIMATO”, set. 77). Faustini contribuiu, em 1990, para o “HCC”, com 33 hinos por ele traduzidos.

Em 1973 seu livro “Música e Adoração” começou a difundir noções históricas e práticas ainda muito úteis aos músicos evangélicos no Brasil.

Regente do Coro da PIPI de São Paulo (1972-1975), foi ordenado ministro de música da Catedral Evangélica, cargo que exerceu entre 1976 e 1981, sendo o primeiro no Brasil entre os Evangélicos.

Em 1980, Faustini publicou “Música e Teologia Hoje”, cujas teses endossamos inteiramente; nesse opúsculo expunha a idéia de que todo músico de igreja deveria conhecer teologia. Ele mesmo foi o primeiro ministro de música a ser ordenado pastor (OJB, 04 e 11 jan 81).

Na segunda estadia fora do Brasil (1982-1996), foi novamente ministro da igreja presbiteriana em Newark, NJ (USA); depois (1997-2006),  foi organista e regente coral de uma igreja presbiteriana em Elizabeth, NJ (USA).

Esteve no Brasil em 1988 e 1989 participando de dois seminários, que em 1990 serviram de base para a SOEMUS (Sociedade Evangélica de Música Sacra), da qual é patrono. Em 22 de maio de 2013, na capela anexa à Embaixada do Brasil em Roma, a organista Elisa Freixo executou a peça “Currupio”, de Faustini.

O índice das obras de Faustini está disponível no site http://hinocristao.com/faustini/publicadas/ .

Pela quantidade e qualidade das obras e atividades, Faustini merece ser considerado um dos mais importantes músicos evangélicos do Brasil.

Em 31 de Julho de 2013

Advertisements

2 thoughts on “Perfil de João Wilson Faustini (por Rolando de Nassau)

  1. Grato por esse apanhado histórico sobre o ilustre Prof. João Wilson Faustini. Ótimas lembranças. Ótimas recordações.

  2. Os grandes mestres envelheceram, e muitos deles já não estão entre nós. Maravilhosas obras deste servo de Deus que merece ser sempre lembrado. Hoje, a música sacra está sendo bombardeada e vai se esvaindo lentamente, e porque não dizer, com o apoio de muitos pastores, o que é imperdoável. É pra gente chorar de tanto desgosto!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s